Wed. Mar 22nd, 2023



O Waterloo East Theatre é um bom local para uma peça da Segunda Guerra Mundial. Parece que você está sentado em um Anderson Shelter gigante e úmido com um estrondo distante que pode ser facilmente imaginado como uma aeronave se aproximando (ou partindo). Acrescente a isso algumas canções do início dos anos 1940, um palco com um rádio antigo, telefone Bakelight e mapas da Europa na parede e está tudo pronto. A melhor hora deles não é uma lição de história de fatos e números, nem se propõe a ser uma aventura ‘gung ho’. Mesmo assim, pode ser bastante tenso em alguns momentos, pois descreve os acontecimentos vividos…

Avaliação



Bom

Um relato interessante e comovente do envolvimento da RAF na Segunda Guerra Mundial, usando narrativas literais, canções contemporâneas e poesia.

Waterloo East Theatre é um bom local para uma peça da Segunda Guerra Mundial. Parece que você está sentado em um Anderson Shelter gigante e úmido com um estrondo distante que pode ser facilmente imaginado como uma aeronave se aproximando (ou partindo). Acrescente a isso algumas canções do início dos anos 1940, um palco com um rádio antigo, telefone Bakelight e mapas da Europa na parede e está tudo pronto.

Sua melhor hora não é uma lição de história de fatos e números, nem se propõe a ser uma aventura ‘gung ho’. Mesmo assim, pode ser bastante tenso em alguns momentos, pois descreve, em suas próprias palavras, os acontecimentos vividos por pessoas que serviram na RAF nesse período da história. Escritor, Steve Barlowentrevistou um ‘cem ou mais veteranos‘ ao longo dos anos e tem usado essas transcrições para trazer as histórias à atenção do público por meio de livros e agora no palco. Dublado por atores assumindo as diferentes personas, intercalado com canções e poesias da época, funciona bem.

O show começa com o funeral de um veterano, onde seus netos lamentam não terem conseguido falar com ele sobre suas experiências na Segunda Guerra Mundial com profundidade. Em vez disso, eles encontram documentos, fotos e objetos e os usam para encenar as histórias, auxiliados pelo narrador Jamie Dunlop (Patrick Lock) que é baseado em um piloto do Comando de Bombardeiros da vida real. Os eventos em que a RAF desempenhou um papel são descritos por pilotos, tripulações, pessoal de terra, pessoal de enfermagem e civis, desde as evacuações de Dunquerque até a Batalha da Grã-Bretanha, várias campanhas de bombardeio, os desembarques do Dia D e muito mais. Existem descrições de uma gama de emoções; a alegria e a sensação de liberdade ao voar, o terror de ser abatido, a empolgação e a expectativa antes de uma missão, a dor pela perda de colegas. Isso se torna ainda mais pungente pela maneira prática como os relatos foram capturados e recontados.

Com oito membros do elenco interpretando cerca de 100 personagens entre eles, além de todos os adereços, às vezes parece um pouco lotado e ‘ocupado’ no pequeno palco. Tiro o chapéu para o coreógrafo pelas manobras suaves em que ninguém é atropelado por uma cadeira ou tropeça. As roupas funerárias pretas formam uma boa base para adicionar chapéus, jaquetas, cachecóis e coisas do gênero para as várias mudanças de caráter. Eles estão todos pendurados em um trilho na parte de trás do palco ou presos em caixas, e uma rápida olhada indica quantas transições contínuas existem. O mesmo não se aplica aos sotaques regionais, alguns dos quais são bastante terríveis e prejudicam o diálogo. Talvez fosse melhor renunciar a alguns dos acentos neste caso.

cantores, Alex Cosgriff e Tabitha Baines, merecem destaque pela performance das músicas, e a música de fundo complementa muito bem o que está acontecendo no palco. Além de Peter Pearson, que está disponível para cobrir os estadistas e oficiais superiores mais velhos, o restante do elenco serve como um lembrete de quão jovens eram os homens e mulheres no serviço ativo.

A peça termina com um lembrete de como alguns dos poetas e colaboradores morreram, e uma carta comovente escrita por nosso narrador, o piloto Jamie Dunlop, que é aberta no caso de sua morte em um pouso forçado em Norfolk. Nele, ele espera que os homens e mulheres que viveram a Segunda Guerra Mundial, suas ações e sacrifícios, não sejam esquecidos. Essa produção contribui de alguma forma para garantir isso, em um formato muito interessante que pode atrair um público mais amplo do que apenas livros.


Escrito por: Steve Darlow
Direção: Joe Maylan
Coreografia: Auriole Wells
Produzido por: Steve Darlow e Auriole Wells

O Finest Hour deles é exibido no Waterloo East Theatre até 26 de março. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin