Sat. May 28th, 2022



Otto (Michael Shaeffer) é um trabalhador semiqualificado da BMW, frustrado com a mundanidade de sua posição e a falta de autoridade na vida. Um pedante, ele é obcecado diariamente por questões menores, como canetas perdidas e cobranças de restaurantes, enquanto constrói planadores meticulosamente e sonha em se tornar um campeão mundial em seu tempo livre. Sua esposa, Martha (Anna Francolini), está frustrada com a falta de ambição do filho. Ela o repreende por seu desemprego, mas não permite que ele aprenda um ofício: ela quer que ele seja um técnico em prótese dentária ou um banqueiro; um trabalho que ela pode se gabar para seus amigos…

Avaliação



Excelente

Uma masterclass de atuação que oferece uma exibição poderosa e emocional da queixa e ressentimento humanos.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Oto (Michael Shaeffer) é um trabalhador semiqualificado da BMW, frustrado com a mundanidade de sua posição e a falta de autoridade na vida. Um pedante, ele é obcecado diariamente por questões menores, como canetas perdidas e cobranças de restaurantes, enquanto constrói planadores meticulosamente e sonha em se tornar um campeão mundial em seu tempo livre. Sua esposa, Marta (Anna Francolini), está frustrada com a falta de ambição do filho. Ela o repreende por seu desemprego, mas não permite que ele aprenda um ofício: ela quer que ele seja um técnico em prótese dentária ou um banqueiro; um trabalho que ela pode se gabar para seus amigos.

E assim Franz Kroetzjogo de tolo começa. Escrita em 1978, é a peça final de um dos dramaturgos mais bem sucedidos da Alemanha. Ele retrata o realismo social em espadas, separando uma família fraturada, todos vivendo com constante decepção.

O conjunto é íntimo: o Laranjeira é notoriamente um dos poucos locais de Londres que está permanentemente configurado na rodada e, como resultado, o público com capacidade para 180 pessoas está a uma curta distância da ação. Ao entrar no espaço, o espectador mal registra uma cama no palco, com o que parece um corpo sob a coberta. Um corpo é, e uma vez que a peça começa Ludwig (Jonah Rzeskiewicz), o filho resistente, é duramente afastado pela mãe, que então refaz a cama como sofá. Tal é o conjunto. Projetista Zoe Hurwitz construiu cuidadosamente o apartamento da família para que nos sentamos com eles, cientes das posses cuidadosamente escolhidas, representativas de seu status social. Pequenos toques como um prato vazio na mesa de jantar com sobras de torradas, fotos de família e uma planta solitária no aparador da sala reiteram suas circunstâncias. Assentos e passarelas são liberados para que os atores possam entrar e sair do palco com segurança e Otto tem que deslizar cuidadosamente para o lado ao negociar sua saída com seu precioso planador. Não há espaço para se esconder; mas nenhum dos artistas precisa.

Esta é uma demonstração poderosa e emocional de queixa e ressentimento humano. Muitos dos verdadeiros sentimentos dos personagens são expressos no não dito, e não nas próprias palavras; intensamente reprimidas, até o momento em que a violência irrompe repentina e chocantemente e o apartamento da família é destruído, pedaço por pedaço, diante de nossos olhos. A ameaça resultante paira por algum tempo até que Martha quebra o feitiço com humor irônico, provocando uma explosão de risadas surpresa na platéia. Este é um dispositivo usado em toda a peça, lembrando-nos da realidade da vida familiar cotidiana: goste ou não, o drama alto não é sustentável e, principalmente, precisamos continuar.

Designer de iluminação Christopher Nairne efetivamente escolhe momentos que precisam de atenção, ocasionalmente focando na inércia deprimida de um personagem – não é fácil em um espaço tão pequeno – antes de retornar ao drama iluminado de uma família à vista. À medida que a peça chega ao fim, as relações familiares são redesenhadas e as lições aprendidas. Mas é o patriarca Otto abandonado e falho que permanece paralisado e não iluminado, preso em um ciclo eterno de insegurança masculina disfuncional. O capitalismo o colocou aqui e ele não sabe como sair.

O Orange Tree Theatre comemora seus 50 anosº aniversário este ano. Há muito estabelecido como um centro de excelência, esta produção não é exceção. A atuação exibida por Francolini e Shaeffer nos papéis principais é exemplar e a capacidade do público na noite passada respondeu de acordo.

Escrito por: Frank Xaver Kroetz
Traduzido por: Estella Schmid e Anthony Vivis
Direção: Diyan Zora
Design por: Zoe Hurwitz
Projeto de iluminação por: Christopher Nairne
Design de som por: Joe Dines
Dramaturgia por: Jennifer Bakst

Tom Fool toca no Orange Tree Theatre até 16 de abril. Mais informações e ingressos no link abaixo.



By admin