“Por que você está tendo uma aula de oratória se já é atriz?”

Eu poderia escrever um romance sobre por que essa afirmação é imprecisa, mas por enquanto, vou apenas escrever esta coluna de aproximadamente 500 palavras.

Aos dez anos, já me sentia confortável no palco diante de uma casa cheia. A ideia de olhos me observando dessa perspectiva não me intimidou nem me impediu de agir. Surpreendentemente, aos dezoito anos de idade, o frio na barriga não me deixava em paz quando se tratava de fazer um discurso persuasivo de 10 minutos na frente de outros doze jovens de 18 anos que provavelmente nem estavam focados em mim.

Eu fiz uma aula de oratória na décima segunda série, e não era porque eu gosto de atuar e porque pensei que seria um A- fácil ao contrário da crença de toda a população estudantil. Estou com medo de falar na frente de uma multidão, na verdade. Fico mais ansioso em me apresentar antes de uma audição do que na audição propriamente dita. Quando estou no palco, não fico pensando em quantos olhos estão me julgando, ou se vou perder uma palavra. Quando estou atrás de um pódio, com todas as luzes acesas e o foco central sendo eu, fico preocupado com os olhos observando e com tudo que pode dar errado.

Gosto de atuar, mas não gosto de stand-up comedy. Vou subir no palco e me cingir o mais alto que puder, sentindo-me nervoso, mas não ansioso. Vou me apresentar em uma peça de duas horas para seis pessoas com menos medo do que teria se estivesse lendo três versos de um pedaço de papel na frente da minha aula de inglês. Há uma razão para isto.

O que eu mais amo no teatro é como ele apresenta a oportunidade de sair da minha própria vida e memorizar palavras que vêm da mente de outra pessoa e dizê-las como alguém que pode nem ser do mesmo gênero que eu (estive lá, pronto naquela). Atuar com teatralidade significa que o público está prestes a ver você ser outra pessoa que não você mesmo. Você não deve atuar, parecer ou mesmo se parecer com você mesmo e, se o fizer, não estará fazendo seu trabalho como ator. Mas, quando se trata de falar em público, você é você mesmo e seu público o julga como você. Embora isso possa não representar um desafio para todos, é um desafio enorme para mim.

Conversas fúteis me assustam, mas um monólogo de Shakespeare de página inteira não. Aos meus olhos, você não pode nem comparar os dois. Alguns dos melhores atores que conheço também são as pessoas mais tímidas que conheço. Acho que introvertidos, como eu, são capazes de usar o teatro como uma saída para se retratar como um personagem que pode ser o completo oposto de sua própria personalidade, o que lhes permite escapar de suas próprias limitações sociais.

Por que eu faria uma aula de oratória se já sou atriz? Atuar não é falar em público, e falar em público não é teatro. Eu adoro um, mas desprezo o outro. Sinto frio na barriga por ambos, mas são diferentes e incomparáveis. É por isso.

By admin