Sat. May 28th, 2022



Chegando com um respingo sensacionalmente brilhante, a lendária drag queen Cherry Brandy (Micky Jones) aceita um prêmio e define o cenário como a rainha principal. Agradecendo aqueles que os criaram no passado e agora, com um punhado de lembranças róseas, a vida parece perfeita. Mas é mesmo?   Ao sair do palco, descobrimos que Cherry não está sendo tão fiel a si mesma quanto a boa amiga Heidi Handjob (Mariah Louca) acredita que deveria ser, e assim somos atraídos pelas complexidades das amizades, relacionamentos – consigo mesmos e com os outros – e expectativas sociais. Este é um relógio de bom coração que…

Avaliação



Excelente

Cheio de risadas, energia e um brilho para a vida, Cherry Jezebel faz você investir nos personagens do início ao fim.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Chegando com um respingo sensacionalmente brilhante, a lendária drag queen Cherry Brandy (Micky Jones) aceita um prêmio e define o cenário como a rainha principal. Agradecendo aqueles que os criaram no passado e agora, com um punhado de lembranças róseas, a vida parece perfeita. Mas é mesmo?

Ao sair do palco, descobrimos que Cherry não está sendo tão fiel a si mesma quanto a boa amiga Heidi Handjob (Mariah Louca) acredita que deveriam ser, e assim somos atraídos pelas complexidades das amizades, relacionamentos – consigo mesmo e com os outros – e expectativas sociais. Este é um relógio de coração caloroso que combina o chamativo com o corajoso; os altos com os baixos.

Escrito por Jonathan Larkin e dirigido por James Baker, Cereja Jezabel retrata fazer parte da comunidade LGBTQ+ através de uma lente multifacetada. O roteiro é bem elaborado. Ele habilmente entrelaça o nostálgico com o contemporâneo para traçar paralelos entre as experiências vividas dos personagens em diferentes épocas, enquanto acena para o fato de que essas ainda são questões sociais atuais e questões para pessoas reais.

A peça exige presença polida e habilidade de seu elenco de quatro. O diálogo é rápido e, às vezes, difícil de acompanhar, mas é nas conversas que o público é atraído pelos personagens. Ficamos sabendo que Cherry ainda está marcada por relacionamentos passados ​​​​abusivos; que Heidi pretende dar alguns grandes passos na vida; e por que Pearl Reckless (Stefan Race) chama-se Pérola. Há uma corrente de duelo de amor e conflito na maioria das interações.

Todos os quatro membros do elenco são impecáveis. Jones brilha no papel-título, dominando o palco no verdadeiro estilo de diva. Sua caracterização dá vida a Cherry através do humor perspicaz, entregue no verdadeiro estilo Scouse. Louca traz uma dimensão diferente de energia para a produção como Heidi, equilibrando perfeitamente com a de Cherry, para criar uma química clara entre elas. Corrida como Pérola e George Jones como Mo dão performances soberbas e são excelentes com seu movimento, que às vezes é quase como um sprite. Com uma presença tão forte, o público ficou absorto o tempo todo.

Os adereços e o design do palco são muito criativos, contribuindo para a percepção de estar envolvido na vida de alguém e deixando o público como testemunhas íntimas em vez de espectadores passivos.

Quando a cena final estava em andamento, o público se levantou e se juntou. A atmosfera fluiu com o fator de bem-estar e aplausos. Nós estávamos em uma jornada com nossos personagens e estávamos torcendo pelo futuro incerto que está diante de todos eles quando o show termina. Choviam confetes brilhantes do teto enquanto luzes coloridas iluminavam a sala, com o público unanimemente de pé, sugerindo uma noite com Cherry Jezebel imperdível.

Escrito por: Jonathan Larkin
Direção: James Baker
Cenário e Figurinos por: Ellie Light
Projeto de iluminação por: Jai Morjaria
Composição e design de som por: Daniel Mawson

Cherry Jezebel está jogando no Everyman Playhouse de Liverpool até 26 de março. Mais informações e reservas através do link abaixo.



By admin