Fri. Dec 9th, 2022


Tudo começou em julho, quando Limp Bizkit o vocalista Fred Durst foi ao Instagram para estrear seu novo traje de “pai”. O visual fez mais sentido depois Limp Bizkit estreou um novo single chamado “Dad Vibes” para o público no Lollapallooza After Show, e sem dúvida ainda mais sensato agora que ouvimos Ainda é uma merda. O ponto é este – Limp Bizkit está de volta pela primeira vez em uma década e, por mais estranho que possa parecer, parece que eles amadureceram.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Ainda é uma merda sai do portão de forma bastante agressiva com o golpe duplo de “Out Of Style” e “Dirty Rotten Bizkit”, ambos cujos tempos de execução encontram Durst cantando alguns refrões bem cativantes por cima de uma banda vivaz e enérgica. Ainda é uma merda adiciona um pouco de peso vocal áspero ao usual Limp Bizkit soar em músicas como “Pill Popper” e “You Bring Out The Worst In Me”, produz um Catraca-in-a-bad-mood-type em “Barnacle”, e até consegue incorporar uma curta balada acústica chamada “Empty Hole”. Então, é claro, a banda se apóia fortemente em suas raízes de hip hop em canções como “Dad Vibes” e “Goodbye”, com a sonoridade sarcástica “Turn It Up, Bitch” capturando habilmente aquela vibração nü-rap áspera e danificada dos álbuns de Outro significado.

Certo, Ainda é uma merda é variado, mas é interessante ouvir Limp Bizkit incorpore um punhado de novos sons enquanto se mantém fiel ao que os fãs desejam em sua maior parte. É um álbum que consegue capturar aquele clássico Limp Bizkit humor sem soar como um bando de caras mais velhos tentando ser crianças barulhentas de novo. Os riffs estão bombando, a produção soa ótima, a performance geral da banda é tão sólida como sempre foi, mas está vindo de um estágio de maturidade. Novamente, é estranho ouvir Limp Bizkit não tentando ser essa banda barulhenta e dura pra caralho, mas funciona.

Onde Ainda é uma merda vacila está no uso dos 31 minutos de que dispõe para cativar os ouvintes. Depois de quatro canções matadoras no início do álbum, Limp Bizkit de repente cai em uma capa fria de INXSa faixa de 1982 “Don’t Change” que consome três minutos do álbum. Não é um cover ruim, mas combinado com os mais de quatro minutos de “Snacky Poo” e cativante, mas nada assombroso, “Empty Hole”, parece que Limp Bizkit poderia ter usado seu tempo muito melhor. Especialmente depois que o guitarrista Wes Borland disse em uma entrevista no início deste ano que a banda “provavelmente tem 35 músicas gravadas instrumentalmente.” Por que uma capa, uma esquete sinuosa e uma cantiga acústica foram incluídos em Ainda é uma merda é um mistério e que infelizmente prejudica um álbum que, de outra forma, é bastante sólido.

No fim do dia, Ainda é uma merda parece um precursor de algo melhor que está por vir. É um bom álbum com um punhado de músicas muito boas, mas parece um pouco malfeito. Esperamos que não tenhamos que esperar mais uma década para descobrir se Limp Bizkit realmente tem algo ainda melhor na manga.

Propaganda. Role para continuar lendo.

By admin