Sun. Sep 25th, 2022



Enquanto o público se acomoda ao longo de três lados do palco do Bush Theatre, Leila (Ashna Rabheru), de 16 anos, debruça-se sobre sua obra de arte no chão da sala de estar, aconchegada em pijama e um roupão de lã. Sua avó, Nanoo (Renu Brindle), arruma a casa, ocasionalmente implorando que ela se apresse e se prepare para a escola. A designer Liz Whitbread criou uma casa que demonstra circunstâncias financeiras restritas ao lado da frugalidade oriunda da escolha religiosa. É pequeno e básico, mas aconchegante: uma pequena cozinha está afundada no canto do set mais próximo do público, um…

Avaliação



Bom

Um drama familiar de cortar o coração que expõe a hipocrisia da expectativa religiosa e social.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

À medida que o público se acomoda ao longo de três lados do palco no Teatro BushLeila de 16 anos (Ashna Rabheru) se debruça sobre sua obra de arte no chão da sala, aconchegada em pijama e um roupão de lã. Sua avó, Nanoo (Renu Brindle), arruma a casa, implorando de vez em quando que ela se apresse e se prepare para a escola. Projetista Liz Whitbread criou uma casa que demonstra circunstâncias financeiras restritas ao lado da frugalidade decorrente da escolha religiosa. É pequeno e básico, mas aconchegante: uma pequena cozinha está afundada no canto do cenário mais próximo do público, uma mesa de jantar encostada na parede no fundo da sala.

Leila está frustrada e ansiosa. Inicialmente, isso parece ser uma consequência das regras rígidas de sua avó, mas torna-se óbvio que ambos estão aguardando a chegada atrasada da mãe de Leila, Aleena (Avita Jay). Ela esteve fora por um tempo e o público é levado a suspeitar que ela esteve na prisão. Aleena então explode no palco em um frenesi de energia nervosa, cantando alto e reivindicando sua liberdade. Imediatamente há confrontos sobre como Leila está sendo criada e a tensão entre o grupo é palpável.

Favor é uma peça solidamente bem escrita que, como uma cebola, libera lentamente suas camadas, para revelar pepitas de verdade, uma de cada vez. À medida que as hipocrisias de uma comunidade que pretende valorizar a família acima de qualquer outra coisa são reveladas, torna-se evidente que ninguém é o que parece. Leila é a exceção que (diagnosticada com ansiedade e acordar gritando no meio da noite) é o peão no meio. Em uma excelente atuação de Rabheru, ela simultaneamente captura as frustrações normais de uma adolescente moderna ao lado de sua fragilidade de partir o coração. Ela quer ficar com a mãe, mas tem medo dela. Como qualquer criança, ela anseia por estabilidade: está ansiosa por mudanças.

A destreza da peça inicialmente encoraja o público a julgar Aleena simplesmente como uma viciada, criticando-a por sua falta de metas realistas de criação de filhos. No final, somos forçados a reconhecer as circunstâncias dúbias que a colocaram na prisão e enfrentar a dura verdade sobre os danos que mulheres com tais experiências sofrem ao tentar reconstruir suas vidas ao serem libertadas.

O relevo leve vem em forma de Fozia (Rina Fatânia) que entra e sai do palco em chamas de pretensão e preconceito, personagem que ressoa em muitos na platéia. Ela oferece falas que são tão opinativas e auto-ilusórias que o público explode em gargalhadas comuns nascidas da experiência. A genialidade de Fozia é que sua própria abnegação ilustra inversamente a comunidade sufocante na qual essa família está presa. Ela fala e se move em um ritmo diferente do resto do elenco para pontuar a hipocrisia, e funciona bem.

Boas atuações são entregues de todos e eu gosto do final: é realista, sem fantasia no estilo Disney aqui mas Sinto que falta uma faísca. Jay é um artista talentoso que canta e dança lindamente e ainda é Fatania como Fozia que rouba o show. Eu entendo que Aleena precisa demonstrar os efeitos tóxicos do ambiente que ela acabou de deixar, mas acho que um pouco mais de sutileza e nuance em sua performance elevaria essa produção ao próximo nível.

Escrito por: Ambreen Razia
Direção: Róisín McBrinn e Sophie Dillon Moniram
Co-encomendado por Bush Theatre e Clean Break

Favor joga no Bush Theatre até 6 de agosto. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin