Fri. May 27th, 2022



A música da semana se divide e fala sobre a música que simplesmente não conseguimos tirar da cabeça a cada semana. Encontre essas músicas e muito mais em nossa lista de reprodução Spotify Top Songs. Para nossas novas músicas favoritas de artistas emergentes, confira nossa lista de reprodução Spotify New Sounds. Esta semana, Florence + the Machine assume seu lugar de direito no trono.


Florence Welch assumiu uma ampla gama de identidades nos últimos 15 anos. Desde que ela formou o Florence + The Machine em 2007, Welch tem sido uma roqueira indie forte; uma sirene de hino de empoderamento; uma cantora sedutora; uma diva da pista de dança; uma mulher bruxa; um poeta. Como David Bowie antes dela e contemporâneos como St. Vincent, Welch não está apenas escrevendo e gravando música com Florence + The Machine – ela está desenvolvendo personagens completos com mundos estéticos ricamente imaginados que acompanham cada lançamento.

Mas não importa o quanto os artistas sejam meticulosos ao tentar controlar sua imagem, eles não podem evitar totalmente se tornarem projeções do que o público quer que eles sejam. A nova música do Florence + The Machine, “King”, mostra Welch lutando com o peso dessas expectativas e a incerteza que vem quando você é o autor de sua própria história.

“Como artista, nunca pensei muito sobre meu gênero”, diz Florence em uma nota que acompanha o lançamento da música. “Eu apenas continuei com isso. Eu era tão bom quanto os homens e fui lá e os igualei todas as vezes.”

Mas agora, aos 35 anos, Welch está sentindo o “rasgo de minha identidade e meus desejos”, como ela diz. “Que ser um artista, mas também querer uma família, pode não ser tão simples para mim quanto é para meus colegas do sexo masculino.”

Enquanto as origens de “King” parecem incrivelmente pessoais para Welch, como as melhores músicas de Florence + The Machine, ele oferece uma mensagem mais universal. “Não sou mãe, não sou noiva, sou rei”, Welch repete, fincando uma bandeira no chão e tentando se auto-realizar por meio de um mantra. É uma música cheia de dúvidas e dor. Em última análise, Welch determina que ela precisa de sua “coroa de ouro da tristeza” e sua “espada sangrenta para balançar”, trocando conforto por realização criativa. “Aquilo em que você é melhor é o que mais dói”, Welch canta.

E enquanto uma seção de cordas agitada e percussão de sabre dão a “King” uma qualidade de hino que remete a “Shake It Off” e outras faixas motivacionais de Florence + The Machine, “King” não é um hino de libertação. É mais um lamento pop-rock, colocando Welch como uma potência encaixotada pelas regras não escritas de uma sociedade patriarcal. “E eu nunca fui tão bom quanto sempre pensei que fosse, mas eu sabia como me vestir/ Nunca fiquei satisfeito, nunca me deixou ir/ Apenas me arrastou pelo cabelo e voltou com o show.”

Você pode eventualmente escolher seu próprio caminho, mas que outras partes de você – a noiva, a mãe – você está preparado para perder no processo?

— Spencer Dukoff




By admin