Fri. Feb 3rd, 2023


Como musicista profissional durante toda a sua vida adulta, Michelle Malone entende o poder de conexão e cura da música com o público. Para compositores, o ato de escrever uma música geralmente os conecta com seu próprio passado. E Malone faz uma profunda viagem ao passado com seu novo álbum, 1977.

A história por trás do título é dupla.

Durante o bloqueio da pandemia, ela ouvia músicas reconfortantes e, para Malone, isso significava a música com a qual ela cresceu nos anos 70. E as músicas que ela estava escrevendo na época saíram desse modo.

Mas, mais especificamente, 1977 foi o ano em que Malone começou a tocar guitarra. “Era a guitarra do meu irmão”, diz ela. “Ele o escondeu em um armário e me disse para não tocá-lo.” Mas a tentação era muito grande, mesmo sendo uma guitarra Gibson inicial com um braço largo que dificultava o seu toque. Não demorou muito para ela comprar sua primeira guitarra, uma acústica Alvarez, do guitarrista da banda de jazz de sua mãe.

“Esse foi um ano crucial para mim, um ano de mudança de vida”, diz ela. “Eu estava tocando acordes simples, e isso se tornou a base de tudo o que faço.”

Ela ainda possui aquela guitarra Alvarez. “Eu o tenho pendurado na parede”, diz ela. “Eu amo essa guitarra. Significa muito para mim.”

Para ouvir Malone tocar as músicas de sua juventude, assista ao seu grupo paralelo – Canyonland – hoje à noite (sexta-feira) às 20h no Downtown Decatur Gazebo para uma programação de músicas de Linda Ronstadt, The Eagles, Fleetwood Mac, Joni Mitchell e outros associados a o som de Laurel Canyon Califórnia. Malone será acompanhado pelo guitarrista Doug Kees e Nelson Nolen.

1977, que foi lançado hoje, é o 17º álbum de estúdio de Malone. O nativo de Decatur é uma luz orientadora na cena americana da região e um pioneiro da música indie. No início dos anos 90, ela deixou um contrato com uma grande gravadora e trabalha como artista indie desde então.

A pandemia criou desafios especiais para Malone e outros músicos cuja principal fonte de renda – shows ao vivo – de repente secou. Malone transmitiu concertos online na sala de estar e até se contratou para os shows do “Four-Pack”. “As pessoas me contratavam para tocar quatro músicas”, diz ela. “Eu dirigia, pulava do meu carro, tocava quatro músicas no jardim da frente e depois ia embora.”

Ela voltou a uma programação de shows ao vivo em julho passado, durante uma pausa de verão em casos de Covid. “Eu tive que fazer face às despesas”, diz ela. “Um cantor tem que cantar.”

Malone escreveu as músicas para 1977 durante a pandemia, mas ela é rápida em dizer que não há músicas sobre a pandemia. “Fiz um esforço consciente para não escrever sobre o Covid”, diz ela. “As músicas meio que se escreveram sozinhas. Eu não tive que trabalhar com eles. O processo foi natural e orgânico.”

O processo de gravação foi muito semelhante. Malone, que também produziu o álbum, reuniu músicos (Kees na guitarra, Gerry Hansen na bateria, Trish Land na percussão, Matt Stallard no baixo e Neal Wauchope nos teclados) e gravou no estúdio Bakos Amp Works. Amy Ray e Kevn Kinney das Indigo Girls fazem participações especiais nos vocais de fundo.

“Nós não ensaiamos antes de irmos para o estúdio,” ela diz. “Eu escrevi um gráfico, nós começamos a tocar e pegamos uma vibe. Então fazíamos duas ou três tomadas, e a música estaria pronta.”

Michelle Malone
Malone se baseou em suas raízes folk-rock nas músicas que escreveu para “1977”.

Kees se tornou um dos pilares da banda de Malone, e eles costumam se apresentar em dupla (e também na banda de Natal The Hot Toddies). Sua guitarra de bom gosto e discreta é um complemento perfeito para a música e voz de Malone, bem como a parceria de longa data entre Emmylou Harris e Buddy Miller. “Acho que encontrei meu par em Doug”, diz Malone. “Nós viajamos bem juntos e jogamos bem juntos. Ele é um ótimo guitarrista e acontece que nossas famílias se conheciam e não tínhamos ideia.”

Malone aponta para a música “Bodyguard”, onde a guitarra sutil de Kees varre para flashes cinematográficos. Ela escreveu a música em um café na Europa sobre uma jovem alienada com grandes sonhos e duras realidades. “Ela é uma pessoa real”, diz Malone. “Não a conheço pessoalmente, mas conheço-a bem.”

O álbum também apresenta músicas sobre o pai de Malone (“Buck Knife Man”) e seu avô (“Georgia Made”).

1977 é um afastamento dos recentes álbuns encharcados de blues de Malone; não há nenhuma guitarra de slides para ser ouvida. Mas isso a leva de volta às suas raízes de cantora e compositora. “Foi uma progressão natural para mim cair em outros estilos novamente porque foi assim que comecei”, diz ela. “Este álbum tem alguns sabores diferentes, mas é o mesmo cozinheiro. E ainda é sulista.”

Acima de tudo, Malone está feliz por estar gravando e se apresentando novamente, encontrando conexão e cura com seu público. “A música une as pessoas e, esperançosamente, diverte as pessoas”, diz ela. “A música é a segunda profissão mais antiga. A música é essencial e os músicos são trabalhadores essenciais.”



By admin