Tanto uma peça de Royal Court de 1990 quanto um filme de 1994, confesso não ter conhecimento de nenhum antes desse renascimento de Death and the Maiden no sempre adorável Questors Theatre. Às vezes, essa ignorância pode ser uma coisa boa. Afinal, seria justo comparar uma produção em um teatro comunitário no arborizado bairro de Ealing, no oeste de Londres, com suas contrapartes de orçamento muito maior? Absolutamente não. Para aqueles como eu, novos nesta história, é um thriller altamente matizado, cheio de dilemas morais sobre justiça e vingança. Uma série de coincidências traz Roberto (Adam Kimmel)…

Avaliação



Bom

A facada dos questionadores neste thriller tenso pode não ter a tensão necessária, mas é um esforço digno que tem o suficiente para ainda proporcionar uma noite interessante e que vale a pena.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Tanto uma peça de Royal Court de 1990 quanto um filme de 1994, confesso não ter conhecimento de nenhum antes desse renascimento de Morte e a Dama no sempre lindo Teatro de Perguntas. Às vezes, essa ignorância pode ser uma coisa boa. Afinal, seria justo comparar uma produção em um teatro comunitário no arborizado bairro de Ealing, no oeste de Londres, com suas contrapartes de orçamento muito maior? Absolutamente não.

Para aqueles como eu, novos nesta história, é um thriller altamente matizado, cheio de dilemas morais sobre justiça e vingança. Uma série de coincidências traz Roberto (Adam Kimmel) para a casa de Geraldo (James Burgess) e Paulina (Nina Filtman). As coisas aumentam rapidamente quando Paulina se convence de que Roberto é o médico responsável por sua tortura e estupro 15 anos antes, sob o antigo regime do país. O que se segue é um dilema moral, pois Paulina busca justiça por meio de uma confissão de Roberto, enquanto Gerardo está dividido entre a lealdade à esposa e sua crença em um sistema legal justo. Seu dilema não é ajudado pelo fato de ele fazer parte da comissão para investigar assassinatos e desaparecimentos nas mãos da ex-ditadura do país – mas não as torturas. Sendo esse o caso, o que aconteceu com Paulina não é, aos olhos dela, tão importante o suficiente para importar.

É ótimo ver uma peça tão carnuda sendo abordada neste teatro comunitário. Seria muito fácil evitar esses tópicos e escolher opções muito mais seguras. E todo crédito ao elenco e equipe, eles conseguem criar uma performance que justifica tais riscos, totalmente merecedora da casa cheia desta noite.

Mas, por mais agradável e instigante que seja, há questões que precisam ser abordadas. O mais pecaminoso deles é uma distinta falta de tensão. Deveríamos estar na ponta de nossos assentos, horrorizados com as descrições de tortura e estupro sofridas por Paulina. O que não devemos fazer é rir enquanto ela sugere o uso de uma vassoura em Roberto para replicar seu estupro. No entanto, rimos, porque essa tensão não está lá para nos enojar e abafar nosso riso. Na verdade, só desce quando o Gerardo de Burgess finalmente levanta a voz mais tarde, sugerindo que a abordagem suave do diretor Richard Graylin talvez seja um pouco fácil demais. Talvez ele pudesse ter desafiado seu bom elenco para mostrar mais agressão em sua entrega?

Um melhor uso da luz e do som pode ajudar ainda mais a aumentar a apreensão. O som suave das ondas na praia certamente ajuda a definir a localização, mas não tem outra contribuição. A escolha de um ruído de fundo subjacente mais sinistro certamente nos colocaria no limite e faria maravilhas ao mudar toda a sensação. Da mesma forma, o cenário bem iluminado é bom para representar uma casa ensolarada à beira-mar, mas à medida que nos aprofundamos no interrogatório de Roberto, por que não diminuir essas luzes, usar holofotes para nos focar totalmente nele enquanto ele fala, ou em Paulina enquanto ela acena sua arma ameaçadoramente para ele? Isso, novamente, pode ajudar a focar nossas mentes; nos pare de rir fora do lugar.

Mas falhas à parte, é um crédito para Questors e para Graylin que eles tenham feito essa jogada desafiadora. Eles podem não acertar muito, mas ainda vale a pena uma visita a Ealing para ficar preso no labirinto moral que ele apresenta. É ótimo ver uma peça como esta encenada à nossa porta (se você mora no oeste de Londres, obviamente), proporcionando uma ótima noite, evitando os aborrecimentos de viagem (e preços) de uma viagem ao West End.


Escrito por: Ariel Dorfman
Direção: Richard Graylin
Design de som por: Emerson Bramwell
Projeto de iluminação por: Andrew Whadcoat

Death and the Maiden está em cartaz no The Questors Theatre até 1 de outubro de 2022. Mais informações e reservas aqui.



By admin