Sun. Sep 25th, 2022


Após o sucesso de seu filme de 2004 Meninas Malvadas, que ela escreveu e estrelou como professora de cálculo Ms. Norbury, muitos esperavam e esperavam que Tina Fey fizesse uma sequência. Em vez disso, ela seguiu um caminho diferente e decidiu transformar o filme em um musical de palco. Os puristas do teatro já consternados com o grande volume de filmes que seguiram esse caminho podem ter sido céticos, mas o público comeu, e os críticos também o abraçaram.

Em cartaz no Fox Theatre até 24 de julho, cortesia da Broadway em Atlanta, Meninas Malvadas é uma mistura vertiginosa que consegue esculpir sua própria identidade enquanto satisfaz os fãs do filme. É uma produção tremendamente divertida.

A história continua basicamente a mesma. Cady Heron (Inglês Bernhardt) cresce em uma savana africana, mas depois se muda para o subúrbio de Illinois com sua família e tem que navegar por um território completamente novo: a sobrevivência do mais sarcástico na North Shore High School. Ela faz amizade desde o início com a pária social Janis Sarkisian (Lindsay Heather Pearce) e Damian Hubbard (Eric Huffman), descrito por Janis como “quase gay demais para funcionar”, que preenchem Cady em panelinhas do ensino médio.

Cady logo conhece a infame The Plastics, um trio de alunas poderosas com Regina George (Nadina Hassan) em seu epicentro Queen Bee, Gretchen Wieners (Jasmine Rogers) a segunda em comando, um pouco insegura, e Karen Smith (Morgan Ashley Bryant) , reconhecidamente não conhecido por seu intelecto. Esses três pairam sobre a escola, mas oferecem uma calorosa recepção a Cady. Com dicas de Damian e Janis, que teve um desentendimento com Regina, Cady mantém a amizade com The Plastics para descobrir seus segredos, mas após uma traição, está determinada a derrubar a própria Queen Bee.

Inimigos em formação: Gretchen Wieners (interpretada por Jasmine Rogers) e Cady Heron (Inglês Bernhardt).

Meninas Malvadas abriu na Broadway em 2018 e fechou alguns anos depois, após 804 apresentações, uma vítima da pandemia de Covid-19. Foi indicado para 12 Tony Awards e perdeu todos, infelizmente para o livro inspirado de Fey. (Essa foi a época do elogiado A visita da banda, um musical que Eu simplesmente nunca me aqueci.)

A produção, pelo menos nesta versão, parece quase dois shows em um. O primeiro ato é espumoso, mas não muito mais do que uma versão de palco intermitentemente agradável do filme. Ele também se esforça um pouco demais para expandir a história central. O segundo, porém, quase desde seus momentos iniciais, entra em marcha mais alta e mais confiante. É aquele programa raro que prova agradar ao público, mas também faz alguns comentários inteligentes sobre como as mulheres tratam umas às outras e a importância de aceitar pessoas diferentes.

Se o livro é mais nítido do que a música, com algumas novas risadas e reviravoltas e a inclusão de como as mídias sociais mudaram a sociedade, a trilha sonora se mantém, com música de Jeff Richmond e letras de Nell Benjamin.

Janis de Pearce e Damian de Huffman atuam como narradores, abrindo o musical com “A Cautionary Tale”, explicando a história. Um pouco mais tarde, os dois se juntaram a Bernhardt para “Where Do You Belong”, analisando as opções de Cady para se encaixar e encontrar uma tribo, e “Revenge Party”.

É tudo muito inteligentemente encenado e executado. Meninas Malvadas foi dirigido por Casey Nicholaw, o vencedor do Tony que também dirigiu O baile no Alliance Theatre e na Broadway. Assim como nesse musical, Nicholaw também lida com a coreografia elegante.

A produção é muito rápida. Os sets de Scott Pask levam o público da África a Chicago, incluindo locais variados em casas e na escola. Complementando isso, algumas projeções divertidas de vídeo de fundo de Finn Ross e Adam Young que são inspiradas e criativas, especialmente o encontro inesperado de Regina com um ônibus.

O amado filme de Fey contou com um elenco que incluía Lindsay Lohan, Rachel McAdams, Lacey Chabert, Amy Poehler, Daniel Franzese, Tim Meadows e Amanda Seyfried. Da mesma forma, o elenco aqui é bastante agradável. Esta é uma das primeiras produções do musical onde As Plásticas são todas interpretadas por atrizes do BIPOC, o que dá Meninas Malvadas um toque mais moderno.

Hassan não faz dela Regina a personagem dominante e venenosa que Rachel McAdams fez no filme, mas ela se destaca mais quando se vê à margem. Da mesma forma, se Bernhardt é um pouco subjugado no começo, ela realmente floresce quando Cady fica mais vingativa e começa a se tornar tão (sem saber) quanto Regina. Seu dueto com Aaron (Adante Carter), ex de Regina por quem ela tem uma queda, em “More is Better” é muito lindo.

Lawrence E. Street tem um timing cômico como o principal Sr. Duvall, assim como April Josephine em três papéis – Sra. Heron, Sra. George e (mais memorável) Sra. Norbury – enquanto Rogers e Bryant fazem ótimas impressões como os membros menos mordazes dos Plásticos.

The Plastics (da esquerda) – Jasmine Rogers (como Gretchen Wieners), Nadina Hassan (como Regina George) e Morgan Ashley Bryant (como Karen Smith) – avaliam a recém-chegada da North Shore High School, Cady Heron (Inglês Bernhardt).

No entanto, os destaques nesta versão em turnê são Pearce e Huffman.

“Stop” de Huffman é um número inteligente que alegremente incorpora um pouco de sapateado e empoderamento (“Quando você está falhando em matemática/ Porque você acha que é mais atraente/ Para caras se você for estúpido/ Pare”). Tendo acabado de testemunhar um personagem gay horrivelmente ofensivo no Alliance Theatre Lugares comerciaisé revigorante ver um personagem tão equilibrado e dimensional quanto Damian de Huffman.

O timing cômico e o vocabulário vocal de Pearce também são maravilhosos. Eu amei o hino empolgante do segundo ato “I’d Rather Be Me”, uma música sobre permanecer fiel a si mesmo.

Verdade seja dita, a noite de abertura de terça-feira foi um pouco caótica. Muitas das letras da produção foram abafadas pela orquestra, e dificuldades técnicas interromperam o show por 10 minutos. Um grande contingente da platéia lotada era formado por membros mais jovens que pareciam desconhecer o teatro básico e a etiqueta ao telefone celular. Eu poderia me chutar por não pegar Meninas Malvadas em Nova York, onde eu poderia ter entendido todas as letras, e os clientes em seus telefones celulares seriam abordados por porteiros – ou “Patti LuPoned”.

No entanto, é difícil ignorar o trabalho divertido e incrível que a turnê nacional está fazendo. Se você gostou Meninas Malvadas como um filme, é muito provável que você goste tanto quanto. Talvez ainda mais.

::

Jim Farmer cobre teatro e cinema para ArtsATL. Formado pela Universidade da Geórgia, ele escreve sobre artes há mais de 30 anos. Jim é o diretor do Out on Film, festival de cinema LGBTQ de Atlanta. Ele mora em Avondale Estates com seu marido, Craig, e o cachorro Douglas.



By admin