Sat. May 28th, 2022


Para adaptar a letra imortal de Olivia Rodrigo, “comparar é matar [dancers] devagar.” Não é surpresa, quando você considera o que é a dança: uma forma de arte altamente competitiva praticada na frente de um espelho, compartilhada nas mídias sociais com estatísticas facilmente comparáveis ​​e tendo como pano de fundo uma pandemia que inibe o treinamento e marginaliza as carreiras. Todo mundo (e eu quero dizer todos) é obrigado a ver algum tom de verde nos dias de hoje.

Então, o que você pode fazer para lidar com esses ressentimentos? Como você pode evitar que o ciúme ameace seus relacionamentos, seu treinamento e sua saúde mental? Por outro lado, a inveja pode ser adotada ou aproveitada para ajudá-lo a melhorar? Conversamos com especialistas para trazer a você as respostas para essas perguntas e muito mais.

Ciúme 101

Os humanos sentem ciúmes quando têm medo de perder algo que valorizam. Para os dançarinos, essa é tipicamente nossa posição na dança (nossa posição relativa em um grupo de dançarinos, nossa posição de favor com o professor, etc.). Mas o ciúme também pode ser desencadeado por outros tipos de perda, como quando seu amigo começa a passar mais tempo com aquela nova dançarina no estúdio – e menos tempo com você.

O lado positivo

De acordo com a psicóloga de Nova York (e ex-dançarina do Ballet de Nova York) Linda Hamilton, o ciúme realmente tem alguns benefícios. Por exemplo: A inveja pode ser altamente motivadora. “Se um novo dançarino for escalado para papéis que você achou que deveria conseguir, você pode sentir ciúmes”, diz Hamilton. “Mas esses sentimentos podem ser o alerta que diz que você está sendo ignorado ou que sua carreira estagnou – e que você precisa fazer algo a respeito.” O ciúme pode levá-lo a conversar com seu diretor sobre o que eles querem que você trabalhe para estar preparado para esses papéis. Você pode se sentir inspirado a encontrar um novo professor para orientá-lo em seu treinamento e carreira. Em alguns casos, o ciúme pode até levá-lo a fazer um teste para outras empresas que podem ser mais adequadas para você.

Para Ira White, do Richmond Ballet, o ciúme desempenhou um papel fundamental em sua carreira. Aos 11 anos, não muito tempo depois de encontrar a dança através do programa de divulgação do Richmond Ballet Minds in Motion, White fez um teste para a companhia de balé Quebra-nozes. “Havia alguns amigos meus na audição que estavam tendo aulas de balé, e eu poderia dizer que eles tinham uma vantagem sobre mim em termos de terminologia e habilidade”, diz ele. “Eu estava com ciúmes da experiência deles, e isso me levou a querer fazer aulas de balé e me tornar mais confiante em mim mesma como dançarina.”

A partir desse gatilho inicial, White expandiu seu treinamento em uma variedade de gêneros e, finalmente, viu seu potencial para uma carreira profissional. Da escola no Richmond Ballet a uma posição de trainee, a um segundo contrato com a empresa, a sete anos com a empresa principal, nenhum dos objetivos de carreira de White poderia ter sido possível sem aquele pequeno empurrão de ciúmes.

A dura verdade

É claro que os sentimentos de inveja também podem ser destrutivos. De acordo com Hamilton, se você sofre de baixa auto-estima ou ansiedade, está mais propenso a uma experiência negativa com ciúmes. “O ciúme é particularmente prejudicial quando é desnecessário”, diz Hamilton. “Trabalhei com dançarinos extremamente talentosos que ficavam obcecados com a comparação, imaginavam o pior cenário e tentavam abordá-lo de maneiras prejudiciais, como decidir que não são bons o suficiente, trabalhar demais a ponto de se machucar ou desenvolver uma alimentação transtorno.”

Quando White se formou no colegial e começou a perseguir objetivos universitários e profissionais, ele também experimentou os efeitos negativos do ciúme. “Houve um dançarino que fez o teste para a Juilliard ao mesmo tempo que eu – ele entrou e eu fui cortado”, diz White. “Alguns anos depois, vi que ele começou a dançar para a Hubbard Street, uma oportunidade que eu realmente esperava. Eu tinha inveja da carreira dele.” Esses sentimentos eram difíceis para White lidar e muitas vezes impactavam sua auto-estima. Eventualmente, White percebeu que comparar sua trajetória de carreira com a de outra pessoa não era produtivo. “Cada um precisa seguir seu próprio caminho”, diz ele. “Sua trajetória deve ser sobre a dança em si e o que é significativo para você. Não deve ser sobre o que vai impressionar os outros.”

Encontrando o equilíbrio

A linha entre o ciúme positivo e negativo é tênue. Aqui, Hamilton compartilha conselhos para tornar o ciúme construtivo.

  1. PROCURE AJUDA. “Se você é uma pessoa ansiosa, a terapia cognitivo-comportamental pode ser útil”, diz Hamilton. “É bom ter com quem conversar, diferenciar sentimentos de problemas que você pode resolver ou imaginar o pior cenário.”
  2. ESTAR ATENTO. “Pare e observe quando você sentir ciúmes, sem julgamento”, diz Hamilton. “Pergunte o que desencadeou esses sentimentos. Eles decorrem da ansiedade? Perfeccionismo? Depressão? Essa curiosidade por si só será muito construtiva. Nomear as coisas dá a você controle cognitivo sobre elas.”
  3. DEIXE DE COMPARAÇÃO. “Tenho clientes que entram na aula e imediatamente comparam como se comparam com todos os outros dançarinos”, diz Hamilton. “Você sempre encontrará alguém que pode fazer algo que você não pode. Se preocupar com isso não vai fazer você se sentir melhor. Em vez disso, vá para a aula com objetivos nos quais você gostaria de trabalhar todos os dias, como musicalidade ou fraseado. Concentre-se nesses objetivos, em vez de em todos os outros. Se assistir a outros dançarinos continuar a agitá-lo, tire suas lentes de contato ou olhe para longe do espelho.”



By admin