Tue. Aug 9th, 2022


Flamenco Vivo Carlota Santana, uma das principais companhias de flamenco dos EUA, sobe ao palco do The Joyce Theatre, em Nova York, de 21 a 26 de junho, com a estreia mundial de FRONTEIRAS. Após o fechamento da pandemia interromper as apresentações do Flamenco Vivo em 2020 Latidoa empresa não parou e adiou Latido para 2022 – em vez disso, eles decidiram criar um trabalho recém-conceituado que responda aos últimos dois anos.

FRONTEIRAS não é diretamente sobre a pandemia; em vez disso, aborda os efeitos em cascata e as tendências mais amplas que estão impactando a sociedade global. Carlota Santana, cofundadora e diretora artística da companhia, relembra uma conversa com José Maldonado, co-coreógrafo do FRONTEIRAS que também construiu a narrativa da obra. À medida que as restrições da pandemia diminuíam, Maldonado disse a Santana que estava “surpreso com o quão desagradáveis ​​as pessoas estão sendo umas com as outras”. Sua descrença acendeu o desejo de criar FRONTEIRAS.

Flamenco Vivo Carlota Santana em FRONTERAS. Foto de Will Elphingstone, cortesia do Joyce Theatre.

A palavra espanhola “fronteras” se traduz em “limites”, “fronteiras” ou “barreiras” e FRONTEIRAS abre com a exploração de limites autocriados que geram um desejo de proteger e possuir o que vemos como “nosso”: cada dançarino possui um adereço único e uma seção de espaço pessoal, e os mantém como algo que não deve ser compartilhado. Esta ideia é magistralmente concretizada por oito bailarinos através do uso de adereços tradicionais da dança flamenca, que muitas vezes servem como identificadores do género: castanholas, mantão (grande xale), bata de cola (vestido longo treinado), bastão (bengala) e abanico (fã).

Flamenco Vivo Carlota Santana em FRONTERAS. Foto de Will Elphingstone, cortesia do Joyce Theatre.

À medida que a peça evolui, através do humor e do movimento flamenco contemporâneo e baseado na técnica tradicional, a coreografia pergunta: “O que é mais forte: o que nos une ou o que nos separa?” As barreiras entre os dançarinos começam a derreter, e uma teia de colaboração é construída entre os performers em duetos e conjuntos, apoiados pelos efeitos especiais de luz negra e figurinos luminosos. A coreografia é apoiada por quatro músicos ao vivo, e a percussão que os bailarinos criam com os pés e os adereços, como castanholas e bastão, adicione outra camada de música. A relação chamada e resposta entre a música e a dança resulta na integração dos bailarinos como instrumentistas que contribuem para um diálogo rítmico em tempo real.

José Maldonado. Foto de Emiliano Artigas, cortesia do Teatro Joyce

Ainda em outro nível, este trabalho de 75 minutos acaba com outros fronteras— os limites que os coreógrafos enfrentam no mundo da dança flamenca. Apesar de uma suposição generalizada de que o flamenco goza de amplo apoio na Espanha, de muitas maneiras o flamenco é dado como certo lá e é mais ativamente cuidado e preservado nos EUA por pioneiros importantes como Santana.

Todos os anos, em Madrid, o Certamen Flamenco, uma competição espanhola de dança e flamenco, atribui vários prémios a criativos de flamenco de vanguarda. Entre esses prêmios está o Prêmio Flamenco Vivo Carlota Santana Nova York, que concede ao premiado a oportunidade de montar uma obra comissionada para o Flamenco Vivo. Não existe oportunidade comparável na Espanha. A conquista do prêmio em 2015 trouxe José Maldonado ao Flamenco Vivo pela primeira vez. Em 2016 fez residência artística com a companhia, e depois montou Pa’ Triana Voy como parte do programa para a celebração do 35º aniversário do Flamenco Vivo no Avery Fisher Hall da Brooklyn Academy of Music em 2018. Maldonado então propôs adicionar Karen Lugo, uma dançarina com quem ele costuma colaborar na Espanha, à equipe criativa em 2020. Santana ficou feliz para receber Lugo neste papel e descreve Lugo como “apenas lindo, um dançarino fascinante para assistir”. Santana vê Maldonado e Lugo como um “par criativo perfeitamente equilibrado. Lugo é mais fundamentado e metódico, e as ideias de Maldonado vão além das nuvens. Juntos, eles se equilibram e criam algo espetacular.”

Karen Lugo. Foto por Levent Erutku Photography, cortesia de The Joyce Theatre.

Lugo não é estranha aos limites. Como uma dançarina nascida no México que mora na Espanha há quase 20 anos, ela teve que superar o preconceito de que apenas o flamenco de uma pessoa nascida na Espanha é “autêntico”. Essa ideia é perpetuada por artistas dentro e fora da Espanha e mais profundamente pelo público. Vindo de fora da Espanha tem sido uma faca de dois gumes, explica Lugo. “Recebi mais ajuda em algumas circunstâncias, mas também perdi oportunidades”, diz ela. “Houve vezes em que fui contatado para me apresentar e, quando descobriram que não tenho passaporte espanhol, a oferta foi rescindida.”

Ironicamente para um artigo sobre fronteiras, o maior desafio para FRONTEIRAS era geografia. Maldonado e Lugo moram em Barcelona; os dançarinos da companhia residem na Espanha, Califórnia e Nova York; e o compositor, José Luis de la Paz, é um espanhol expatriado que vive em Miami. O processo criativo aconteceu no início deste ano em formato de retiro na Carolina do Norte, segunda casa do Flamenco Vivo. “Foi difícil tentar juntar a música com de la Paz de antemão à distância”, diz Lugo. “No entanto, quando todos nos reunimos na Carolina do Norte, tudo se encaixou rapidamente com a música e os dançarinos.” Além disso, diz Santana, ainda havia ansiedade com a pandemia. “Estávamos usando máscaras e fazendo testes semanais.”

Após a estreia mundial no Joyce, FRONTEIRAS está programado para fazer uma turnê pelos EUA no próximo ano, com apresentações já confirmadas na Flórida, Califórnia e Kentucky. Além disso, o Flamenco Vivo Carlota Santana atingirá um aniversário marcante no próximo ano, comemorando 40 anos de flamenco inovador.



By admin