Fri. Dec 9th, 2022


O jogo está em andamento Sra. Holmes e Sra. Watson – #2B a partir do momento em que uma porta misteriosa rola na frente da cortina e os amados mistérios de Sir Arthur Conan Doyle são transportados para 2022. Em vez de Sherlock Holmes e seu fiel ajudante e conselheiro John Watson brincando de gato e rato com criminosos e malucos no final dos anos 19º No século XX, a dramaturga Kate Hamill explora que tipos de mistérios a dupla resolveria como mulheres nos tempos modernos. Sra. Holmes e Sra. Watson – #2B está no palco do Synchronicity Theatre até 23 de outubro.

Hamill tem um talento especial para adaptar os clássicos em peças de boas maneiras. Suas adaptações cômicas de Orgulho & Preconceito, Razão e Sensibilidade e Feira da vaidade fizeram dela uma das dramaturgas mais produzidas na América nos últimos cinco anos. A sincronicidade a produziu Razão e Sensibilidade em 2017.

Embora ela tenha uma afinidade com Jane Austen, Hamill faz um bom trabalho explorando As Aventuras de Sherlock Holmesque é uma coleção de contos de Doyle que foi originalmente publicado em A revista Strand de julho de 1891 a junho de 1892. As histórias eram tão populares que Doyle passou a maior parte de sua carreira de escritor expandindo o mundo de Holmes e Watson em outros contos e romances.

Sra. Holmes e Sra. Watson – #2B. foi encomendado por Representante de Kansas City e recebeu uma estreia mundial lá em fevereiro. Desta vez, Sherlock, a quem sua senhoria chama de Shirley, é um investigador recluso, obstinado e excêntrico aguardando sua próxima aventura. E Joan Watson é uma recente divorciada da América que vai para Londres em busca de um novo começo. Juntos, com a experiência médica de Watson e a atenção de Holmes aos detalhes, a dupla resolve uma variedade de crimes, desde o assassinato de um homem encontrado em um motel até o caso de um político de direita que traiu sua esposa. Hamill interpretou Watson na estreia mundial.

O’Neil Delapenha desempenha vários papéis ao longo da peça e ajuda a completar o elenco.

Na produção de Synchronicity, dirigida por Suehyla E. Young, Tara Ochs interpreta Holmes e Karen Cassady interpreta Watson. Esses dois têm uma ótima química, mas eu gostaria de vê-los se inclinarem um pouco mais para a comédia maluca. Ochs é completamente crível como o gênio Holmes, avesso a smartphones. Seu desempenho é tão bom que ela faz a alta energia parecer “elementar”.

Watson talvez tenha o maior arco como personagem. Ela vai de uma divorciada descontente que fica enjoada com sangue para uma parte instrumental da operação de Holmes – mas não sem algum ridículo ao longo do caminho. Cassady captura isso quando ela começa completamente irritada com Holmes para apenas meio irritada. Na parte em que as duas fingem ser freiras, ela exagera na quantidade certa.

Completando o elenco, O’Neil Delapenha e Vallea E. Woodbury desempenham vários papéis ao longo da peça. Delapenha interpreta o vilão Lestrade, junto com vários outros personagens. Woodberry retrata a senhoria, uma viúva de luto e uma femme fatale astuta.

Com atores hábeis, esse elenco realmente traz de volta o significado da palavra “peça”. A produção está no seu melhor quando o elenco pode ser desinibido – o que, claro, significa muito coreografado – em sua tolice. Momentos como Watson sendo preso sob um cadáver em uma banheira ou Holmes tentando abrir um laptop são engraçados. Eu só gostaria que houvesse mais deles, porque o show às vezes demora. Há partes do segundo ato em que Hamill tenta explicar a relevância da peça para a vida atual. Estes, juntamente com a direção desigual, levam a uma perda de impulso.

A cenografia de Kristina White é uma das partes mais impressionantes e complicadas desta produção. O apartamento de Holmes é, em uma palavra, caótico. Uma imagem pintada de Maria Antonieta ancora o espaço, repleto de animais empalhados, recipientes de comida chinesa, equipamentos de esgrima e um esqueleto sempre presente. O azul vibrante das paredes e do piso e o caos completo do local tornam o visual marcante, além de um uso criativo de um letreiro de neon para indicar mudanças de local.

Holmes e Watson
Watson passa de uma divorciada descontente para uma parte instrumental da operação de Holmes – mas não sem algum ridículo.

No entanto, White and Young nunca encontra o ritmo certo para as transições de cena, que muitas vezes parecem descoordenadas e desnecessariamente complicadas no pequeno teatro de caixa preta. Mover a porta para frente e para trás de uma extremidade do palco para a próxima não gela. Os ajudantes de palco são intencionalmente visíveis no palco e fiéis à natureza zombeteira da escrita de Doyle; sua ajuda com o mal se encaixa na peça. Mas também é desajeitado de uma maneira que distrai das piadas espirituosas e das brincadeiras de Holmes.

Mais de um século desde que as histórias foram publicadas pela primeira vez, adaptações modernas do trabalho de Doyle chegam à cultura pop, como a série da CBS Elementar e a série da BBC Sherlock. A nova peça de Hamill renova as histórias como Lucy e Ethel, Cagney e Lacey ou Rizzoli e Isles. Com todos os ingredientes de uma boa comédia de amigos, não há dúvida de que Sra. Holmes e Sra. Watson – #2B terá uma vida no teatro por um longo tempo.

::

Kelundra Smith, uma ArtsATL Editor-at-Large, é um crítico e jornalista de artes cuja missão é conectar pessoas a experiências culturais e entre si. Seu trabalho aparece em O jornal New York TimesAndscape da ESPN, Teatro Americano e em outros lugares. Ela é membro da American Theatre Critics Association e da Society of Professional Journalists.



By admin