Notícias Região Metropolitana Rio Grande do Sul Saúde Serviços

Idosos protestam contra retirada de professores de atividades esportivas em Porto Alegre O protesto aconteceu porque a Secretaria Municipal de Educação (Smed) pediu de volta 32 servidores cedidos para a área da Educação Física e que trabalham atualmente no projeto.

18.10.02 - Idosos protestam contra retirada de professores de atividades esportivas em Porto Alegre

Idosos fizeram nesta terça-feira, 02, um abraço simbólico ao ginásio Tesourinha, em Porto Alegre, para protestar contra a transferência de professores de educação física que ameaça a continuidade de atividades esportivas. O protesto aconteceu porque a Secretaria Municipal de Educação (Smed) pediu de volta 32 servidores cedidos para a área da Educação Física e que trabalham atualmente no projeto.

Mais de 2,5 mil pessoas, a maior de mais de 60 anos, participam de projetos em diversos pontos da Capital. O abraço serve para reforçar a mobilização. Os participantes chegaram a ficar sobre a faixa de segurança na avenida Erico Verissimo com faixas alertando para a medida da prefeitura. Os alunos da atividades gratuitas já se reuniram com vereadores e com áreas da prefeitura para pressionar contra a retirada de professores.

As atividades gratuitas desenvolvidas no Ginásio Municipal Osmar Fortes Barcellos, o Tesourinha, são de alongamento, condicionamento físico, dança afro, balé adulto, ginástica, grupos de convivência, musculação, ioga e, uma das mais requisitadas, o câmbio (espécie de vôlei adaptado para idosos).

Conforme a Smed, os servidores devem ser remanejados para atender à demanda de escolas municipais. A transferência já afeta as aulas dos projetos, comprometendo a oferta de horários. Sete dos 13 professores que atuavam no Tesourinha foram chamados.

Na próxima segunda-feira, 08, um grupo de idosos terá audiência no Ministério Público Estadual (MP), onde pedirá a permanência dos professores no local.  De acordo com a secretária de Desenvolvimento Social e Esporte, Denise Russo, não há motivo para receio. Segundo Denise, em nenhum momento afirmou-se que as atividades iriam acabar, mas que haveria um remanejo.

“Não tem alunos sem aula, nós estamos remanejando. Conforme os servidores foram sabendo das transferências, eles disseram que [a atividade] iria terminar, mas isso não vai acontecer”, garante a secretária.

Segundo a pasta, as aulas estão mantidas e os ajustes devem interferir apenas na primeira semana do programa. A gestora garantiu que as mil pessoas atualmente atendidas pelos serviços apenas no Tesourinha terão suas atividades supridas. Além disso, Denise afirma que a mudança também deve trazer profissionais que estavam focados em gestão para dar aulas práticas. Ainda assim, fontes da prefeitura que atuam nos projetos indicam que o objetivo é minimizar o impacto do remanejo dos profissionais, mas não há garantias de que não haverá redução de atividades.

Em 2017, foram atendidas cerca de 2,5 mil alunos com frequência regular, além de quase 130 mil pessoas que tiveram aulas e eventos pontuais. Atualmente, as atividades são oferecidas em parques, como o Ararigboia, Alim Pedro e Ramiro Souto, praças como Tamandaré e Azambuja e centros comunitário, como o Cecores, Cecopam e Cegeb, além do Tesourinha.

Crédito da foto: Marco Quintana/JC

Sobre o autor

Wesley Wierganowiez

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: