Wed. Aug 10th, 2022


“Meu crescimento como dançarina nunca acaba, e essa é uma das muitas razões pelas quais ainda amo”, diz Cira Robinson. A nativa de Cincinnati treinou com Arthur Mitchell no Dance Theatre of Harlem e ingressou no Ballet Black de Londres em 2008. Artista sênior da companhia, ela originou papéis em balés de Annabelle Lopez Ochoa e Will Tuckett, excursionou internacionalmente e se apresentou para um público de 100.000 pessoas multidão com o rapper britânico Stormzy no Festival de Glastonbury 2019. Ela também é uma força fora do palco: sua colaboração em 2017 com Freed of London produziu dois tons de pele de sapatilha de ponta para dançarinos negros, asiáticos e mestiços – Ballet Brown e Ballet Bronze. E nas mídias sociais, ela foi sincera sobre um susto de saúde em 2020 que criou uma mudança em sua mentalidade de “continuar”. “É uma coisa fenomenal, o que os dançarinos fazem, mas não somos super-humanos”, diz Robinson. “A saúde precisa estar no topo da lista.”

Quando ela soube:
“O balé sempre foi algo que simplesmente clicava. Foi só quando fiz meu último programa de verão no Dance Theatre of Harlem, aos 18 anos, que soube que era isso que queria fazer para sempre.”

Tremores pré-show:

“Minha mentalidade de dançarina quer acertar cada passo perfeitamente, mas então meu lado humano entra em ação e eu aceito que sou profissional e tenho isso – e se não conseguir, é melhor descobrir! Então eu tomo Tiger Balm tudo, respiro fundo algumas vezes e deixo Cira no vestiário”.

Tornando a dança mais diversificada:
“As coisas estão acontecendo, mas não na velocidade que deveriam. As pessoas deveriam querer diversidade, desenvolvimento e inclusão em suas escolas e empresas – é mais do que ter uma pessoa de cor como professor ou no conselho.”

Cira Robinson. Foto de Laura Gallant.

Colaborando com a Freed:
“Sempre fiz panquecas nos sapatos, mas mesmo sendo algo que precisa ser feito, é tedioso. Fui à Freed of London para perguntar sobre um sapato marrom personalizado feito para mim, e eles me disseram que eu precisava encontrar o cetim marrom adequado para os sapatos, então o fiz. Fui a sete lojas de tecidos diferentes antes de encontrar a amostra perfeita de marrom. Quando informei minha diretora Cassa Pancho sobre a personalização de um sapato, ela entrou em ação com a Freed e nasceu uma colaboração.”

Sua vez como professora:
“Tento manter os valores, etiqueta e ‘coisas boas’ com as quais cresci e que me ajudaram a navegar neste mundo da dança, mas também sei que tenho que me adaptar a essa geração de alunos. Há um nível de respeito que deve existir entre o professor e o aluno, mas, em última análise, gosto de ser o mais real possível com os alunos mais velhos, ajudando a alimentar a imaginação e os sonhos dos mais pequenos.”

Crescendo como Artista:
“Mergulhando mais fundo no lado da atuação dos vários papéis narrativos que interpretei nos últimos cinco anos, percebi que é onde eu prospero e me sinto completo. Ser extremamente vulnerável e consumido em um papel no palco e ser capaz de levar o público comigo a cada passo do caminho é o que mais me orgulho recentemente e o que tento trazer para tudo o que danço.”



By admin