Tue. Jan 25th, 2022


Nunca sei o que dizer no topo dessas listas. Aqui estão 15 discos que eu gostei muito deste ano, e muito provavelmente continuarei ouvindo por um longo tempo. Espero que você goste deles tanto quanto eu, e talvez até mesmo seja apresentado a uma banda que você vai adorar por muitos anos por meio desta lista (ou qualquer uma de nossas listas deste ano).

15. Spelljammer – Viagem abissal

O que há sobre a Suécia e ter riffs? O que eles sabem, ou o que eles têm, que lhes dá o sobrenatural Iommic habilidades? Quem sabe mas Spelljammer está claramente participando do que quer que seja. Viagem abissal é recheado até a borda com grooves gordos, guitarras lentas de headbang e vocais distantes cujo floreio permite que a banda faça o que está fazendo com facilidade. Agora vá embalar uma tigela.

14. Pulmão Verde – Colheita negra

Pulmão verde, cara. Eles estão combinando as harmonias vocais de Tio ácido, a fortaleza de rocha de antigamente Ozzy, o dinheiro da guitarra de Dama de Ferro, o stoner-ness de cada banda de stoner que você já amou, e os teclados de órgão dos anos 70 prog em um gigante de um álbum. Colheita negra é excelente de frente para trás com muitos riffs robustos, refrões massivos de singalong e alguns solos de derreter o rosto. Ele governa.

13. Convergir – Lua de Sangue: eu

Lua de Sangue: eu é o novo álbum colaborativo Converge apresentando a totalidade de Converge, Chelsea Wolfe e Ben Chisholm do (Chelsea Wolfe fama), e Stephen Brodsky (Cave In, Homem Mutoid) O álbum é nada menos do que os melhores elementos possíveis de todos os envolvidos, uma vez que oscila fluidamente entre o metal escaldante e as passagens atmosféricas taciturnas, atingindo todos os pontos intermediários. Lua de Sangue: eu é como uma colaboração deveria soar – maior do que a soma de suas partes.

12. Culto da Morte Hippie – Círculo de Dias

Hippie Death Cult é o que parece ser uma banda de stoner metal que tentou ser uma banda de rock pesado psicológico e uma banda de death metal ao mesmo tempo, ficou presa em algum lugar no meio e então decidiu que estava tudo bem. Círculos de dias vai te lançar por vários loops, e cada um vai fazer você pensar “oh. Essa foi uma escolha muito legal. Onde isso esteve esse tempo todo?”

11. Chefe Queloide – Família O Tordo Sorridente

Além das letras lindas e estranhamente poéticas em Família O Tordo Sorridente é a mistura perfeita de inclinações progressivas, lama crocante e escolhas melódicas realmente estranhas que nunca falham. Boss Queloid é uma banda que é instantaneamente identificável e que parece estar sempre ganhando espaço cada vez mais a cada álbum. Eu não ficaria chocado se Boss Queloid começou a perder nomes como influências nos anos seguintes, se é que já não.

10. Gojira – Fortitude

Ei olha, outra lista com o novo Gojira álbum nele! Sério, há uma razão Fortitude continua aparecendo em todos os lugares – é muito bom. Fortitude parece um esclarecimento do que Gojira estava tentando fazer com Magma, mas visto através das lentes de seu material anterior e mais pesado. Fortitude parece focado e bem escrito, com todas as suas pequenas divergências meticulosamente planejadas do começo ao fim.

9. Genghis Tron – Arma de sonho

Genghis Tron voltou para todos nós pela primeira vez desde 2008 com um disco que não se parece em nada com os dois anteriores. Troca de vocalista Mookie Singerman com novo vocalista Tony Wolski e baterista Nick Yacyshyn, Genghis Tron Os pivôs vão do death metal cibernético a um som de rock mais espacial e pesado com o teclado, mas de uma forma menos agressiva. Arma de sonho é um novo capítulo para Genghis Tron, e muito empolgante.

