Sat. Jun 25th, 2022



O teatro Hope é um pequeno local de 50 lugares no Hope & Pub âncora em Islington. Como sempre com um local tão pequeno, as possibilidades de absorção completa são infinitas. Também significa que não há onde se esconder. Happenings começa com um casal discutindo no sofá.  Jane (Grace Collett) está desesperadamente de ressaca, tendo passado a noite anterior bebendo excessivamente enquanto reclamava com quem quisesse ouvir sobre a mundanidade de sua vida, a ponto de declarar que queria se jogar do Beachy Head nas proximidades. Seu namorado Joe (Tom Hobart) é…

Avaliação



OK

Uma história com uma história de partir o coração em sua essência, mas confusa por enredos complicados e adereços desnecessários.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

O teatro Hope é um pequeno local de 50 lugares no pub Hope & Anchor em Islington. Como sempre com um local tão pequeno, as possibilidades de absorção completa são infinitas. Também significa que não há onde se esconder. Acontecimentos abre com um casal em um sofá discutindo. Jane (Grace Collett) está desesperadamente de ressaca, tendo passado a noite anterior bebendo excessivamente enquanto reclamava com quem quisesse ouvir sobre a mundanidade de sua vida, a ponto de declarar que queria se jogar do Beachy Head nas proximidades. Seu namorado Joe (Tom Hobart) não sabe como oferecer conforto enquanto fica horrorizada com suas crassas declarações de suicídio em uma cidade assolada por tais tragédias.

A interminável auto-absorção de Jane se torna realmente muito dolorosa. Ela parece estar lutando com o sentido da vida sem querer assumir qualquer responsabilidade por ela mesma. Tenho certeza de que a caracterização é intencional, mas suas diatribes são longas, desgastando a paciência do espectador. Ambos os atores são adequados, mas carecem de luz e sombra: Collett, em particular, grita principalmente suas falas, enquanto Hobart raramente muda o ritmo em sua fala e está permanentemente fixado em um ponto à distância.

A apresentação da melhor amiga de Jane, Fran (Zo Biba-Leonard) traz melhorias. Fran tem uma vantagem para ela, e por isso se sente consideravelmente mais realista como personagem. Ela tem um falso brilho que sugere algo escondido e frágil. Biba-Leonard consegue capturar essa nuance de forma brilhante e está claramente confortável em um espaço tão pequeno.

O coração desta peça centra-se no suicídio; a angústia e o isolamento emocional e mental que compelem um indivíduo a dar aquele passo irreversível, traumático e final. A cena final mostra cada ator segurando placas manuscritas com nomes de indivíduos que morreram tão tragicamente dessa maneira. É um momento genuinamente de partir o coração.

Este é claramente um assunto que ressoa com o elenco e os criativos e merece ser tratado com respeito e atenção. Infelizmente, a clareza teria sido melhor alcançada se grande parte da estrutura e do enredo tivessem sido reduzidos. Cada um dos três personagens principais está aparentemente sobrecarregado com problemas de saúde mental, sugerindo que eles são suicidas. Isso apenas ofusca o trauma genuíno que um deles está escondendo. Há desdobramentos da trama no início, como um incidente com o cachorro de Joe, que são simplesmente bizarros e reduzem a credibilidade da peça, resultando em declarações subsequentes, vitais para a trama, sem sentido. Depois, há personagens, como o pai de Fran, que são completamente supérfluos. Eu realmente não sei por que eles estão lá. Há muitos detritos de adereços na sala de estar, principalmente a quantidade de junk food que foi comida que me deixou enjoado, o que prejudica ainda mais o que estava acontecendo, principalmente quando os atores precisavam limpá-lo no final do filme. cena. Menos em todos esses casos definitivamente teria sido mais.

Isso não quer dizer que tudo é ruim, porque é claro que não era. O intervalo entre as cenas é pontuado por fortes escolhas musicais e o final é comovente e inesperado. O coração da história merece iluminação, mas para alcançá-lo, esta peça requer uma boa edição.

Escrito por: John Berry, com material adicional de Zo Biba-Leonard
Direção: Matt Turpin
Produzido por: Not Your Muse Theatre

Happenings completou sua corrida atual no The Hope Theatre. Ele será exibido no The Space nos dias 12 e 14 de junho. Mais informações aqui.



By admin