Sun. Aug 7th, 2022


A maioria dos jovens bailarinos assume que a vida na empresa é a única carreira profissional que vale a pena seguir — mas há mais de um caminho para o sucesso. Recebemos informações sobre o trabalho indie de quatro bailarinas freelance, que compartilharam suas jornadas para freelancers, suas tarefas diárias e as ricas oportunidades de uma carreira solo.

Alison Stroming

À primeira vista, a carreira de Alison Stroming começou tradicionalmente com companhias como Alberta Ballet e Dance Theatre of Harlem. Mas, na realidade, ela está buscando trabalho freelance há anos depois de assinar com a Bloc Talent Agency. “Eu queria manter meus pés nos dois mundos”, diz Stroming. “Meu agente falaria com meu diretor e obteria sua aprovação para eu fazer shows diferentes.” Após vários anos de trabalho entre DTH e freelance, Stroming decidiu que estava pronta para se afastar de um contrato com a empresa e se mudou para Los Angeles, onde explorou oportunidades em todos os setores.

Alisson Stroming. Foto de Franz Steiner, cortesia de Stroming.

Seu currículo freelancer: Stroming já dançou em comerciais para American Eagle, McDonald’s e Canon, trabalhou para artistas como Kendrick Lamar e Aretha Franklin, e foi convidado para companhias e escolas como o San Jose Dance Theatre na Bay Area. “Eu costumo fazer pelo menos duas ou três Quebra-nozess por temporada”, diz ela.

Encontrar trabalho: Stroming livros muito trabalho através da mídia social. “Vou receber mensagens de diretores de elenco, donos de estúdios e diretores de balé que querem trabalhar comigo”, diz ela. “Mas muito do trabalho em LA é sobre quem você conhece.”

O dia a dia: Dependendo de sua agenda, Stroming tenta fazer aulas de dança pelo menos três vezes por semana. Depois da aula, ela pode ter várias audições, um retorno de chamada ou agendamentos, ou apenas trabalhar em casa em sua linha de roupas de dança, AS Dancewear. “Essa é a vida de um freelancer”, diz ela. O resto de seus dias é tipicamente preenchido com aulas em Los Angeles, fotografando negócios de marcas ou viajando para ensinar em competições como Icon Dance Awards, NUVO ou 24Seven.

Movimentos de dinheiro: “Uma agitação lateral é necessária para a maioria dos freelancers”, diz Stroming. “Como dançarina, há tantas coisas que você pode fazer para ter uma renda extra. Você pode ensinar ou coreografar. Basta encontrar algo que você goste!”

A parte difícil: Stroming luta com a falta de consistência no freelancing. “Pode ser aterrorizante”, diz ela. “Não é para todos, e tudo bem, porque a carreira de cada dançarino é diferente.”

Graceanne Pierce

Em junho de 2020, logo após o Ballet West deixá-la ir por causa do downsizing, Graceanne Pierce se mudou para Nova York. Apesar das restrições da pandemia, correu a notícia de que ela havia retornado e os projetos começaram a aparecer. A fotógrafa Rachel Neville pediu para ela fazer um curta comercial, ela fez um Quebra-nozes pas de deux com amigos do American Ballet Theatre, e ela conseguiu um videoclipe de Jon Batiste. “Entrei no freelancer com a mente aberta e adorei”, diz ela. “Não consigo imaginar minha carreira de outra forma.”

Graceanne Pierce é uma mulher de pele clara com cabelos ruivos.  Ela usa sapatilhas de ponta e um collant preto.  Ela olha para a esquerda, equilibrando-se na ponta da perna direita e levantando a perna esquerda, emoldurada por um tecido de cobre ondulante.
Gracean Pierce. Foto por CodeArt Photography, cortesia de Pierce.

Seu currículo freelancer: Desde 2021, Pierce trabalha com iHeartDance NYC e Dances Patrelle, dançou como Sugar Plum Fairy em um show convidado com Brooklyn Mack e frequentemente se apresentou com Ask la Cour. Este ano ela vai se apresentar no filme de dança Coragemque retrata as heroínas dos romances de Jane Austen – ela interpretará Emma.

Encontrar trabalho: A maioria das oportunidades clássicas de Pierce vem via Instagram, bem como diretores de elenco entrando em contato por e-mail.

O dia a dia: “Eu normalmente começo meu dia com um treino em casa, depois faço uma aula matinal no Steps on Broadway ou Ballet Arts”, diz ela. “Se estou trabalhando em um projeto, vou ensaiar por algumas horas e, se tiver tempo, tentarei entrar em outra aula à noite.”

Movimentos de dinheiro: Até agora, Pierce não teve muitas lacunas entre os projetos, mas ela ainda teve que criar estratégias para sobreviver. “Tive que aprender a ser empresária e negociar contratos, criar conteúdo para redes sociais e gerenciar minhas oportunidades”, diz ela. Pierce também ensina em Long Island para complementar sua renda.

A parte difícil: Para Pierce, o horário flexível que vem com o freelancer é uma bênção e um desafio. “Não é como se eu estivesse recebendo um e-mail do gerente da empresa me contando minha agenda”, diz ela. “Eu tenho que ser disciplinado e planejar com antecedência para fazer as coisas acontecerem.”

Silken Kelly

Freelancing nunca esteve no plano de carreira de Silken Kelly. “Fui forçada a isso”, diz ela. “Eu não tive escolha.” Depois de uma decepcionante temporada de aprendiz no Houston Ballet e um curto período no Dance Theatre of Harlem, Kelly teve que se adaptar. Ela mergulhou os pés nas águas do freelancer com algumas empresas baseadas em projetos em Nova York. “Se você tivesse me perguntado na época, eu teria dito que odiava”, ela diz. “Havia muitos empregos que aceitei só porque precisava de dinheiro.”

