Sun. Jan 23rd, 2022



Pode parecer um pouco prematuro fazer uma homenagem aos melhores papéis a Timothée Chalamet, já que ele completou 26 anos hoje (27 de dezembro). Mas em seu tempo trabalhando tanto no cinema quanto na televisão, o ator rapidamente se estabeleceu como uma força a ser reconhecida, assumindo papéis complexos e cheios de nuances aos quais outros atores mais jovens poderiam ter sido capazes de dar uma atuação superficial.

É claro que é preciso um grande diretor para extrair suas melhores qualidades, como visto com Wes Anderson em The French Dispatch, Denis Villeneuve em Dunae Greta Gerwig em dois de seus filmes. Mas, mesmo quando desempenha um papel muito pequeno em um grande conjunto, Chalamet tem uma maneira de pegar o que ele deu e tirar o máximo proveito disso – ganhando elogios muitas vezes simplesmente trazendo uma abordagem muito madura para personagens sem maturidade.

Muitos dos papéis de Chalamet até agora se basearam em sua juventude, mas uma das razões pelas quais ele é um ator tão empolgante é que ele é capaz de criar tipos diferentes de rapazes, às vezes com muito pouco. No entanto, sua carreira evolui nos próximos 10-15 anos, será uma emoção testemunhar isso.

Por enquanto, aqui estão 10 de suas performances mais marcantes (até agora) – três delas saindo apenas este ano, uma evidência crescente de que o futuro parece brilhante para ele.

Liz Shannon Miller


10 Pátria (2012)

Para alguém que acumulou uma coleção impressionante de papéis no cinema na sua idade, é divertido lembrar que seu primeiro papel de destaque foi na televisão. Chalamet apareceu em oito episódios do drama terrorista Showtime como Finn Walden, o filho muito privilegiado do vice-presidente, que colocou Dana Brody (Morgan Saylor) em uma confusão de problemas. Finn e suas histórias relacionadas não são exatamente lembrados com carinho por Pátria fãs, mas ele fez o que pôde com algum material às vezes bobo. – LSM

9 Interestelar (2014)

Um papel muito inicial para Chalamet, e não muito grande no grande escopo do filme – mas como a versão mais jovem do filho de Joe (Matthew McConaughey), Tom, ele consegue estabelecer a natureza abrasiva do personagem, criada pelo mundo insensível em que ele nasceu. Se você esqueceu seus 10 minutos ou mais de tempo na tela, isso é totalmente compreensível – há muita coisa acontecendo neste filme, afinal. Mas seu trabalho é apenas um dos muitos pequenos detalhes que fazem este filme épico funcionar. – LSM

8 Menino bonito (2018)

O filme em si é incrivelmente difícil de assistir, mas isso é um crédito para as performances cruas e comoventes de Chalamet e Steve Carell. Como filho titular do filme, cuja descida ao vício das drogas é coberta em detalhes implacáveis, Chalamet eleva o que foi e poderia ser um material especial após as aulas com uma atenção aos detalhes que traz grande profundidade às lutas que os jovens da vida real homem tratado. – LSM

7 Não olhe para cima (2021)

Independentemente do que você possa sentir sobre a sátira divisiva de Adam McKay sobre o que aconteceria se a humanidade enfrentasse uma crise global (você sabe, outra), não há como negar que Chalamet oferece uma performance hilária contra o tipo. No papel de Yule, um skatista boi que faz amizade com Kate (Jennifer Lawrence) na segunda metade do filme, ele joga com os estereótipos, mas consegue trazer nuances extras para as profundezas inesperadas do personagem conforme a história chega ao final. – LSM

6 O rei (2019)

A exploração do jovem rei Henrique em 2019 foi um exercício interessante de histórico para nosso Timmy. Muitos outros atores não conseguiram fazer o diálogo artificial e medieval, ou o corte tigela, tão bem como ele. Nem todas as partes da adaptação shakesperiana de David Michod e Joel Edgerton funcionam aqui, mas o desempenho de Chalamet garante que isso não será esquecido nos cantos do extenso catálogo da Netflix. – Mary Siroky

5 The French Dispatch (2021)

A maneira peculiar de falar de Chalamet parece tão adequada para um filme de Wes Anderson que é um pouco surpreendente que o crossover não tenha acontecido até este ano. O filme antológico de Anderson apresenta o capítulo de Chalamet bem no meio. Ele é perfeito como um jovem estudante francês em uma revolução estudantil, teimoso, curioso e imaturo ao mesmo tempo. No momento, muitos de seus papéis parecem estar centrados em jovens presos entre a segurança da adolescência e a responsabilidade que vem com a vida adulta, e é um espaço que ele habita com autenticidade. – em

4 Lady Bird (2017)

Em um filme repleto de diálogos perfeitos, Chalamet quase foge com a coisa toda como Kyle Scheible, o objeto destacado da afeição equivocada de Lady Bird (Saoirse Ronan). Cada linha é uma mina de ouro: “Não menti há dois anos”; “Não gosto de dinheiro, tento viver trocando sozinho.” É sua entrega, porém, que captura a tensão ultra-específica do jovem Greta Gerwig estava trabalhando para pintar, e também ajuda o público a entender como Lady Bird pode se apaixonar por alguém tão horrível.

Os espectadores de todos os lugares (ótimo, esse escritor em particular) refletem com carinho sobre o momento em que ele e seus cachos apareceram na tela, cigarro enrolado à mão na mão. Lady Bird também deu início ao renascimento Saoirse x Timothee, que esperamos que não acabe tão cedo. – em

3 Mulheres pequenas (2019)

Chalamet tinha um grande papel a ocupar quando assumiu o papel de Laurie na adaptação de Greta Gerwig de Mulheres pequenas – Christian Bale foi amado no papel em 1994 contando a história das irmãs March. Graças ao script de salto no tempo de Gerwig (que apresenta Laurie e Amy como o “fim do jogo” no início) e, presumivelmente, a familiaridade que vem com a reunião com colaboradores anteriores (Ronan e Gerwig em particular), Laurie não se sente apenas desejável, mas acessível também. Há algo moderno e familiar na maneira como ele interage com os outros personagens da história que faz uma história do século 19 parecer relevante. – em

2 Duna (2021)

O desafio de atuação de estrelar Duna não pode ser subestimado: belos cenários e fantasias podem fazer muito do trabalho pesado, dublês podem fazer parecer que você sabe como lutar, mas para uma história de ficção científica selvagem como esta funcionar, as pessoas têm que se sentir reais e fundamentado e identificável. Felizmente, Chalamet acerta esse aspecto do filme e além, capturando tudo o que torna Paul Atreides um protagonista atraente e humano, ao mesmo tempo em que captura os elementos mais místicos da história. Duna provavelmente teria funcionado como um filme, se não gostássemos de Paul como personagem. Mas porque gostamos dele, o filme prospera. – LSM

1 Me chame pelo seu nome (2017)

A descoberta crítica de Chalamet chegou na forma de 2017 Me chame pelo seu nome, um devaneio devastador, terno, em tons pastéis. A cena final (que mostra ele chorando na lareira em uma noite de inverno nevado) é o que muitas pessoas podem se lembrar como seu momento decisivo, mas sua atuação como Elio é impressionante. O romance do qual a história foi adaptada apresenta um diálogo interno detalhado, que Chalamet teve que comunicar sem palavras no filme. Dos passeios de bicicleta à conversa com Michael Stuhlbarg na biblioteca ou na sequência da estação de trem, ele atua de uma forma que traiu sua idade na hora das filmagens. – em



By admin