Fri. Feb 3rd, 2023



Quando se trata de novos trabalhos emergentes, o teatro Leão e Unicórnio é um espaço conhecido por cultivar talentos. Entrando em seu espaço de caixa preta exclusivo para as mães do Psychonaut Theatre, algo incomum está claramente acontecendo. Você se depara com um chão coberto de casca de laranja e uma família sentada em volta de uma mesa de jantar, movendo-se em um ritmo desconfortavelmente lento: uma pessoa está cortando uma laranja, outra está tomando uma sopa. Com uma música sinistra e penetrante de fundo, composta por Arielle Zilkha, a natureza abstrata desta peça é estabelecida desde o início. Após cerca de cinco minutos disso…

Avaliação



Bom

Uma jornada experimental pelo luto, amor e perda que precisava de uma estrutura e ritmo mais fortes.

Quando se trata de novos trabalhos emergentes, o leão e unicórnio o teatro é um espaço conhecido por fomentar talentos. Entrando em seu espaço de caixa preta de assinatura para Teatro Psiconautade Mães, algo incomum está claramente acontecendo. Você se depara com um chão coberto de casca de laranja e uma família sentada em volta de uma mesa de jantar, movendo-se em um ritmo desconfortavelmente lento: uma pessoa está cortando uma laranja, outra está tomando uma sopa. Com música sinistra e penetrante ao fundo, composta por Arielle Zilkhaa natureza abstrata desta peça é estabelecida desde o início.

Após cerca de cinco minutos desta cena da mesa de jantar, vemos Oldest (Lavínia Grippa) montou a história do ‘irmãozinho’ voltando para casa depois de sete anos, em um monólogo para o público. A resposta emocional de Grippa levanta muitas questões. Seu uso de repetição é confuso e não fiquei claro sobre quem era o ‘irmão mais novo’ e sobre quem era essa história. O Psychonaut Theatre é uma companhia extremamente experimental e questiona-se se a intenção era confundir o público ou deixar a ideia aberta à interpretação? Ao longo da peça, conhecemos cada um dos irmãos, ouvimos suas histórias de luto e vemos como esse momento importante em suas vidas os afetou como indivíduos e em seus relacionamentos.

Há momentos lindos e íntimos, salpicados ao longo da peça de setenta minutos, incluindo Youngest, interpretado por Juraj Benko, costurando uma laranja – aquela que a mãe cortou para compartilhar com a família – usando agulha e linha. Superficialmente, este é um conceito estranho, mas olhando mais profundamente, parece representar Youngest tentando manter a família estável.

Cada momento de fala íntima e os monólogos individuais são interrompidos por transições de movimento. Estes carecem de sentimento, impulso e emoção. O conjunto tem um desempenho tão bom em seus momentos individuais, mas juntos não funciona. Uma instância em que eles falam de sua dor, respiram fundo e caem no chão parece forçado. Se eles fossem apenas mais livres em seus movimentos, com uma perda de inibições, essa cena seria muito mais eficaz. Como uma peça de teatro multiforme, com cada seção autônoma forte dentro de si, a peça combina movimento, música, poesia e trabalho de cena para representar o tema da perda. Com tamanha variedade de formas, transições mais suaves e inteligentes entre cada segmento nos permitiriam nos relacionar mais com a história e mergulhar nela. Mas agora, parece fragmentado, com cenas individuais alienadas de outras que acabaram de assistir.

O roteiro e a música são notáveis. Os monólogos ao conhecer cada irmão realmente representam o luto e como diferentes pessoas reagem a ele. A segunda (Zilkha) fala sobre confiar em seu corpo para não decepcioná-la, enquanto a mais velha (Eva Mateos Rodriguez) explica como ela não sentiu desejo desde que a dor tomou conta. Ambas as atuações são cativantes e o roteiro realmente realça o forte tema corrente da peça. Um belo destaque desta peça é o uso de múltiplas linguagens, faladas e cantadas; uma representação da empresa e suas origens, e como diferentes culturas respondem ao luto e à perda.

A empresa faz bem em representar como o luto é uma comunidade, uma experiência compartilhada e também individual. No entanto, casar a natureza abstrata dessa peça com as cenas naturalistas baseadas em parceiros parece estranho e inconsistente. Na noite de abertura de sua peça de estreia, há muitas melhorias a serem feitas. Embora os momentos e as cenas individuais sejam belos e fortes, encontrar a maneira perfeita de ligá-los e criar um relacionamento entre os segmentos ressoaria muito mais.


Escrito por: Psychonaut Theatre
Direção: Karola Kosecka e Lavínia Grippa.
Produção: Arielle Zilkha

Mums se apresenta no Lion and Unicorn Theatre até 10 de dezembro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin