Mon. Aug 15th, 2022



A lenda de Tristão e Isolda conta a trágica história de um cavaleiro e uma princesa que não deveriam ficar juntos, mas que se apaixonam depois de consumirem inadvertidamente uma poção do amor. Na épica ópera de três atos de Wagner, eles encontram seu amor fervoroso inescapável até a morte. Então, como dar forma a esse drama profundo em apenas 60 minutos? A resposta do coreógrafo Saburo Teshigawara é comprimi-la até a própria essência da relação dos protagonistas, despindo o excesso de narrativa para deixar apenas a emoção pura e vital da tragédia, e usando apenas trechos de…

Avaliação



Imperdível!

Uma representação de tirar o fôlego e emocionante da tragédia épica de Wagner, despojada para retratar a emoção vital e destilada dos protagonistas.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

A lenda de Tristão e Isolda conta a trágica história de um cavaleiro e uma princesa que não deveriam ficar juntos, mas que se apaixonam depois de consumirem inadvertidamente uma poção do amor. Dentro Wagnerna épica ópera de três atos, eles descobrem que seu amor fervoroso é inevitável até a morte. Então, como dar forma a esse drama profundo em apenas 60 minutos? Coreógrafo Saburo TeshigawaraA resposta de ‘ é comprimi-la até a própria essência da relação dos protagonistas, despindo o excesso de narrativa para deixar apenas a emoção pura e vital da tragédia, e usando apenas trechos da música como pano de fundo para seu tumultuado teatro.

Teshigawara é internacionalmente conhecido pela qualidade escultural de seu trabalho, e isso fica evidente desde os momentos iniciais, já que os protagonistas e seu amor são fisicamente delineados pela luz e pela escuridão. Uma iluminação surpreendente, quase cinematográfica, fragmenta o espaço para defini-los, como ambos presentes juntos, mas separados, ligados pela frágil efemeridade das sombras e dos painéis de luz sobrepostos. Esta apresentação impressionante dá forma visível à extrema intensidade de seu relacionamento e visivelmente desenha os limites duros de seu amor proibido e inatingível, ao mesmo tempo justapondo ideias de distância forçada e intimidade almejada. O simples conjunto de caixa preta é fortemente coberto com cortinas, que se transformam sob as lâmpadas para evocar a solidez colunar e evocar um cenário épico espetacularmente inflexível, simbólico de sua luta.

Ambos os dançarinos Rihoko Sato e o próprio Teshigawara são absolutamente notáveis, pois incorporam a luta entre a contenção e a paixão incontrolável com performances extraordinárias. Há uma economia requintada em cada movimento, sem desperdício de nenhum gesto ou expressão. Sua emoção é destilada em um drama afetivo poderoso. Eles tecem tentadoramente um ao redor do outro com dignidade, graça e fluidez surpreendente, nunca se tocando fisicamente. Vemos e sentimos sua angústia enquanto seus corpos constantemente alcançam, agarrando-se a um outro inatingível, e suas energias se misturam no espaço entre eles. Ambos são mais velhos do que se poderia esperar, o que adiciona uma sensação pungente de tempo duradouro ao relacionamento deles.

Em uma seção profundamente comovente no final da peça, Tristão tira o sobretudo, quase o acariciando ao colocá-lo no chão, depois o dobra com cuidado e entra no escuro, como se renunciasse ao seu amor por Isolda. Ela, por sua vez, se envolve com o casaco, envolvendo-o em torno de si, dançando em um frenesi de paixão íntima; o homem que o usava agora apenas uma forma ausente, um cheiro; o casaco foi o único contato que eles fizeram entre eles, mas seu abraço mútuo agora virtualmente palpável. Então ela também deve seguir em frente, e é depositado na escuridão.

Esta performance de classe mundial faz parte do festival Electric Japan no Coronet Theatre, que reúne culturas e artistas ecléticos para criar novas obras emocionantes. Aqui, a língua alemã e a música excepcional são colocadas ao lado de uma fisicalidade surpreendente que às vezes lembra as artes marciais japonesas em sua entrega controlada, mas muitas vezes feroz. É um trabalho verdadeiramente emocionante que deve ser visto para ser acreditado.

Coreografia, iluminação e figurino por: Saburo Teshigawara
Colaborador artístico: Rihoko Sato
Coordenação técnica por: Sergio Pessanha
Operador de iluminação: Thomas Leblanc
Produzido por: KARAS

Tristão e Isolda toca no Coronet Theatre até 10 de junho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin