Wed. Jan 19th, 2022


“The Velvet Queen” se desenrola em uma parte montanhosa e aparentemente inóspita do mundo, nos picos do Tibete. Aqui, o fotógrafo (e co-diretor) Munier e seu amigo Sylvain Tesson (um famoso autor que escreveu um livro de sucesso sobre os eventos deste filme intitulado A arte da paciência – em busca do leopardo da neve) passam os dias procurando animais selvagens que muitas vezes não são vistos pelo olho humano. Munier caça animais nesta parte do mundo, mas apenas para matá-los com uma câmera, nunca com uma arma. Ele tem uma visão profunda e quase religiosa do mundo natural, e isso o tornou um nome conhecido em sua área, levando ao prêmio de Fotógrafo de Vida Selvagem da BBC do Ano por três anos consecutivos.

Munier narra essa jornada por meio de frases de efeito e conversa com Tesson. A alegria que ele expressa ao encontrar fezes de urso recentes é absolutamente inspiradora. Especialmente porque o mundo parece estar entrando em colapso novamente, é reconfortante ver alguém tão emocionado com algo que não foi feito pelo homem. Seu amigo Tesson até aponta que o que ele está fazendo – caçar animais selvagens – é tão antigo quanto a própria espécie humana. Ao avistarem falcões na face de um penhasco que praticamente se camuflam nele ou antílopes fugindo de um predador ainda não visto, Munier e Tesson demonstram não apenas uma inteligência profunda, mas respeito pelo que estão vendo.

Infelizmente, Munier e Amiguet não confiam em seu público o suficiente. Eu desejei uma abordagem quase Werner Herzog para o material aqui que não explicasse a filosofia ou importância da mãe natureza tanto quanto “The Velvet Queen” se sente confortável em fazer. E, no entanto, nunca é sério o suficiente para derrotar o que o filme faz bem. Cada vez que eu sentia que “The Velvet Queen” estava girando, a equipe tropeçava em uma nova imagem de um animal vivendo em seu próprio habitat. Há uma serenidade calmante no melhor de “The Velvet Queen”, especialmente quando a equipe se aproxima de seu objetivo final, um tiro de um raro leopardo da neve. A ideia de que devemos sair de nossos mundos movidos pela tecnologia para ser lembrados da existência de criaturas de tal beleza, majestade e inteligência parece valiosa no final de 2021. Talvez todos devêssemos nos conectar com a mãe natureza mais do que antes ultimamente. Estou trazendo a música de Nick Cave e Warren Ellis comigo.

Em lançamento limitado nos cinemas hoje. Expansão nacional a seguir.

By admin