Fri. Aug 12th, 2022


Quando você volta a uma coreografia depois de um tempo, seja ensaiando para outra apresentação ou simplesmente relembrando com velhos amigos da empresa, é uma espécie de viagem no tempo do performer. A memória muscular é potente. Você é puxado de volta ao palco com as emoções, o conhecimento e a linguagem que tinha na época; você sente o calor da luz do palco. No presente, você está conectado ao passado e seu corpo está no meio, entendendo tanto o que você fez quanto quem você é agora. Acho que esse instantâneo resume por que danço: estou respondendo; sentindo esse corpo fluido ricochetear alegremente em convites dispersos para atuar, fazer curadoria, coreografar. O corpo tem uma máquina do tempo, e essa experiência de viajar torna a vida mais doce.

Eu respondo pela minha barriga. Foi lá que senti uma pontada e soube que deveria me mudar para Nova York, sabia que deveria entrar no meu primeiro estúdio de dança e sabia que deveria me apresentar no palco. Foi o que me convenceu a perseguir qualquer coisa em primeiro lugar – a mistura de terror e prazer, um momento sem peso. É a barriga que diz que você está no seu caminho. Anos de idas à igreja me ensinaram o poder inescapável do chamado e da resposta, e como é importante expressar seu reconhecimento. As palavras devem se formar em seus lábios e o ar deve sair de seu peito para fazer um som. Não há nada além de movimento no chamado e na resposta, apenas uma questão de graus. Então, eu só poderia – pensando nisso – responder com meu corpo quando fui convidada para dançar. Isso foi revelador e assustador, porque durante anos fui incomodado pela incongruência de querer ser artista, mas ter menos do que eu queria estar disponível para mim como uma pessoa com deficiência, como alguém de 20 anos apenas começando, como alguém novo. Até este ponto, eu havia reunido trechos da imagem completa, desfrutando de vislumbres de proximidade para o palco, ou um processo de desenvolvimento, ou qualquer variedade de arte.

“Dançar é o sinal físico das maneiras que eu digo

sim à arte todos os dias.”

Jerron Herman

Devo dizer aqui que sempre soube que podia dançar, não combinações profissionais em si, mas sabia ser sem limites no meu movimento, mesmo que apenas em festas em casa. Agora, depois de uma audição convidada, uma coreógrafa estava me convidando para fazer parte de sua companhia. Porque a dança era tão audaciosa, tão lá fora, eu tinha que fazer. Em um nível, eu não tinha referência e, portanto, pouca razão para temer. Em outro nível, eu sempre soube ser livre, saltando e apaixonadamente imerso, então havia uma referência profunda em algum lugar que seria meu guia para ser um dançarino com sucesso. Nos primeiros anos era pura osmose, apenas absorvendo o ambiente no trabalho. E então se tornou amor, pois estendi meu eu autêntico por todo o ambiente. Me vi em uma fila onde milhares de performers me precedem e milhares correm atrás, mas estou pegando esse ponto na timeline dos bailarinos, emprestando meus dons ao nosso ecossistema. Fico sem fôlego ao pensar que todas as oportunidades que tenho são porque respondi a um convite. A dança é o sinal físico das maneiras como digo sim à arte todos os dias. E viu como foi gostoso voltar no tempo? A resposta é mágica.

By admin