Sun. Sep 25th, 2022


Uma árvore da vida. Um colar de pérolas. Uma cobra rastejante. Os dançarinos concebem a coluna e sua delicada complexidade de inúmeras maneiras, e entender as 33 vértebras interconectadas a partir das quais quase todo o movimento cresce pode ser tão desafiador quanto essencial.

Isso porque a coluna não apenas direciona o movimento do corpo – ela tem seu próprio poder expressivo, diz a diretora de Graham 2, Virginie Mécène: Pense na contração de Graham, ou o poder evocativo de umas costas ondulantes. Mas a arquitetura da coluna torna uma área de difícil acesso à mobilidade para muitos dançarinos, e ditado algo com essa mobilidade – ter uma coluna verdadeiramente articulada – é uma tarefa ainda mais íngreme. Use estas dicas para desbloquear sua coluna tanto para o movimento quanto para a expressão.

Use a respiração

A respiração é fundamental para liberar a coluna, diz Michelle Rodriguez, fisioterapeuta que trabalha com dançarinos em seu Manhattan Physio Group. Mas ela diz que muitos dançarinos não percebem que estão prendendo a respiração ou não respirando profundamente, o que pode tornar sua coluna torácica rígida. Um truque que Rodriguez gosta de usar para lembrar os dançarinos de respirar: faça com que eles falem enquanto se movem, já que inalar e exalar fluirão naturalmente enquanto falam.

Virginie Mécène de Graham 2 recomenda o exercício “Respirações” para melhorar a articulação da coluna vertebral. Foto por Melissa Sherwood, cortesia MGDC.

Mécène recomenda um exercício simples de Graham chamado “Respirações” para construir a conexão entre a respiração e a coluna: sentar-se com as pernas cruzadas e as mãos para cada lado, expire enquanto curva a coluna e inspire ao endireitar novamente. Mantenha a coluna o mais longa possível durante todo o exercício. “É uma abstração da respiração, mas um exagero”, diz ela.

Aumentar Zoom diminuir zoom

Mécène incentiva seus alunos a visualizar os pequenos músculos internos que revestem a coluna, em vez dos músculos maiores e superficiais das costas. Afinal, diz Bret Easterling, um ex-dançarino de Batsheva que ensina música contemporânea e Gaga na USC Glorya Kaufman School of Dance, a articulação não precisa ser sobre quão grande é sua amplitude de movimento, mas sim sobre a disponibilidade de movimento. Easterling faz com que os alunos sejam mais específicos em suas articulações, concentrando-se em micromovimentos. Uma imagem que ajuda: imaginar que você tem duas ou três vezes mais vértebras do que realmente tem.

Além de “ampliar”, Easterling gosta de “diminuir o zoom”: ele pede aos alunos que imaginem que a cabeça é a vértebra superior e a pélvis, a última vértebra. “Encontre movimentos suaves entre esses dois lugares ao mesmo tempo, permitindo que a coluna se encaixe no lugar, como se sua cauda e cabeça estivessem conversando entre si”, diz ele. “Depois, há informações que viajam pela sua coluna, e é isso que queremos.”

Fique suave

Antes de Easterling ser apresentado a Gaga, ele mantinha a tensão nas costas e tinha espasmos nas costas frequentes. Foi o conceito do ex-diretor de Batsheva e criador de Gaga, Ohad Naharin, de uma “coluna macia” que ajudou Easterling a encontrar mais mobilidade e facilidade em suas costas.

Easterling enfatiza a suavidade tão fortemente, em parte porque muitas vezes ele descobre que dançarinos com costas firmes vão na direção oposta quando procuram mobilidade em suas espinhas, e tentam forçar através dela. “Estou interessado em como fazer menos pode abrir espaço para mais”, diz ele. Mécène concorda e diz que tentar forçar uma coluna expressiva com os músculos maiores das costas tende a sair pela culatra.

Bret Easterling, um ex-dançarino de Batsheva, atribui sua “coluna macia” à técnica de Gaga. Foto de Gadi Dagon, cortesia de Easterling.

Para ajudar os dançarinos a encontrar essa suavidade, Easterling os encoraja a escanear suas costas em busca de áreas que parecem bloqueadas e se concentrar em trazer sensação para lá – usando imagens como água corrente ou a ideia de derreter – seja através do movimento ou do toque. Ele também lembra aos alunos que prestem atenção a qualquer tensão que estejam segurando em seus quadris, mandíbula, peito e caixa torácica, pois essas áreas podem afetar a quantidade de movimento disponível na coluna. Ele pedirá que imaginem que seu peito é feito de papelão encharcado, por exemplo, ou que sua caixa torácica consiste em muitas partes diferentes que podem se mover independentemente, em vez de como um grande pedaço.

Embora nem todas as formas enfatizem uma qualidade de movimento elástica e hipermóvel como Gaga faz, Easterling diz que o conceito de uma coluna macia pode se traduzir em qualquer estilo, mesmo aqueles que geralmente exigem uma coluna muito direcionada, como o balé. “Como posso ficar na barra do balé onde preciso ter essa coluna direcionada e continuar investindo em suavidade sem que ela esteja presa a uma estética?” ele diz. “O mesmo dentro do hip hop, com essa ideia de salto. Como a suavidade pode permitir que mais eco para o ressalto esteja presente? A suavidade da coluna não precisa ser um movimento. É uma sensação.”

By admin