Sun. Jun 26th, 2022


ENREDO: Todo mundo traz seu próprio conjunto de bagagem para um novo relacionamento. Gary e Mary não são diferentes. Gary é um desastre emocional e luta para sustentar sua filha desde a morte de sua esposa. Mary tem um segredo que ela não consegue compartilhar com ninguém. O universo uniu esses dois por um motivo, eles só precisam continuar seguindo os sinais.

REVEJA: É uma história tão antiga quanto o tempo: garoto conhece garota, garoto se apaixona por garota, garota acaba tendo problemas. Ok, talvez não seja uma visão clássica do gênero romance, mas Abe Forsythe Lobo como eu oferece uma reviravolta única no drama de relacionamento clichê, graças às performances sólidas de Isla Fisher e Josh Gad como duas pessoas solitárias que acabam tendo uma conexão sobrenatural. Usando os tropos do gênero de terror, Lobo como eu consegue contar uma história muito mais envolvente e pensativa do que provavelmente teria se não fosse pela reviravolta no centro da história. Enquanto eu não vou estragar a reviravolta para você aqui, vamos apenas dizer que funciona porque Lobo como eu nunca tenta ser uma isca de gênero, mas usa elementos de vários tipos de histórias para entregar uma narrativa satisfatória.

Abe Forsythe escreveu e dirigiu a série de seis episódios que na verdade parece mais um filme de três horas dividido em meia dúzia de capítulos. Comédia zumbi de Forsythe 2019 Pequenos monstros, estrelado por Lupita N’yongo e Lobo como eu estrela Josh Gad, foi uma produção de terror muito mais direta. Com Lobo como eu, Forsythe canaliza um drama romântico tradicional com muitos momentos de humor e leveza que por acaso tem algo etéreo e quase assustador sob a superfície. Vimos tantos filmes e programas que têm um protagonista que está morrendo de câncer ou tem um segredo obscuro que coloca em risco sua felicidade e Lobo como eu não é diferente. O que diferencia este filme de histórias românticas mais medíocres é a química entre Gad e Isla Fisher.

Josh Gad tem sido um grampo de papéis cômicos ou musicais, duas áreas em que ele se destaca como artista. Fiquei surpreso com o quão bem ele lida com esses elementos muito mais dramáticos. Gad interpreta Gary, um viúvo lutando com uma filha pré-adolescente, Emma (Ariel Donoghue), enquanto também tenta seguir em frente com sua própria vida. Quando ele sofre um acidente de carro, Mary (Fisher) chega para acalmar o pânico de Emma. No típico estilo romântico, algo parece ter atraído a retraída e solitária Mary para o igualmente solitário Gary. O que se segue é elevado pelo carisma na tela que Fisher e Gad compartilham, fazendo com que eles se sintam como um casal natural em vez de dois atores na tela.

É muito difícil mergulhar em mais sobre Lobo como eu sem sacrificar a reviravolta no centro desta história, mas vale a pena notar que Abe Forsythe baseou esta série em suas próprias experiências como pai solteiro. Cada episódio desenvolve a relação entre Gary e Mary, mas também aborda assuntos como saúde mental, luto, depressão e suicídio. Tudo isso soa como temas maravilhosos para uma comédia romântica, mas Lobo como eu, embora engraçado, realmente não é uma comédia no verdadeiro sentido. Seria melhor classificá-lo como um drama. Isso também significa que, para realmente apreciar a história, você deve ignorar alguns momentos que parecem bobos quando os personagens falam sobre isso. Para o bem da história como um todo, você precisa realmente envolver sua suspensão de descrença.

Lobo como eu é simultaneamente muito longo e muito curto. No início, a série leva tempo para começar e passa muito tempo nos mostrando quem são Gary e Mary quando se encontram pela primeira vez. Em seguida, leva três episódios antes que a história encontre algum impulso e, antes que você perceba, a temporada de seis episódios termina. Lobo como eu poderia ter funcionado como um longa-metragem simplificado, mas isso provavelmente se apoiaria demais nos elementos do gênero e não nos daria o sólido desenvolvimento de personagens que Gad e Fisher trazem para esta história. Mas, os seis episódios terminam de uma maneira que parece anticlimática e me deixou querendo mais.

Eu gostei desta série muito mais do que eu esperava e fiquei impressionado com Josh Gad e Isla Fisher em papéis muito diferentes do que eles costumam interpretar. Ainda, Lobo como eu é um pouco esquecível depois de terminá-lo, mesmo que assistir seja uma experiência agradável. Se Abe Forsythe optar por explorar uma segunda temporada desta história, eu estaria lá para conferir. É uma farra fácil e rápida que deve agradar a quem procura um novo show. Também é um romance que vai agradar a quem não gosta de filmes românticos. Eu teria gostado se a série se inclinasse um pouco mais para os elementos de terror da história, mas usa o que tem apenas o suficiente para separá-la de outras histórias por aí. Sempre há esperança de que essa história possa encontrar uma base mais forte em uma segunda temporada, mas se tudo o que conseguirmos for essa única corrida, certamente será única o suficiente para ganhar um lugar no seu calendário de visualizações.

Lobo como eu estreias em 13 de janeiro em Peacock.

7

By admin