Fri. May 27th, 2022



When the Rain Stops Falling é um quebra-cabeça épico de uma peça. Uma a uma, vai colocando suas peças, que atravessam gerações e hemisférios. Primeiro, estudamos um homem sozinho na Austrália rural, ansiando por sua filha e intrigado com um peixe aparentemente milagroso. Mas a narrativa não se estabelece aqui e de repente partimos – escaneando fragmento após fragmento. Uma família britânica problemática e de boca fechada ostensivamente décadas antes da cena de abertura; um jovem com perguntas candentes sobre seu passado. Todas as cenas aparentemente díspares, mas carregando ecos umas das outras, e unidas por uma torrente interminável de chuva.…

Avaliação



Boa

Um quebra-cabeça épico de uma peça que abrange gerações e hemisférios. A produção de Sedos oferece uma narrativa habilidosa, elevada por um forte valor de produção.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Quando a chuva parar de cair é um quebra-cabeça épico de uma peça. Uma a uma, vai colocando suas peças, que atravessam gerações e hemisférios. Primeiro, estudamos um homem sozinho na Austrália rural, ansiando por sua filha e intrigado com um peixe aparentemente milagroso. Mas a narrativa não se estabelece aqui e de repente partimos – escaneando fragmento após fragmento. Uma família britânica problemática e de boca fechada ostensivamente décadas antes da cena de abertura; um jovem com perguntas candentes sobre seu passado. Todas as cenas aparentemente díspares, mas carregando ecos umas das outras e unidas por uma torrente interminável de chuva. O desafio para o público: como todas essas peças se encaixam?

SedosA produção faz um trabalho maravilhoso nos guiando pelo quebra-cabeça, garantindo que a experiência siga a linha certa do mistério sem confusão. Muitas vezes as cenas se sobrepõem ligeiramente, os personagens ocupando o mesmo espaço físico que outra cena, temporalmente diferente, chega ao fim. Esta é uma narrativa inteligente: à medida que um fio narrativo é colocado, outro é suavemente tecido nele. Este dispositivo sugere a conexão entre as histórias que ainda estamos para descobrir e também mantém o ritmo fresco. Atinge seu auge quando assistimos a Elizabeth Law, a mais jovem (Marina Norman) desvendar o segredo vergonhoso de seu marido (interpretado por David Pearson). Todo o tempo o eu mais velho de Elizabeth (Audrey Lindsay) fica imersa nisso, sua memória – uma imagem equilibrada de dor no centro de uma tempestade. Essas conexões são agradáveis ​​de assistir.

De particular interesse é o imenso valor de produção deste show ‘amador’. O conjunto sem bordas suporta bem a fluidez da peça à medida que ela flutua no tempo e no espaço. A iluminação é inventiva e atmosférica, acentuando a estrutura narrativa com luzes tremeluzentes à medida que cruzamos uma fronteira para um enredo diferente e proporcionando noites estreladas no interior australiano. A música é usada habilmente em toda a peça, ligando os diferentes mundos com um sublinhado tempestuoso perpétuo e inchando cinematicamente em momentos-chave. Tudo isso se juntou bem para elevar o show ao espaço relativamente cavernoso do Bridewell.

Às vezes, a profundidade do espaço trabalhava contra a peça, e eu me sentia um pouco desconectado da ação. Os monólogos em particular corriam o risco de se perder no meio do espaço e contra o placar da peça. Esses momentos podem ter se beneficiado de serem puxados para baixo do palco, ou os atores terem mais liberdade para olhar para o público para trazê-los. Embora muitas vezes, a fisicalidade do trabalho dos atores fosse suficiente para me manter engajado (Karla Ptacek em particular). Ocasionalmente, tive a impressão de que as partes poderiam ter se beneficiado de mais tempo de ensaio ou trabalho de sotaque.

No geral, porém, esta foi uma produção sólida de uma peça desafiadora. Um tableau final memorável oferece uma recompensa merecida e bem merecida. Cada personagem montado no palco, cada peça do quebra-cabeça encaixada confortavelmente no lugar. Quando a chuva parar de cair é uma peça hábil de contar histórias.

Escrito por: Andrew Bovell
Direção: Helena Bumpus
Produção: Adam Coppard
Movimento por: Kim Barker
Iluminação por: Olly Levett
Som por: Adam Lockett

When The Rain Stops Falling toca no Bridewell Theatre até 26 de fevereiro. Mais informações e reservas através do link abaixo.



By admin