Região dos Vales Rio Grande do Sul Saúde Séries

Morangos como fonte de renda: Acessibilidade e superação no interior de Novo Cabrais Casal do município produz até 5 mil kg do fruto por safra em estufas adaptadas para cadeirantes.

Série Morangos

Após conhecermos duas famílias de Novo Cabrais que investiram no cultivo de morangos, tanto para diminuir a plantação de tabaco, quanto à cultura aliada ao turismo, nesta sexta-feira, 26, nossa matéria da série “Morangos como Fonte de Renda” apresentará um casal que venceu as barreiras impostas pela vida e hoje é sinônimo de inspiração, superação e motivação no pequeno município.

De alguns anos para cá, algumas famílias de Novo Cabrais vem encontrando nos morangos uma forma de diversificação de cultura e de garantir um dinheiro extra durante o mês. Para que isso aconteça, é fundamental que boas condições de trabalho e acessibilidade, tanto para o produtor quanto para o consumidor, sejam avaliadas.

Um dos pioneiros no cultivo do fruto no município:

Em 2013, o atual Secretário do Meio Ambiente e Turismo de Novo Cabrais, Agnelo Machado, deu início as plantações de morangos em sua propriedade, em Sanga Funda, interior de Novo Cabrais. Embora o cultivo do fruto tenha começado no chão, em um sistema intitulado “túnel baixo”, em 2016 ele e sua esposa, Engenheira Agrônoma e Extensionista da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) do município, Lenise Mentges, implantaram as estufas que estão no local hoje, que são adaptadas para pessoas com mobilidade reduzida.

Segundo Lenise, a iniciativa e investimento no cultivo dos morangos está sendo positiva. “Conforme o tempo foi passando e os resultados aparecendo, as estruturas das estufas foram feitas no sistema de bancadas, com cultivo semi-hidropônico contando com acessibilidade e adaptações necessárias a cadeirantes”, declarou.

Entenda melhor:

Em 2006, Machado sofreu um acidente de trânsito, quando conduzia sua moto, uma CG Titan 150. Após a ocorrência, o laudo médico indicou uma lesão medular e perda parcial do movimento das pernas, que se tornou total.

Apesar de ter algumas limitações físicas, elas não o impediram de continuar estudando e buscando alternativas para sua vida.

Sendo extensionista da Emater na época, desde 2011, ele resolveu anos após o imprevisto, inovar. “Fomos pioneiros na produção de mudas de morangos, por que víamos uma necessidade de fornecimento da mesma para produtores que iniciavam a produção dos frutos, além da rentabilidade da cultura e do mercado promissor para comercialização do fruto”, frisou.

Conforme Lenise, companheira e apoiadora de Machado, eles já sabiam da procura pelo produto no mercado e do retorno econômico que poderiam conseguir com o fruto, e isso os motivou a buscar a cultura como fonte extra de renda.

Questionado sobre como ele vê esse aumento na produção de morangos no município, de 2013, quando começou o cultivo, até este ano, ele expõe seu ponto de vista. “Certamente a situação é muito positiva. Precisamos ser vistos como um município produtor em potencialidade, isso atrai empresas pa ra suprir a necessidade de insumos e novas tecnologias, além de atrair compradores”, declarou Machado.

Estrutura:

As estufas na propriedade possuem adaptações com caminhos mais largos que o convencional, com piso de cimento, que interligam as estufas com um “galpão de bomba”, onde os produtos são preparados e embalados para comercialização pelo casal.

Ainda conforme Machado, o diferencial de sua estufa para o restante das estruturas da região é justamente essa questão da acessibilidade, permitindo que pessoas com mobilidade reduzida possam trabalhar tranquilamente no local, quebrando o tabu de que a agricultura não é para pessoas com deficiência física.

O negócio:

O casal que foi um dos pioneiros no cultivo da cultura na cidade conta com 10 mil mudas de morangos em suas estufas, e eles estão realizando atualmente a colhendo da terceira safra do fruto, que chega até 80kg coletados diariamente, variando de dia para dia, podendo resultar em até 5mil kg de morangos até o final da safra. Hoje, o produto é comercializado “in natura”, tanto na propriedade, à margem da BR-153, quanto através de encomendas feitas e entregues pelo casal.

Na próxima semana, apresentaremos outro casal de Novo Cabrais, que produz morangos de forma totalmente orgânica nas estufas e ainda utiliza a homeopatia desde o início do cultivo até a colheita do fruto.

 

 


Sobre o autor

Marcelo Müller

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: