Sun. Jun 26th, 2022


“Bailarinos são pessoas flexíveis”, diz o diretor artístico do Atlanta Ballet Gennadi Nedvigin, e eu sei o que ele quer dizer. Como professor de dança que deu aulas virtuais na minha sala de estar apertada e produziu performances online por mais de um ano, estou bem ciente das inúmeras maneiras pelas quais dançarinos e coreógrafos tiveram que se adaptar. Muitas vezes, visando um alvo em movimento, todos nós exploramos reservas profundas de desenvoltura, aprendemos novas tecnologias e, às vezes, descartamos toda a ideia e começamos de novo.

Então será hora de comemorar quando o Atlanta Ballet se apresentar novamente ao vivo no Cobb Energy Performing Arts Center, de 11 a 13 de fevereiro.

A empresa foi bidimensional no ano passado com Lados de Prata, um concerto virtual produzido pelo Rialto Center for the Arts em fevereiro. Nedvigin ofereceu aos dançarinos da companhia a oportunidade de coreografar seus pares para performance, uma rara chamada aberta para qualquer companhia de balé pré-pandemia.

Balé de Atlanta
Sujin Han apresentou o balé de Kane no palco Georgia Tech Skyline no verão passado. (Foto de Kim Kenney)

Oito bailarinos produziram novos trabalhos para Lados de Pratae todos foram tocados ao vivo como parte do Skyline Series da Georgia Tech três meses depois, incluindo o de Anderson Souza Linha de toque e Darian Kane Espelho Infinito do Dr. Rainbow. A peça de Kane foi o último trabalho do Atlanta Ballet realizado pela veterana dançarina Jackie Nash antes de deixar a companhia para o Terminus Modern Ballet Theatre.

Impressionado com a criatividade deles, Nedvigin “queria saber o que mais eles tinham a dizer” e pediu a Kane e Souza que apresentassem trabalhos como parte do Pássaro de fogo, o título do próximo projeto de lei misto da empresa. Kane trouxe de volta Espelho Infinito do Dr. Rainbowe Souza criou um novo trabalho, Herdado. Ambos serão apresentados ao lado de Yuri Possokhov Pássaro de Fogo e Faunaestreia mundial da coreógrafa residente Claudia Schreier.

Nedvigin escolheu esses quatro balés em resposta direta à pandemia. Eles refletem os esforços da empresa para honrar a tradição enquanto olha para o futuro.

Nedvigin diz que a forma de arte não pode avançar sem equilíbrio: novas vozes e novas perspectivas impulsionam o balé, mas o público (e os dançarinos) também devem entender sua história e raízes estéticas. Isso representa uma mudança de filosofia, dada a mudança pública da empresa para se concentrar em obras clássicas, tradicionalmente “baléticas”, quando Nedvigin assumiu a direção da empresa em 2016.

É um movimento promissor e que desafia a noção antiquada de bailarinos como lousas em branco – corpos a serem moldados para se adequarem à visão do coreógrafo. “Os dançarinos são frequentemente solicitados a se encaixarem em certas categorias para atender aos requisitos de um papel”, diz Kane, cujo Espelho Infinito do Dr. Rainbow puxa de uma ampla gama de inspiração, incluindo seus próprios desenhos e os mundos mágicos dos diretores de cinema Tim Burton e Wes Anderson.

No ensaio com seus dançarinos, ela queria facilitar o escapismo como meio de reflexão pessoal e autenticidade de autoexpressão. Ela descreve seu estilo como “indie pop contemporâneo” com “muitos gestos rígidos e pequenos que alternam entre momentos de suavidade e expansão”. Como os desenhos animados, a maior parte de seu movimento é “exagerado ou subestimado com pouco entre eles”.

A coreógrafa residente do Atlanta Ballet Claudia Schreier.
Coreógrafo residente Schreier em ensaio.

de Souza Herdado é parte homenagem familiar, parte resposta terapêutica à morte recente de sua mãe. Por causa das restrições de viagem relacionadas ao Covid, Souza não pôde comparecer ao funeral em seu país natal.

“Muitos dos movimentos desta peça são tirados diretamente de momentos, fotografias e experiências íntimas que fizeram parte da história da minha família”, diz ele. Uma é uma imagem de dançarinos juntos, dispostos para representar um retrato de família feito em frente à casa de sua avó no Brasil.

Com este novo trabalho, Souza quer “desenvolver minha própria compreensão do movimento misturando elementos contemporâneos com técnicas clássicas” e, ao fazê-lo, contar uma história de dinâmica familiar. Herdado também apresenta uma partitura original do violoncelista e natural de Atlanta Khari Joyner, que se apresentará ao vivo.

Tanto Kane quanto Souza expressam profunda gratidão pela orientação coreográfica que receberam do Atlanta Ballet. Kane diz que o coreógrafo residente Schreier “ajudou-me na minha fase de pânico ‘não tenho ideia por onde começar’ com conselhos que ainda são relevantes meses depois”.

Ela também credita ao mestre de balé Rory Hohenstein por facilitar um ambiente criativo seguro e aberto para ela explorar. Sobre os dançarinos em seu trabalho, Souza diz: “Fiquei grato por me apoiar em suas forças individuais para criar algo que fosse nosso”.

Schreier’s Fauna – sua primeira estreia com o Atlanta Ballet seguindo o ricamente detalhado Danças das Plêiadesuma Lados de Prata destaque – e o headliner de Possokhov completam o ambicioso programa.

O Atlanta Ballet apresentou pela primeira vez a música de Possokhov Pássaro de Fogo em 2017 (o papel-título dançou brilhantemente por Nash.) Foi programado para a temporada de 2020, mas cancelado antes do início dos ensaios. A Atlanta Ballet Orchestra tocará ao vivo a icônica partitura orquestral de Stravinsky, um deleite para o público que passou muito tempo sem o som da música ao vivo. A pura fantasia do balé executado de forma clássica – os figurinos, a leveza absurda, os feitos virtuosos – é um antídoto bem-vindo para a labuta da vida em uma pandemia.

Kane diz que seu processo criativo facilitou uma fuga da realidade em que vivemos. Após os eventos dos últimos dois anos, traga a escotilha de fuga.

::

Kathleen Wessel é uma artista do movimento, coreógrafa, educadora e escritora que cobertura dançar para ArtsATL desde 2012. Ela faz parte do corpo docente do Departamento de Dança Performance e Coreografia do Spelman College.



By admin