Sun. Jan 23rd, 2022



No mundo da dança, a maioria das empresas e programas de treinamento têm recursos para apoiar dançarinos feridos. No entanto, os mesmos padrões nem sempre estão em vigor para dançarinos que precisam de uma folga por motivos de saúde mental. “Já é difícil perder tempo devido a uma lesão física”, disse Casey Pentrack, ex-dançarina do Pittsburgh Ballet Theatre. Em 2016, embora ela estivesse preparada para uma carreira longa e promissora, ela parou de dançar devido a desafios com depressão e um transtorno alimentar. “Para algo que é tão invisível como um dano mental”, diz ela, “pode ​​ser difícil se convencer ou comunicar aos outros que uma folga pode ser necessária.”

No entanto, de acordo com a Dra. Lynda Mainwaring, uma psicóloga esportiva e performática que mora no Canadá, os dançarinos são particularmente vulneráveis ​​a desafios de saúde mental devido à natureza exigente da sua profissão. Quer estejam lutando contra uma condição crônica ou enfrentando um período de esgotamento, há momentos em que “superar isso” não é saudável, ou mesmo possível.


Como pedir uma pausa

Se você está se sentindo sobrecarregado, constantemente cansado, socialmente retraído ou incapaz de cuidar de suas necessidades do dia a dia, pode ser hora de dar um passo para trás, diz Mainwaring.

Quando Pentrack soube que precisava deixar a empresa, ela marcou uma reunião com o diretor artístico para discutir sua decisão. Susan Jaffe, atual diretora artística da PBT, sugere uma abordagem semelhante, acrescentando que pode ser benéfico incluir um membro da equipe de recursos humanos na conversa. “Uma pessoa de RH pode ajudar com cronogramas e procedimentos específicos”, diz ela. “Eles podem até ser capazes de ajudar a encontrar um profissional de saúde mental para você trabalhar.”

De acordo com Lauren Carlini, gerente de recursos humanos da PBT, a empresa define internamente “doença” de forma ampla. Qualquer condição clinicamente reconhecida, incluindo doença mental, é reconhecida como doença. Isso permite que os dançarinos usem os dias de licença médica remunerados para tratar de questões de saúde mental. “No contrato da AGMA, os bailarinos têm direito a 21 dias de licença médica remunerada por ano”, diz ela. Além desses 21 dias, a licença remunerada pode continuar por não menos que quatro semanas a 45 por cento da taxa de contrato semanal de um dançarino, e alguns dançarinos mais efetivos podem obter até 20 semanas de licença remunerada.

Ao pedir uma folga, Mainwaring recomenda uma comunicação honesta e aberta com a equipe artística, além de planejar com antecedência. “Pense em como é sua programação e identifique quando você precisa de um tempo livre e quando pode ser um bom momento para fazer isso”, diz ela.

Mas se um dançarino falar com seu diretor e encontrar obstáculos, Jaffe recomenda que ele fale com o RH e, em seguida, com um representante do sindicato para obter apoio adicional. Carlini acrescenta que uma nota de um profissional de saúde mental recomendando uma licença pode ser útil e pode ser necessária para uma licença prolongada, embora nunca seja necessário incluir detalhes pessoais sobre sua condição além do que é necessário para solicitar uma licença.

Use o tempo estrategicamente

Quer sua decisão seja deixar de se apresentar para trás ou apenas fazer uma pausa, existem maneiras de aproveitar ao máximo seu tempo fora. Mainwaring sugere que você dê uma pausa no rigor do treinamento de dança. Mas você pode usar os exercícios como uma ferramenta poderosa para melhorar a saúde mental.

“Os exercícios ajudam a dissipar o estresse e a ansiedade”, diz Mainwaring. “É importante manter a fisicalidade porque os dançarinos estão muito acostumados e gostam de movimentos.” Ela sugere que você tente novas maneiras de se manter ativo, como caminhar, andar de bicicleta ou jogar tênis com um amigo.

Embora sua saúde física seja importante, cuidar de seu cérebro deve ter prioridade. Procure organizações específicas de dança que fornecem recursos de saúde mental (veja a barra lateral) e podem até ajudar a cobrir alguns dos custos também.

Não se esqueça de que sua equipe artística e comunidade de dançarinos devem estar à sua volta. Ficar conectado aos seus círculos sociais e às coisas que você adora na dança também o ajudará a progredir.

“Estou aqui para dar suporte aos meus dançarinos”, diz Jaffe. “Estou aqui para ajudar.”



By admin