Wed. Aug 10th, 2022



“E se, na história de Romeu e Julieta, os verdadeiros amantes desafortunados fossem Teobaldo e Mercúcio?” É a pergunta na boca de ninguém. Existem vários relacionamentos gays plausíveis no cânone de Shakespeare, e este não é um deles. Mas Starcrossed ainda é, de alguma forma, delicioso. Conner Delves interpreta Mercutio como um libertino alegre; acampamento, felizmente promíscuo e propenso a travessuras. Tommy Sim’aan como Tybalt, por outro lado, é sério e puritano, com um traço violento. Garoto conhece garoto, visões de mundo se chocam, profundidades inesperadas de caráter são reveladas. Eles se apaixonam como Romeu e Julieta – apressadamente e irrevogavelmente. O…

Avaliação



Excelente

Uma reinterpretação ousada e espirituosa de Romeu e Julieta, habilmente composta a partir de fragmentos do texto original de Shakespeare.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

“E se, na história de Romeu e Julieta, os verdadeiros amantes desafortunados eram Tybalt e Mercutio?” É a pergunta na boca de ninguém. Existem vários relacionamentos gays plausíveis no cânone de Shakespeare, e este não é um deles. Mas Starcrossed ainda é, de alguma forma, delicioso.

Conner Delves interpreta Mercutio como um libertino despreocupado; acampamento, felizmente promíscuo e propenso a travessuras. Tommy Sim’aan como Tybalt, em contraste, é sério e puritano, com um traço violento. Garoto conhece garoto, visões de mundo se chocam, profundidades inesperadas de caráter são reveladas. Eles se apaixonam como Romeu e Julieta – apressadamente e irrevogavelmente.

O versátil e multitalentoso Gethin vereador, creditado apenas como “O Jogador”, executa todas as outras partes. Ele é Romeu apaixonado, Paris condescendente, Capuleto de aço e muito mais, todos com maneirismos e vozes distintas, alternando sequências cômicas com ameaças mortais. Ele até consegue fazer com que suas mudanças de figurino sejam hilárias. Ter um elenco tão pequeno funciona muito bem, dando ao romance uma qualidade quase claustrofóbica. É Mercutio e Tybalt contra o mundo.

A história é inteiramente consistente com os eventos de Romeu e Julieta, mas transforma completamente o significado por trás deles. Dramaturgo Rachel Garnet claramente tem um profundo apreço pela peça original. Muitas das linhas mais bonitas de seu roteiro são emprestadas diretamente de Shakespeare e habilmente integradas. Sua linguagem é mais fácil de digerir do que a de Shakespeare, sem perder o caráter dela. A encenação complementa bem o roteiro, com uma abordagem clássica da música, figurino e coreografia de luta que me lembrou o Globo de Shakespeare no seu melhor.

Também é incrivelmente engraçado e consegue ser facilmente acessível a um público moderno sem depender de anacronismos preguiçosos ou abandonar a atmosfera shakespeariana. Mercutio, em particular, é uma alegria de assistir, perspicaz e incansável, fornecendo um suprimento abundante de insinuações, piscando quase permanentemente para o público. Todos os três membros do elenco têm um timing cômico impecável. Às vezes torna-se ridículo, relacionamentos secretos levam, inevitavelmente, a se esconder debaixo da cama.

Se há uma fraqueza a destacar, é que Tybalt e Mercutio são rápidos demais para identificar o significado subjacente das coisas e nomeá-lo em voz alta. Onde há conflitos – Mercutio prefere buscar o prazer no momento presente enquanto Tybalt é assombrado por um senso sombrio de dever, eles têm abordagens radicalmente diferentes em relação à religião, família, violência, sexualidade, álcool – tudo é trazido à tona e dissecado. Não há espaço para o público processar o que ouvimos, porque chega até nós pré-empacotado.

Em parte por causa dessa obviedade, o senso de tragédia é silenciado. Quando há momentos de sentimento profundo, eles são plausíveis, mas não poéticos, e não provocam grande emoção. (Eu não apenas choro habitualmente com Romeu e Julieta, como também sou conhecido por chorar em anúncios. Se eu não estivesse chorando durante esta peça, poucas pessoas chorariam).

“Não há nada de novo debaixo do sol.” Você pode pensar que é uma citação errada de Shakespeare, mas é realmente da Bíblia King James. Esta peça confirma o ditado – ela toca as batidas do gênero (não teatro, mas ficção de fã) com carinho e convicção. Ele nunca procura minar ou descartar seu material de origem. Em vez disso, funciona imaginativamente dentro de suas restrições. Os fãs de Shakespeare encontrarão muito para encantá-los aqui.

Escrito por: Rachel Garnet
Direção: Philip Wilson
Produzido por: Jacob Schott & Visceral Entertainment em associação com Ticking Clock Theater

Starcrossed toca no Wilton’s Music Hall até 25 de junho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin