Sun. Jan 23rd, 2022


Em termos de performance, “West Side Story” faz estrelas instantâneas de pelo menos três pessoas: Mike Faist, Ariana DeBose e Rachel Zegler. Claro, os fãs de teatro não precisam ser apresentados a DeBose, um indicado ao Tony que estava na produção original de Hamilton. Como qualquer pessoa que conhece o original pode dizer, DeBose consegue o showstopper em “America”, e é um dos destaques cinematográficos do ano. Spielberg e Kushner puxam o número dos telhados, enviando Anita e suas amigas pelas ruas, dançando e cantando com tanta paixão que você pode sentir através da câmera. A encenação de Spielberg e Kaminski aqui é impressionante, movendo-se tão graciosamente em torno dos performers de uma forma que nunca distrai, mas apenas projetada para garantir que você não perca nada. O trabalho da câmera incorpora um reflexo de lente um pouco demais, mas é o enquadramento e a fluidez que o tornam exemplar.

Faist e Zegler também encontram aquela fonte de paixão de que Riff e Maria precisam. Por outro lado, Elgort raramente sente que está na mesma página. Esses personagens precisam estar quase nervosos com a adrenalina da juventude – um sentimento incontrolável que os leva a dançar, amar, lutar. Todo mundo entende, menos Elgort. Ele é uma tela em branco no primeiro semestre, trazido ligeiramente à vida pelo melodrama, mas nunca o suficiente para parar os pensamentos do que poderia ter sido com um artista que entendeu melhor o desespero de Tony. Ele está preso entre a amizade e o amor, sabendo que ceder a qualquer um deles pode mandá-lo de volta para a prisão ou pior. Elgort nunca transmite essas apostas.

Felizmente, tudo ao seu redor, sim. Faist encontra uma vulnerabilidade notável em Riff; Zegler faz você acreditar que o amor a faz se sentir bonita; Alvarez acerta a natureza superprotetora dos homens que vão longe demais; DeBose tem indiscutivelmente a maior variação de “América” ​​ao final do arco trágico de Anita. E então há Rita Moreno. Quando percebi um momento que ela estava prestes a ter em termos de uma das músicas originais do show, eu engasguei. Ela fundamenta o ato final do filme da maneira que realmente precisa.

Há tanta beleza nesta “História do West Side”. Ele mescla coisas que realmente moldaram a cultura pop da precisão graciosa de Spielberg – que sempre teve um olhar de diretor musical em termos de como ele coreografa suas cenas – às composições magistrais de Stephen Sondheim e Leonard Bernstein às brilhantes composições de Tony Kushner à experiência do imigrante neste país. Ele agarra você desde o início e o leva até lá. De alguma forma, algum dia, em algum lugar.

Agora em exibição nos cinemas.

By admin