Wed. Aug 10th, 2022


Conhecido por seus cenários luxuosos, valores de produção ricos e versões inovadoras de clássicos, The Atlanta Opera – ao longo dos anos – abordou trabalhos menores e íntimos como programação suplementar e como resultado do Covid-19. No ano passado, por exemplo, a empresa encenou A Carmen de três centavos e A ópera de três centavos debaixo de uma grande tenda no estacionamento do Cobb Energy Performing Arts Centre, o local normal da empresa, antes que eles estivessem confortáveis ​​o suficiente para voltar para dentro de casa.

Seu projeto atual é o festival Come as You Are, parte da série Discoveries da companhia, com a ópera Como um (9 e 11 de junho) e uma versão Cabaréaté 19 de junho. Ambas as produções acontecem em Pullman Yards em Kirkwood, onde o Kit Kat Club do musical ganha vida.

Como musical, Cabaré sempre pareceu atemporal, tão potente agora quanto quando apareceu pela primeira vez nos palcos, com um livro de Joe Masteroff e música e letras de John Kander e Fred Ebb. Seus personagens são icônicos – o Mestre de Cerimônias (interpretado aqui por Curt Olds), que é o mestre de cerimônias da boate decadente por volta de 1929 na Alemanha; Sally Bowles (Aja Goes), uma artista britânica mais carismática do que talentosa; e Clifford Bradshaw (Billy Tighe), um escritor bissexual americano que está em Berlim para escrever um romance. Suas vidas se cruzam, assim como a de Fräulein Schneider (Joyce Campana), que administra a pensão onde Sally e Cliff moram, e Herr Schultz (Anthony Laciura), dono de uma loja que se apaixona por Schneider – e é judeu.

Dirigido pelo diretor geral e artístico da Ópera de Atlanta Tomer Zvulun, grande parte da ação do clube acontece em uma passarela central, enquanto outras cenas (principalmente na pensão) estão no palco. Olds e a empresa dão o pontapé inicial na produção com uma versão empolgante de “Willkommen”, atraindo o público para o estilo de vida hedonista de seus personagens principais.

É uma produção movimentada e tecnicamente bastante polida. Embora o design cênico possa parecer um pouco acanhado às vezes, funciona. A entrada para o Kit Kat Club, quando o show começa, tem o formato de uma boca enorme, mas quando o segundo ato mais sinistro começa, essa entrada se transformou em uma caveira.

Cabaré da Ópera de Atlanta
O Kit Kat Club ganha vida na produção Pullman Yards. (Foto de Ken Howard)

Os figurinos de Erik Teague são variados e inovadores, desde a lingerie dos artistas do Kit Kat até os trajes de época da Alemanha dos anos 30. Em uma sequência musical, o Emcee sai vestindo um tanque. Cabaré também é auxiliado pela coreografia de Ricardo Aponte (que também atua como assistente de direção) e projeções efetivas em ambos os lados do palco, cortesia de Nicholas Hussong.

Francesco Milioto conduz um grupo de 12 músicos e sua versão orquestral em segundo ato de “Cabaret” é um dos destaques de toda a produção.

Praticamente todo o elenco faz sua estreia no Atlanta Opera aqui. Olds traz uma ameaça e inquietação apropriadas ao papel do Mestre de Cerimônias, enquanto Tighe captura o despertar de Cliff, em uma terra estranha sendo seduzida e puxada em diferentes direções. No papel de Fräulein Kost, Deb Bowman é simplesmente magnífica e ancora uma versão maravilhosa do primeiro ato, uma reprise de “Tomorrow Belongs to Me”, quando a ascensão do nazismo começa. No entanto, as duas performances mais memoráveis ​​são de Laciura e Campana, cujo amor é interrompido pelas circunstâncias. Deles é o relacionamento mais potente na produção.

O elo fraco, infelizmente, é Goes. A atriz nunca se conecta com Sally ou qualquer pessoa ao seu redor. O personagem é extremamente difícil de retratar. Liza Minnelli ficou famosa no mesmo papel na versão cinematográfica de 1972, mas Sally não deveria ser uma artista de destaque. Sua ambição claramente excede seu talento.

Cabaré da Ópera de Atlanta
Aja Goes interpreta Sally Bowles e Billy Tighe, um nativo de Atlanta que faz sua estreia com a ópera, mergulha no papel do escritor bissexual Clifford Bradshaw. (Foto de Ken Howard)

Vocally Goes é mais do que capaz – ela entrega uma versão assustadora e comedida de “Maybe This Time” – mas é realmente a única vez que Sally se sente viva. “Don’t Tell Mama” de Goes parece um pouco apressada e seu encerramento “Cabaret”, também, é cantado com proficiência, mas soa oco. As palavras devem ter algum significado aqui, pois a personagem está tentando ignorar o que está acontecendo ao seu redor, mas elas não têm muito impacto.

Esta versão de Cabaré é baseado no revival de Rob Marshall na Broadway de 1998, dirigido por Sam Mendes, estrelado por Alan Cumming como o mestre de cerimônias e Natasha Richardson como Sally, mais tarde interpretada por Jennifer Jason Leigh.

Cabaré é encenado frequentemente em Atlanta, tanto por teatros da cidade quanto pela Broadway Across America. Localmente, as últimas versões do musical que vi são uma produção da Serenbe Playhouse de 2017 e uma excepcional versão em turnê de 2016 no Fox Theatre com Randy Harrison do Queer como folk fama. Voltando um pouco mais longe, Lea Thompson foi uma das melhores Sallys que eu já vi, em uma turnê de 2000.

Com seu histórico de excelência, o Atlanta Opera pode enfrentar o desafio de ter que atender e manter seus próprios padrões elevados. Isso não pode ser fácil. Esta é a primeira produção do musical que vejo encenada por uma companhia de ópera e, algumas vozes luminosas à parte, não parece este muito diferente de outras tomadas que eu vi. Esta versão de Cabaré não tem o selo distintivo que Zvulun imprimiu em todas as suas outras produções. No entanto, ainda é uma versão sólida, com bastante atmosfera, e sua sequência final se mostra tão poderosa e arrepiante como sempre.

::

Jim Farmer cobre teatro e cinema para ArtsATL. Formado pela Universidade da Geórgia, ele escreve sobre artes há mais de 30 anos. Jim é o diretor do Out on Film, festival de cinema LGBTQ de Atlanta. Ele mora em Avondale Estates com seu marido, Craig, e o cachorro Douglas.



By admin