Fri. Jan 28th, 2022


“Kingsman: O Serviço Secreto” deixou claro que Matthew Vaughn realmente queria fazer um filme de James Bond, de preferência um da era mais ridiculamente concebida, quando 007 poderia possivelmente ir para o espaço para cumprir uma missão. Curiosamente, “The King’s Man” é um filme de espionagem mais tradicional na maior parte do tempo, com foco em intriga e espionagem mais do que dispositivos e explosões. Também centra um homem que claramente poderia ter sido Bond em um universo alternativo, Ralph Fiennes, um ator que sempre dá tudo de si, mesmo quando um filme não sabe bem o que fazer com isso.

Fiennes interpreta Orlando Oxford, o homem que fundaria a operação secreta que centrou os dois primeiros filmes e, aparentemente, desempenha um papel importante em vários eventos ligados à Primeira Guerra Mundial. O duque de Oxford é um importante aliado do rei George (Tom Hollander, que também interpreta o Kaiser Wilhelm e o Czar Nicolau em uma escolha de elenco reconhecidamente divertida) nos dias em que parece que o conflito violento é inevitável. Oxford basicamente inicia sua própria rede de espionagem com a ajuda de Shola (Djimon Hounsou) e Polly (Gemma Arterton), dois gênios que por acaso também são criados em sua propriedade, capazes de se esconder à vista de tantos homens brancos privilegiados os ignorando. Sim, uma ideia interessante, mas “The King’s Man” não faz quase nada com ela, embora Hounsou e Arterton sejam dois dos pontos fortes do filme (dê a eles um spin-off de ação).

Enquanto isso, um vilão que é visto apenas por trás por quase duas horas de duração do filme planeja mergulhar o mundo no caos com a ajuda de sua própria rede de espiões, incluindo o próprio Rasptuin (Rhys Ifans). À medida que a guerra se torna mais sangrenta, Oxford luta para manter seu filho Conrad (Harris Dickinson) da linha de frente, pregando o pacifismo e a proteção sempre que possível. E, no entanto, o filme continua lutando contra isso até que quase parece sugerir que os horrores deste mundo farão até mesmo os cavalheiros mais respeitáveis ​​em máquinas de matar. Grã-Bretanha, f * ck sim!

By admin