Fri. Oct 7th, 2022


Trabalhar para “linhas mais longas” como dançarino pode ser complexo. Afinal, você não pode realmente fazer seus membros mais longos, e tentar é essencialmente “lutar por algo fora de si mesmo”, diz Alvin Ailey, diretor de ensaios do American Dance Theatre, Ronni Favors. A estética ligada às linhas longas também pode às vezes não ser saudável: “Linhas longas” pode ser um eufemismo para magreza.

Então, em vez de pensar em linhas longas como um ideal estético, procure encontrar alongamento e elasticidade em sua linha – uma linha sem esforço proporcional ao seu corpo – como mais uma ferramenta em sua caixa de ferramentas, sugere Favors. “Como dançarina, você está fazendo formas no espaço”, diz ela. “Então, ser capaz de habitar a maior quantidade de espaço é algo pelo qual todos nós realmente nos esforçamos.”

Organize-se

Ter liberdade nos membros para alcançar e alongar requer um torso seguro e alinhado para se mover, diz a fisioterapeuta Andrea Lasner, que trabalha com dançarinos no Hospital Johns Hopkins, em Baltimore.

Andrea Lasner trabalhando com uma dançarina. Foto de Richard Anderson, cortesia de Lasner.

A força do núcleo é uma chave, mas certifique-se de que seus treinos não sejam contraproducentes para o alongamento da coluna. Ao fazer um crunch, por exemplo, a tendência é puxar o pescoço ou empurrar o abdômen, em vez de puxar os músculos abdominais para dentro e para cima para criar mais comprimento, diz Maribel Modrono, membro do corpo docente da Miami City Ballet School. Ela também recomenda o clássico Pilates roll-up, que enfatiza o rolamento pela coluna no caminho para cima e para baixo.

Trabalhar no alinhamento correto também é essencial para estabilizar o tronco e liberar os membros, diz Favors, pois o desalinhamento pode se manifestar em linhas encurtadas, criando excesso de tensão no corpo ou fazendo com que os bailarinos apertem ou prendam seus braços e mãos enquanto agarram. uma sensação de controle. Encontrar o alinhamento geralmente é uma longa jornada, diz ela, que pode ser ajudada por Pilates e Gyrotonic, ou por um professor ou treinador atencioso.

Criar espaço

Só porque uma fila é longa não significa que ela tenha a qualidade alegre e esticada que muitos dançarinos desejam. Favors aponta que, às vezes, quando um dançarino está procurando uma longa fila, parece que eles estão puxando ou tensos.

O diretor de ensaios de Alvin Ailey, Ronni Favors, trabalhando com a dançarina da companhia, Constance Stamatiou, em “Cry”. Foto de Christopher Duggan, cortesia da AAADT.

Para linhas fáceis e atenuadas, ela sugere imaginar que há espaço adicional nas articulações, para evitar comprimi-las. Ela também gosta da ideia de sentir o ar ao seu redor – entre os dedos, acima da cabeça – e manter esse ar em constante movimento.

É claro que criar espaço para mobilidade máxima e, portanto, linhas esticadas ao máximo significa ter músculos flexíveis e quentes. Modrono enfatiza a importância de um aquecimento adequado antes da aula e do ensaio – especialmente alongamentos dinâmicos para os quadris e isquiotibiais – e a recuperação depois.

Estender a partir de pontos distais

Modrono vê a cabeça e o decote como um “ponto de exclamação”, capaz de estender ou complementar a linha. As mãos e os pés, por sua vez, podem ser os toques finais de uma linha ou os pontos de quebra não intencionais. Tanto Favors quanto Modrono mostram aos dançarinos o “Homem Vitruviano” de da Vinci para enfatizar a ideia de energia irradiando do centro do corpo e saindo pelos pontos distais.

Até mesmo seu foco pode dar a ilusão de uma linha mais alongada quando usado com sabedoria, como levantar levemente os olhos em um salto para sugerir mais altura no ar, diz Modrono. Favors acrescenta que olhar muito além das paredes do estúdio ou teatro e para a distância imaginada pode aumentar essa ilusão.

Ângulos e círculos

É uma lição aprendida pela maioria dos alunos de balé em tenra idade, mas vale a pena lembrar para qualquer bailarino: ao dobrar seu corpo, imagine que você está em sua própria caixa imaginária. Em outras palavras, diz Modrono, para linhas consistentes e lisonjeiras, incline-se para sua cantos, em vez dos cantos do palco ou estúdio.

Favors também considera os círculos uma imagem útil: “Mesmo quando você está indo para o final de sua linha, ela está sempre circulando, mas você quer que cada extremidade se encontre do outro lado do círculo, em vez de ser puxado para dentro. o centro”, diz ela.

Alongar através de transições

Luxuriar em linhas longas e sem esforço é uma coisa quando você tem muito tempo para brincar. É um desafio totalmente diferente durante o movimento rápido ou momentos de transição. Para encontrar oportunidades para alongar em sequências difíceis, concentre-se na eficiência, sugere Lasner, sendo específico sobre o que exatamente seu corpo está fazendo e quanto esforço muscular será necessário para fazê-lo.

Favors concorda e sugere dissecar o movimento para encontrar as rotas mais curtas entre os destinos. “Você tem que ser muito econômico porque não quer encurtar o movimento, mas também não quer ir além”, diz ela. “Você precisa saber onde o movimento começa e onde termina.”

Maribel Modrono da Miami City Ballet School. Foto de Alexander Iziliaev, cortesia de MCB.

Isso também significa não negligenciar os momentos intermediários. “Você precisa ter certeza de que está prestando tanta atenção às suas transições quanto ao próximo grande movimento”, diz Favors. “Porque muitas vezes só pensamos no ‘ta-da!’ mas são as transições que nos preparam para isso.”

Criar linhas elegantes tem menos a ver com o comprimento de suas pernas ou a flexibilidade de seus quadris e mais com esse tipo de atenção aos detalhes e sutileza cuidadosa. “Adoro ver pessoas com uma linha realmente primorosamente trabalhada que elas criaram e esculpiram por meio de sua própria descoberta”, diz Favors. “Isso é tão bonito quanto alguém cuja perna passa pelas orelhas.”

Canalize a respiração

Os dançarinos às vezes ficam tão presos em “atingir a linha” que na verdade estão prendendo a respiração, ou parecem que estão, diz Modrono, o que pode fazer a linha parecer estática e empolada. Mas, ela diz, adicionar fôlego aos seus movimentos, como port de bras, aterrissar um salto ou terminar uma curva, pode adicionar graça e espírito à qualidade de sua dança.

By admin