8. Cínico – Códigos de Ascensão

Códigos de Ascensão vem na esteira da morte de ambos bateristas Sean Malone e baixista Sean Reinert. Com o guitarrista e vocalista fundador Paul Masvidal no comando, apoiado por Trioscapes baterista Matt Lynch e jogador de sintetizador Dave Mackay, Códigos de Ascensão é um lindo álbum progressivo que presta homenagem ao passado pesado da banda enquanto olha para um futuro progressivo estelar. Para tudo Masvidal passou em 2020, ele expressa isso lindamente em Códigos de Ascensão.

7. Monolord – Sua hora de brilhar

Eu realmente pensei Monolord estava chegando ao fundo do desespero com seu álbum de 2019 Sem conforto, mas aparentemente isso foi apenas o começo. Sua hora de brilhar parece a desgraça oprimida para aqueles que já estão se sentindo particularmente sombrios, e com riffs extremamente lentos para combinar. Na verdade, Sua hora de brilhar parece muito com a capa do álbum – não particularmente desanimadora até que você dê uma olhada mais de perto. É quando a miséria começa a crescer.

6. Roda – Residente Humano

Roda atinge o equilíbrio perfeito entre Ferramenta/Karnivool– complexidade de metal progressivo esquisito e embalando tantos ganchos e passagens cativantes em uma música quanto possível. Roda faz um trabalho maravilhoso com o ritmo de Residente Humano também, espaçando as músicas mais longas e dando espaço ao disco para respirar com um punhado de faixas mais curtas (mas igualmente excelentes). Além disso, a seção rítmica do baterista Santeri Saksala e baixista Poder Aki “Conan” é muito, muito bom.

5. Dream Theater – Uma visão do topo do mundo

Dream Theater está em alta ultimamente entre 2019 Distância ao longo do tempo e este ano Uma visão do topo do mundo. Enquanto o último explora uma versão de metal mais acessível da banda, Uma visão do topo do mundo parece um retorno triunfante a inclinar-se fortemente para o lado progressivo das coisas. Se este registro não fez um crente de qualquer Mike Mangini-era opositores, então simplesmente não há como convencê-los, não importa o quê.

4. Alastor – Para a frente e para baixo

Do outro lado da Monolorda desgraça oprimida vem Alastor, cujas letras também são sombrias como o inferno, mas a música é um pouco mais vigorosa. Bem, “enérgico” dessa forma que garante um headbang lento um pouco mais rápido. Para a frente e para baixo é um álbum doom para pessoas que querem um pouco mais de rock n ‘roll, embora com esses volumes de destruição de paredes e com muitos riffs por aí. Para a frente e para baixo também deve ser o registro que coloca Alastor no mapa de todos, porque vamos – é bom demais para não fazer isso.

3. Khemmis – Enganador

Khemmis estão agora com quatro discos em sua carreira e devem, a esta altura, ser considerados lendas modernas. Enganador só serve para deixar esse ponto ainda mais claro, com seus fluxos e refluxos entre a destruição esmagadora da alma e o heavy metal triunfante (olhando para você neste último, “The Astral Road”). Basicamente, se você estiver procurando por um manual sobre como fazer a destruição moderna, basta colocar em qualquer Khemmis registro – mas talvez comece aqui.

2. King Buffalo – O fardo da inquietação

King Buffalo é um raro exemplo de banda que está constantemente lançando material novo, e tudo isso é fantástico. O fardo da inquietação é a mistura perfeita de droning stoner doom e lúdico progressivo, não importa em qual música você esteja ouvindo. É o tipo de disco que faz você se perguntar como ninguém dominou esse som antes. Embora talvez seja porque King Buffalo não estava lá para mostrar a eles?

1. Frost * – Dia e idade

Geada* retorna com uma crise existencial progressiva e cativante na forma de Dia e idade. O resultado pode ser o mais acessível Geada* álbum até agora, e um que captura com precisão o passado progressivo mais puro da banda enquanto olha para um futuro rock mais simples, mas incrivelmente experimental. Embora se sentar bem entre os dois seja extremamente cativante e possa ser escrito para este nível de perfeição novamente, então Geada* deve sentir motivação zero para fazer mais movimentos.

Propaganda. Role para continuar lendo.
Quer mais metal? Assine nosso boletim diário

Digite seu e-mail abaixo para obter uma atualização diária com todas as nossas manchetes.

By admin