Seis anos depois, Kelly possui uma montanha de créditos de desempenho profissional – e uma perspectiva totalmente nova. “Como freelancer, não há instituição que me faça questionar ou me pedir para comprometer alguma coisa”, diz ela. “Ninguém está comentando sobre meu corpo. Eu consigo ser exclusivamente eu e tirar o máximo proveito disso. Estou muito mais contente do que antes.” Suas palavras para aqueles que precisam de mais convincente? “Não bata até que você tente.”

Seu currículo freelancer: Kelly excursiona com empresas como Rock the Ballet, convidados para escolas como Eglevsky Ballet em Bethpage, Nova York, e formou sua própria empresa. Ela foi modelo para Pottery Barn, Shake Shack e Kiehl’s, e atuou em filmes como Hallmark’s Torção de ameixa.

Encontrar trabalho: Enquanto alguns dos shows de Kelly vêm de boca em boca, uma boa parte vem das mídias sociais. “Minha estratégia tem sido colaborar, criar arte e divulgá-la na esperança de que outros vejam e queiram trabalhar juntos também”, diz ela. Embora Kelly atualmente tenha mais de 70 mil seguidores no Instagram, ela quer que os dançarinos saibam que não é necessário para ter sucesso como freelancer. “Tenho toneladas de amigos que têm menos de 5 mil seguidores no Instagram que trabalham o tempo todo”, diz ela.

c Silken Kelly. Foto de Paul DuBois, cortesia de Kelly.

O dia a dia: Não há dois dias iguais na vida de um freelancer, mas há certas tarefas que Kelly sempre prioriza. “Gosto de fazer balé logo de manhã em https://www.stepsnyc.comSteps on Broadway”, diz ela. Se ela não tiver um emprego de dança, ela irá para casa para trabalhar em seu trabalho paralelo (administrar as contas de mídia social de outras pessoas) antes de ir à academia para treinar com pesos. Ela também às vezes aluga espaço no estúdio para praticar ou coreografar e faz aulas de atuação e canto.

Movimentos de dinheiro: “Qualquer freelancer lhe dirá que quando chove, chove”, diz Kelly. “Às vezes eu passo por uma seca por muito tempo e, de repente, estou trabalhando por um mês direto. Felizmente meus empregos pagaram bem o suficiente para me levar para o próximo show. Por segurança, meu trabalho de mídia social também fornece uma renda consistente.”

Tele Coisas Difíceis: Apesar das vantagens, ser freelancer vem com desafios. “Em uma companhia, você dança das 10h às 18h e depois relaxa”, diz ela. “Como freelancer, é difícil encontrar tempo de descanso. Eu tenho que estar constantemente pronto para o caso de um e-mail chegar. Essas pessoas estão entrando em contato com uma tonelada de outros dançarinos, e eu preciso pular para conseguir o show.”

Kylie Shea

Mesmo enquanto Kylie Shea estava prosperando na vida da empresa, ela via o trabalho como freelancer em seu futuro. “Eu tinha muitos sonhos para que isso fosse o fim de tudo, tudo”, diz ela. Então, depois que ela foi promovida a diretora do Spectrum Dance Theatre em Seattle e as demandas em seu corpo se tornaram demais, “eu sabia que era hora de pegar qualquer cartilagem que restava em meus quadris e jogar como freelancer”, diz Shea. “Eu não tinha um plano, mas quando você está aberto a tudo o que a vida tem a oferecer, você se encontra em uma trajetória melhor do que qualquer coisa que você possa imaginar.”

Seu currículo freelancer: Alguns de seus créditos incluem dançar em “It’s Always Sunny in Philadelphia”, “Glee” e no videoclipe “Gorilla” de Bruno Mars.

Kylie Shea. Cortesia Shea.

Encontrar trabalho: Shea obtém oportunidades por meio de sua agência, mídia social e boca a boca. “Tornei-me capaz de usar o Google e fácil de entrar em contato”, diz ela. “Mas, o mais importante, tento demonstrar através da minha ética de trabalho e como me carrego que sou alguém que você pode se sentir confortável em recomendar aos outros.”

O dia a dia: Independentemente do que está em seu calendário, Shea gosta de se manter ativa com uma hora e meia a três horas de treinamento por dia. “Começo com barre e algum centro”, diz ela. “Então eu coloco minhas sapatilhas de ponta e improviso por um tempo antes de pular corda ou andar de bicicleta.” Quando não está no set ou treinando, ela está “sempre criando”, desde ensinar e escrever até tirar e editar fotos e vídeos para mídias sociais. “Muitas vezes, esse plano vai por água abaixo se eu receber uma ligação de última hora do meu agente para uma audição”, diz Shea. “Nunca sei o que vem a seguir.”

Movimentos de dinheiro: Apesar de muitos anos como freelancer, Shea ainda luta com o aspecto financeiro do trabalho. “É tão difícil”, diz ela. “Sempre tive que fazer trabalhos aleatórios para complementar”, diz ela. “Às vezes o dinheiro é bom – como se você reservasse um comercial nacional, pagaria o suficiente para que você pudesse respirar um pouco. Mas quase todo mundo tem que fazer algo extra ao lado.”

A parte difícil: Pode ser difícil deixar de lado as amadas oportunidades de curto prazo. “Depois que fiz ‘It’s Always Sunny in Philadelphia’, tive uma depressão severa porque sabia que isso nunca aconteceria novamente.” Para Shea, a imprevisibilidade é a parte mais difícil do freelancer. “Quando um show recente terminou, eu não tinha nada planejado,” ela diz. “Chorei, imaginando se algum dia voltaria a trabalhar. Uma oportunidade super empolgante surgiu e tudo ficou bem novamente.”



By admin