Sat. Jan 22nd, 2022


San Fernando Valley, 1973. O cenário perfeito para uma comédia-drama de amadurecimento de ninguém menos que Paul Thomas Anderson, o diretor visionário por trás de filmes fantásticos como Magnólia, Punch-Drunk Love, e Haverá sangue. Desta vez, ele nos deu Pizza de Alcaçuz, um filme sobre o adolescente Gary Valentine (Cooper Hoffman) que se apaixona pela assistente de fotógrafo Alana Kane (Alana Haim). Os dois abrem uma empresa de colchões d’água, fazem testes para filmes e interagem com figuras da Velha e da Nova Hollywood.

Anderson é um mestre no que faz. Poucos diretores conduziram a linguagem cinematográfica tão habilmente quanto ele e, a esta altura, pode ser impossível para ele fazer um filme ruim. Claro, nem todos os seus filmes são para todos, mas ele entende seu ofício, e isso está em plena exibição com este filme que, em sua maior parte, consegue o que deseja.

Este filme parece antiquado desde os logotipos de abertura. Um filme que se passa nos anos 70 deve parecer que foi feito nos anos 70, e Anderson faz um trabalho notável em evocar essa época. Anderson faz a excelente escolha de rodar o filme em 35mm, permitindo um filme que parece tanto um produto de sua época com nostalgia e beleza em sua simplicidade. Sua voz de cineasta é polida e poderosa em uma de suas saídas mais leves.

Todos os filmes de Anderson têm um estilo semelhante com um tom distinto. Por exemplo, Boogie Nights não sente nada como Fio Fantasma, e esse filme tem um tom caprichoso que parece sem precedentes para Anderson. Se alguém realmente quisesse, eles poderiam comparar o cenário dos anos 70 com Boogie Nights ou a simplicidade romântica para Punch-Drunk Love. Ainda assim, este filme captura algo fascinante e único com seu calor e como Anderson usa seu distinto senso de humor em todos os momentos certos.

Esse é o tipo de filme que apenas um cineasta do calibre de Anderson poderia fazer. Os dois protagonistas, Hoffman e Haim, nunca atuaram em um longa-metragem antes, mas eles fazem maravilhas juntos. Haim é magnífica em seu papel engraçado e sexy como Alana, uma personagem que é incrivelmente charmosa de se ver enquanto ela bate perfeitamente em Hoffman. Anderson trabalhou com Philip Seymour Hoffman em muitos de seus filmes, e é maravilhoso vê-lo trabalhar com o filho de Hoffman, que parece ter os talentos de seu pai. A química entre nossos dois protagonistas é o argumento de venda do filme, e a magia entre os dois é indescritível.

Mas o filme vacila um pouco no roteiro. O filme tem muitos personagens, muitos dos quais pretendem ser figuras da Hollywood dos anos 70. Bradley Cooper chega para algumas cenas do filme como um produtor chamado Jon Peters, e enquanto ele é divertido de assistir, a história parece estar dobrando para trás para ir a novos lugares quando, no final das contas, o filme acaba desgastando suas boas-vindas. O filme poderia ter usado menos subtramas e um foco maior nos dois protagonistas, que são maravilhosos quando compartilham a tela.

Algo que pode incomodar alguns públicos são os momentos de escrita off-color de Anderson em seu uso de estereótipos. Anderson poderia ter escrito esses momentos melhor e tratado as ideias com mais nuances. Além disso, o final sentimental do filme não parece inventivo o suficiente para um filme de Anderson, indo por um caminho que já foi percorrido.
No entanto, o filme funciona devido ao estilo visual impecável de Anderson, que ele aprimorou nos últimos 25 anos como um dos melhores escritores e diretores da atualidade. É um filme doce e bem feito que tem todo o brilho de Anderson como contador de histórias, apesar de não ser necessariamente um de seus melhores trabalhos.

PONTUAÇÃO: 7/10

Como explica a política de revisão do ComingSoon, uma pontuação de 7 equivale a “Bom”. Uma peça de entretenimento de sucesso que vale a pena conferir, mas pode não agradar a todos.

By admin