Wed. Aug 10th, 2022



Deixei meu emprego no mês passado. Desde então, vivi uma vida felizmente livre de reuniões, chamadas de Zoom e metas. Isto é, até eu ir ver ANTS no Teatro Etcetera ontem à noite. O Junk Theatre pegou todos os clichês do mundo corporativo, cada último pedaço de jargão, e os amontoou em uma reunião que quebra KPIs, cria sinergias e é uma paisagem infernal. Três funcionários de diferentes departamentos de uma empresa sem rosto e sem nome receberam uma noite para preparar uma apresentação para a ‘alta administração’. O tema: Como a empresa pode maximizar os lucros no próximo ano? A peça é…

Avaliação



Bom

ANTS apresenta o auge do clichê corporativo em uma peça de teatro hilária e enérgica, mas alguns de seus socos mais pesados ​​e comoventes não chegam.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Deixei meu emprego no mês passado. Desde então, vivi uma vida felizmente livre de reuniões, chamadas de Zoom e metas. Isto é, até eu ir ver FORMIGAS no Teatro Etcetera noite passada. Teatro de lixo pegaram todos os clichês do mundo corporativo, cada último pedaço de jargão, e os amontoaram em uma reunião que destruiu KPIs e criou sinergias. Três funcionários de diferentes departamentos de uma empresa sem rosto e sem nome receberam uma noite para preparar uma apresentação para a ‘alta administração’. O tema: Como a empresa pode maximizar os lucros no próximo ano?

A jogada é mais forte quando borbulha no absurdo, iluminando o quão ridículo é o duplo discurso corporativo – como podemos dizer tanto e ainda assim não dizer absolutamente nada. Há momentos do primeiro tempo que realmente acertam. Quando formiga TRÊS (Olivia Moon) faz um discurso entusiasmado, embora sem sentido, diretamente para o público, é hilário – parece que o escritor George Manson está olhando para fora do roteiro e piscando para nós. Eu teria preferido mais momentos em que o naturalismo da peça fosse quebrado assim. Caso contrário, existe o risco de o público estar apenas assistindo a uma reunião chata.

Se o jogo borbulhar ocasionalmente no primeiro tempo, o segundo começa em ebulição. O set agora está repleto de pensamentos absolutamente ridículos e febris da equipe sobre como maximizar os lucros. O quadro branco agora está explodindo com ‘idéias’ como ‘estágios ilimitados e não remunerados’, ‘The Iron Curtain’ e ‘The Obamas’. Um mapa-múndi foi pendurado e anotado, circulando o Brasil com cifrões, uma grande seta do Japão para a Austrália diz ‘Pular?’, e um post-it esperançoso sugere ‘Uber 4 abelhas’. Ant ONE (tocado freneticamente por Anna van Miert) inicia uma apresentação prática, definindo sua estratégia de quatro partes para dominar o mundo como formiga TWO (brilhantemente cômica Joel David) enfaticamente vira um flipchart incitando a administração a ‘APERTAR A ESPONJA’. É propriamente uma excelente comédia e o zênite da peça. E tem que ser bom porque o intervalo – chocantemente – é de 30 minutos, presumivelmente para permitir que o set seja vestido para essa cena. Não pude deixar de sentir que a energia do público foi desperdiçada com isso; uma montagem e alguma música teria sido mais eficaz.

Exausto pelo esforço da noite e percebendo o quão inútil é a tarefa, a peça muda de tom. Os personagens abandonam suas fachadas profissionais enquanto se perguntam em voz alta se o trabalho vale a pena e lutam com a falta de realização em seus trabalhos insípidos. Por sua vez, cada formiga revela as pressões que as mantêm no trabalho: hipotecas, pais para cuidar, família para sustentar. Alguns desses momentos são genuinamente tocantes (DOIS descrevendo o jantar de domingo de sua mãe se destaca), mas alguns parecem um pouco forçados, atrasados ​​​​para adicionar significado.

No final, senti como se a peça ainda não tivesse decidido se era uma crítica absurda ao comportamento “profissional” ou uma tragicomédia genuína de quão insatisfatório o trabalho moderno pode ser. No entanto, foi um retorno ao trabalho completamente divertido. De minha parte, à medida que cada personagem se afastava – cortando laços com o mundo corporativo – isso me fez querer desistir novamente.

Escrito por: George Manson
Direção: Tom Mitchell
Produzido por: Ella Kennedy para Junk Theatre

ANTS está em cartaz no Teatro Etcetera até 15 de julho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin