Sun. Sep 25th, 2022


A música da semana se divide e fala sobre a música que simplesmente não conseguimos tirar da cabeça a cada semana. Encontre essas músicas e muito mais em nossa lista de reprodução Spotify Top Songs. Para nossas novas músicas favoritas de artistas emergentes, confira nossa lista de reprodução Spotify New Sounds. Esta semana, Megan Thee Stallion nos lembra exatamente quem ela é.


“Eu não me importo se essas vadias não gostam de mim, porque, tipo, eu sou bonita pra caralho”, Megan Thee Stallion afirma nas linhas de abertura de “Her”, com toda a naturalidade casual de uma sessão de fofocas de happy hour. Mas, brincadeiras à parte, como ela poderia ter energia para se importar? Embora sua série consistente de hinos de bem-estar e sacudindo o bumbum – e sua surpreendente ascensão à realeza do hip-hop – o convenceria do contrário, a vida pessoal da H-Town Hottie a arrastou pelo inferno e voltou. É impressionante o suficiente que ela ainda possa ficar em pé.

Cerca de um ano antes de “Savage” lançá-la ao estrelato, Megan perdeu a mãe e a avó no mesmo mês. Mas tornar-se um nome familiar certamente não facilitou muito as coisas: em 2020, Tory Lanez supostamente atirou no pé de Megan, uma história que ela, compreensivelmente, dificilmente pode contar publicamente sem chorar. Ela fez referência ao encontro naquele ano Boas notíciasmas com um ar geral de indiferença – merda acontece, ela parecia dizer, deixando seu sucesso falar por si.

Mas as feridas de bala deixam cicatrizes retorcidas, e em seu novo álbum Traumazina, Megan deixa claro o quanto ela foi ferida. “Ela” é otimista, mas onde Boas notícias parecia que ela estava afastando a dor, a nova música soa como se ela estivesse encontrando a luz no fim do túnel depois que ela finalmente processou tudo. “Eu sou ela, ela, ela, ela, ela, ela, ela, ela”, ela canta no refrão sobre uma das batidas mais influenciadas pela casa que Meg já usou – quase parece feita sob medida para shows de drag ou vogue , algumas das mais irrestritas declarações de orgulho.

“Ela” transborda de jactância, mas é praticamente impossível não ficar do lado de Megan: “A campanha de ódio não está dando certo/ Eu não sou Jack ou Jill, vadia, não vou cair”, ela cospe. Vamos torcer para que seja verdade – mas, Deus não permita que ela caia, sabemos que ela será capaz de se levantar novamente.

— Abby Jones
Editor associado




By admin