Wed. Dec 8th, 2021


Ainda assim, o épico ensaboado de Scott – sua segunda apresentação cinematográfica este ano após o superior (e também parcialmente exagerado) “O Último Duelo” – não é exatamente entediante, graças a vários de seus atores (como Leto) sem medo de se inclinar para o o tom kitsch do filme, bem como alguns momentos destemidos – como uma cena de sexo sensacionalista – que os atinge nesse nível amplificado.

Uma feroz Lady Gaga lidera o grupo em um desempenho desigual, retratando Patrizia Reggiani – uma jovem assertiva de poucos recursos que se apaixona e se casa com Maurizio Gucci (um desproporcionalmente subjugado Adam Driver), o descendente sonhador da casa de moda. Quando Patrizia é rejeitada pelo tímido e tradicional pai de Maurizio, Rodolfo (Jeremy Irons) – ele discretamente envergonha a falta de sutileza cultural de Patrizia – ela encontra um aliado bem-vindo no tio Aldo (Al Pacino). Ele é o irmão calculista de Rodolfo, que sempre insistiu na qualidade e na classe, com uma atitude comercialista que difere da de seu irmão quando se trata de reviver a imagem instável de Gucci nos anos 70 e superar as faladas dificuldades financeiras da marca.

Também na mistura está o filho de Aldo, Paolo, trazido à vida por Jared Leto, cuja extravagância (e extremamente divertida) espalhafatosa por si só ganha a citada analogia do “show de rock”. A abordagem de Leto para o papel se mostra instantaneamente adequada para Paolo, um aspirante a empresário incompetente e um aspirante a estilista com pouco gosto e ainda menos talento. Rancor e sangue ruim fermentaram entre o clã ao longo da história que se estende por três décadas, especialmente depois que Patrizia dissimuladamente dissuadiu Maurizio de seus sonhos na faculdade de direito, abriu caminho para os negócios da família e virou seu marido contra praticamente todos os membros da família . Por tudo isso, a ingênua psíquica Pina de Salma Hayek guia a cada vez mais perturbada abelha rainha Patrizia com profecias sobre o futuro, emprestando ao filme algumas de suas cenas mais histéricas.

Se ao menos o elenco pudesse decidir em que tipo de filme eles participariam. Você poderia dizer que Adam Driver é excelente no papel de Maurizio, mas seus maneirismos medidos parecem tão descompassados ​​com a versão de “House of Gucci” que Leto ou Hayek parecem pensar que estão – nesse aspecto, ele opera em um filme totalmente diferente, um que Lady Gaga ocasionalmente participa quando ela não está em um comprimento de onda diferente. Você sente essa inconsistência tonal em outro lugar também, em todo o roteiro de Becky Johnston e Roberto Bentivegna, que alterna entre um drama severo e um melodrama exageradamente bobo com um senso de humor perverso que gera várias risadas, muitas delas involuntárias. É apenas quando o filme tem a audácia de abraçar a última parte de sua personalidade dividida que “House of Gucci” funciona, e ainda sobe. Mas essa confiança, infelizmente, não se concretiza com frequência. O filme resultante perde rapidamente o vapor em seu último ato, enquanto segue o malfadado e outrora vulnerável Maurizio enquanto ele voluntariamente pisa no lado negro de seus poderes como um Michael Corleone com um senso de moda mais elegante e revitaliza Gucci como o multibilionário designer premier de dólar que conhecemos hoje. (Reeve Carney é um bom e promissor Tom Ford nesses segmentos.)

By admin