Fri. Oct 7th, 2022



Uma jovem sem nome, a Aluno (Hazel Caulfield) toca a campainha e espera para entrar para um encontro com um professor também sem nome (Jerome Ngonadi). Concedida a entrada pela Empregada (Julie Stark), cuja teimosia não diminui a ânsia borbulhante da Aluna, ela se emociona com o estudo, examinando livros e armários enquanto espera a chegada do Professor. Com um sorriso contagiante e entusiasmo sem limites, ela arruma seus livros e papéis e espera. Quando o Professor chega, ele julga o Aluno digno de seu tempo e atenção. Eles começam com aritmética, ela acelera através de…

Avaliação



Bom

Excelentes atuações e excelente encenação. É inteligente e inovador.

Avaliação do utilizador: 4,75 ( 1 votos)

Uma jovem sem nome, a Aluno (Hazel Caulfield) toca a campainha e espera entrar para um encontro com um professor também sem nome (Jerônimo Ngonadi). Entrada concedida pela Empregada (Julie Stark) cuja obstinação não diminui a ânsia borbulhante da Aluna, ela se emociona com o estudo, examinando livros e armários enquanto espera a chegada do Professor. Com um sorriso contagiante e entusiasmo sem limites, ela arruma seus livros e papéis e espera.

Quando o Professor chega, ele julga o Aluno digno de seu tempo e atenção. Eles começam com aritmética, ela acelera as perguntas de adição que ele faz. Ela salta de alegria ao acertar as perguntas dele, mas logo se percebe que ela não pode subtrair, mas chegou a este ponto através da memorização em vez da compreensão. Incapaz de avançar, o Professor passa da aritmética para as línguas, e é aqui que entramos totalmente no reino da Eugênio IonescoO roteiro de Teatro do Absurdo.

Segundo o professor, as palavras soam iguais em muitas línguas diferentes, mas têm, possivelmente, significados diferentes, então há trechos em que a mesma palavra é repetida várias vezes na tentativa de acertar. Ouvimos espanhol, neo-espanhol e meia dúzia de outras línguas. Há algum tédio aqui e é, presumivelmente, uma decisão deliberada da produção. As lições que o professor dá, contando sem parar, repetindo sem parar – pela natureza dessa produção, nós, o público, temos que assistir a elas também… repetidamente.

As atuações são soberbas. Ngonadi parecendo cada vez mais demente e despótico. Ele está convencido de que está certo, que o seu é o único caminho e ai de quem discordar. O otimismo brilhante de Caulfield primeiro se transforma em perplexidade, depois ela é sufocada, quase totalmente derrotada e só consegue rosnar de volta de vez em quando.

Max LewendelA direção e a encenação são absolutamente excelentes, inteligentes e inovadoras. O show foi projetado para ser reproduzido todas as noites com legendas criativas para tornar cada apresentação acessível. O roteiro é projetado nos fundos à medida que os personagens falam. Torna-se parte do show, com fotos e animações de passos descendo as escadas, música tocando ou sendo interrompido. À medida que o cenário muda e tudo, incluindo o chão, torna-se um quadro-negro para o Professor escrever, as palavras se movem e se expandem para abranger todos esses quadros. O conjunto enganosamente simples se transforma em algo maior e essa colaboração entre Christopher Honeprojeto de, Ben Gloveras projeções, Matt Downingo som e Stevie CartyO som de é verdadeiramente espetacular.

Eu gostaria que essa peça de um ato fosse mais curta e menos tediosa, mas acho que isso poderia estar perdendo o ponto. Este elenco e equipe criativa fizeram um bom trabalho com a adaptação desta peça de quase 70 anos atrás. Vai dividir o público, A lição certamente não será para todos, mas Coletivo de Teatro Ícaro fizeram bem por Ionesco.

Escrito por: Eugène Ionesco
Traduzido por Donald Watson
Diretor: Max Lewendel
Cenário: Christopher Hone
Figurinista: Isabella Van Braeckel
Designer de som: Matt Downing
Designer de iluminação: Stevie Carty
Designer de projeção: Ben Glover

The Lesson toca no Southwark Playhouse até 23 de julho de 2022 Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui



By admin