Fri. Feb 3rd, 2023



A Epopéia de Gilgamesh é uma das histórias mais antigas do mundo: foi gravada em tabuletas de argila há mais de 3.500 anos na Mesopotâmia. O Museu Britânico guarda uma tabuinha de argila, descoberta no norte do Iraque e traduzida pela primeira vez em 1874, que conta a História do Dilúvio; uma parte deste épico. Então, que lugar melhor para o contador de histórias (e diretor artístico do The Crick Crack Club) Ben Haggarty se juntar ao talentoso multi-instrumentista Jonah Brody e nos levar de volta milênios para ouvir a história de Gilgamesh, rei de Uruk? Não há economia aqui. Haggarty e Brody começam no…

Avaliação



Excelente

Uma das histórias mais antigas do mundo contada com imenso talento, energia e entusiasmo.

A Epopéia de Gilgamesh é uma das histórias mais antigas do mundo: foi gravada em tabuletas de argila há mais de 3.500 anos na Mesopotâmia. Os britânicosh Museum segura uma tabuinha de argila, descoberta no norte do Iraque e traduzida pela primeira vez em 1874, que conta a História do Dilúvio; uma parte deste épico. Então, que lugar melhor para o contador de histórias (e diretor artístico de Clube do Crick Crack) Ben Haggarty para se juntar ao talentoso multi-instrumentista Jonah Brody e nos levar de volta milênios para ouvir a história de Gilgamesh, rei de Uruk?

Não há economia aqui. Haggarty e Brody começam do começo, quando não havia nada – nada. Depois vêm os deuses, depois o mundo e, por fim, nós, os humanos e Gilgamesh. Haggarty está em constante movimento, seu corpo faz parte da narrativa. Ele nos mostra acima e abaixo e esquerda e direita; ele se move pelo palco e cada gesto está a serviço da narrativa, com algum prazer extra claro, pois os gestos acentuam as seções ocasionalmente com temas adultos da história. Ele constrói um mundo, assim como os deuses que ele nos conta construíram, peça por peça, até chegarmos ao nascimento de Gilgamesh.

Logo descobrimos que Gilgamesh não é um bom rei, então os deuses intervêm para criar sua sombra, Enkidu. No entanto, os dois se tornam grandes amigos, até irmãos. Juntos, eles empreendem uma jornada, mais longe do que qualquer um já viajou antes, buscando madeira para construir recursos para salvar a cidade e o povo de Uruk. Ao longo do caminho, eles matam deuses e constroem uma parede salva-vidas. Então, depois que Enkidu morre, Gilgamesh cruza mares perigosos em busca da imortalidade, mas aprende o que é bom na vida. Parte disso pode soar familiar; a jornada de um herói, semelhante a uma que podemos ver nos filmes regularmente. Mas esta foi a primeira história, escrita em argila há milênios. Haggarty dá vida não apenas à história, mas a cada personagem; conversas inteiras entre eles acontecem para nós no palco com simples torções de seu corpo.

Brody acompanha principalmente Haggarty, adicionando música psicodélica deliciosa (eu contei pelo menos seis instrumentos usados) e efeitos ocasionais por toda parte. Um nível extra de energia real é adicionado à performance quando os dois artistas se encontram duas vezes, uma vez tocando bateria e com Brody cantando, enquanto eles nos falam de uma celebração. Parecia uma adorável união natural de dois contadores de histórias. Eu adoraria ter um pouco mais disso.

A tarde é fabulosa, mas é longa. Isso levou a uma comédia adicional com grandes risadas, pois, com um timing imaculadamente perfeito, Haggarty foi interrompido no meio do fluxo. Assim que ele disse “Utnapishtim diz”, o tannoy do Museu Britânico veio anunciar que o museu estava fechando. Haggarty esperou que isso terminasse, então brincou que Utnapishtim não disse isso, antes de continuar.

O Crick Crack Club retornará ao Museu Britânico em 2023 com sua série Epic Sundays. É um belo local para passar uma tarde emocionante transportada de volta no tempo pela história e música. O Crick Crack Club faz com que pareça simples. Trabalho maravilhoso.


Gilgamesh toca no Museu Britânico em apenas uma apresentação. Verifique o site do Crick Crack Club aqui para obter detalhes de outros shows.



By admin