Sat. Jun 25th, 2022



A Final Act of Friendship é uma apresentação de duas mãos no Bridge House Theatre, no sul de Londres. Aborda temas de raça, privilégio e sexualidade de forma clara e sensível através da amizade de dois personagens: Michael (Gbenga Jempeji) e Robin (Stephen Hayward). A história segue os dois através da provação da educação universitária e do mundo da atuação. Robin e Michael negociam o ciúme que essa indústria causa. Duas pessoas com níveis de privilégios muito diferentes podem ter uma amizade saudável? A peça é principalmente sobre raça, com Michael descrito como um ‘ator negro em uma indústria branca’. A discussão sobre raça…

Avaliação



Bom

A peça poderosa de Stephen Hayward encontra comédia leve dentro de uma mensagem poderosa.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Um ato final de amizade é um de duas mãos no Teatro Casa da Ponteno sul de Londres. Aborda temas de raça, privilégio e sexualidade de forma clara e sensível através da amizade de dois personagens: Michael (Gbenga Jempeji) e Robin (Stephen Hayward). A história segue os dois através da provação da educação universitária e do mundo da atuação. Robin e Michael negociam o ciúme que essa indústria causa. Duas pessoas com níveis de privilégios muito diferentes podem ter uma amizade saudável?

A peça é principalmente sobre raça, com Michael descrito como um ‘ator negro em uma indústria branca’. A discussão sobre raça e racismo na escrita de Hayward é comovente, incentivando o público a refletir e se envolver completamente nessa conversa vital e contínua. Tópicos de aliança branca (e as complexidades que isso implica) são abordados, mas, infelizmente, não são realmente investigados a fundo. No entanto, essa peça ainda parece importante, pois pergunta ao mundo o que podemos mudar e em que somos cúmplices. A ação está contando em vez de mostrar a história para a maioria, mas a escrita é forte.

Os atores deixaram o público à vontade imediatamente com uma atuação calma e clara. O hilário Robin tenso de Hayward e o carismático e vulnerável Michael de Jebenji têm uma química cativante juntos e uma excelente qualidade de ouvir um ao outro. A história é contada com convicção, mas ambos os atores mantêm o humor e um toque leve mesmo quando se aprofundam em assuntos sérios. Matthew Kalorkotio design é mínimo, mas bem observado e Stacey O’ShaeO design de iluminação irônico de ajuda a comédia da peça.

Há pontos em que as linhas parecem apressadas, com os atores não sentados em alguns momentos muito comoventes por tempo suficiente. Em um ponto Robin ajuda Michael com uma próxima audição. Ambos os atores investem muito nessa cena, sem pressa, e isso cria um belo momento. Isso me deixou imaginando por que não conseguimos mais disso?! Dizendo que, no geral, há performances de alta qualidade de ambos.

Natalya Micica direção de ‘s é em geral forte. A primeira seção é habilmente dirigida, com as histórias dos dois homens sendo contadas no palco, mas separadamente uma da outra. Diálogos sobrepostos ocorrem em vários momentos, complementando a forma como as vidas dos personagens convergem e divergem; às vezes no mesmo caminho e às vezes em ‘mundos separados’. Uma forte marca de direção é deixada, mas o público pode ser trazido ainda mais para o mundo da peça.

A peça é convincente, mas se beneficiaria se mais da história fosse incorporada pelos atores, em vez de falada. A pergunta ‘eu poderia realmente fazer a diferença?’ foi perguntado e o programa responde com uma mensagem clara: levante-se, fale, faça sua parte. Saí de lá inspirado e esperançoso.

Escrito por: Stephen Hayward
Direção: Natalya Micic

A Final Act of Friendship toca no Bridge House Theatre de Penge até 28 de maio. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin