Fri. Aug 12th, 2022


Por Tracey Paleo, Gia On The Move

Copyright © 2022 Gia On The Move

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, distribuída ou transmitida de qualquer forma ou por qualquer meio, incluindo fotocópia, gravação ou outros métodos eletrônicos ou mecânicos, sem a permissão prévia por escrito do editor, exceto no caso de breves citações incorporadas em revisões críticas e outros usos não comerciais permitidos pela lei de direitos autorais. Para solicitações de permissão, escreva para o editor, endereçado a “Atenção: Coordenador de Permissões”. Para obter mais informações, consulte nossa página de reimpressões e permissões.

Tem sido uma década para o dramaturgo e performer Ben Moroski. Desde sua estreia em 2012 de seu show autobiográfico, “Este Minuto Vicioso”, Moroski tem sido um notável criador de histórias solo no teatro de Los Angeles.

Entregando uma narrativa deliciosamente bizarra após a outra, seus premiados sucessos de Hollywood Fringe como “The Wake” (HFF14) e “TILT” (HFF16), e agora uma nova peça solo proclamaram uma trajetória ascendente que não parece estar desistindo tão cedo. CÃO, escrito e interpretado por ele mesmo e dirigido por Jordan Lane Shappell, confirma que o gênio inspirador de Moroski evoluiu ainda mais. Suas habilidades, vantagem, entusiasmo por contar histórias e intensidade no trabalho não vacilaram.

CÃO é uma comédia sombria sobre um homem lidando com a morte de seu cachorro por meio de cerveja, licor e futebol. É um mergulho profundo inebriante, corajoso, grosseiro, agitado, embaraçoso, repugnante e assustador na anatomia psicológica. Também é igualmente emocionante e extraordinariamente belo quando observamos a espiral descendente de Dog até o círculo mais baixo do inferno pessoal. Nada disso é fácil.

A performance de Moroski é evocativa; pulsando emoção crua através dos relâmpagos de seu estado altamente carregado. Buscando redenção através dos aspectos mais primitivos de seu caráter para se livrar da negação e da culpa. Ele tem um comando incrível de sua própria linguagem interna e ainda é capaz de se perder dentro dela com abandono. Sua confissão bêbada é impenitente e pura.

CÃO também é absolutamente brilhante no uso da iluminação de palco, pois vai ainda mais fundo na transmissão de emoção, tempo e espaço. Toda a produção registra alta comédia através de um dos deslizamentos emocionais mais chocantes que o próprio Moroski possivelmente já teve em uma performance teatral. Ele não esconde nada.

CÃO a produção e Dog (Moroski) no palco são ambos incrivelmente fundamentados na realidade interna, resultando em uma peça de 1 hora que é descaradamente original, hipnotizante e recompensadora – um nível de excelência. Bar nenhum.

By admin