Thu. Sep 29th, 2022


Ver seus dançarinos subirem ao palco na competição é o culminar de inúmeras horas de dedicação – tudo na esperança de que os juízes reconheçam (e recompensem!) seus esforços. Mas quando seus bailarinos se apresentarem com a mesma angústia angustiada de Olivia Rodrigo que os jurados já ouviram quatro vezes naquele dia, o resultado pode ser predeterminado pela primeira nota.

“A música é nossa primeira impressão, e muitas vezes nossa última impressão, de uma peça, o que é crítico”, explica a jurada do Celebration Talent, April Henehan. Henehan e dois professores premiados da equipe de competição oferecem suas dicas sobre como escolher músicas que impressionarão os jurados e inspirarão sua arte.

Tiffany Oscher Burnette procura uma música única que se destaque. Foto de Tori Wegner, cortesia de Oscher Burnette.

No buraco do coelho

“Quando todos os professores procuram música nos mesmos lugares, isso cria esse ciclo para nós juízes, ouvindo as mesmas músicas em todas as cidades”, diz Henehan. Enquanto os números de outros estúdios são uma grande fonte de inspiração para Tiffany Oscher Burnette, que lidera a equipe de competição na Brandon School of Dance Arts em Seffner e Tampa, Flórida, com sua mãe, Teresa Oscher, ela diz que eles procuram algo único. Maggie Larkin, diretora da equipe de competição do Studio Bleu em Ashburn, Virgínia, concorda. “Uma das minhas professoras ouviu uma música que ela amava, mas foi claramente usada em demasia”, diz Larkin, “então ela criou uma estação no Spotify para encontrar opções semelhantes, mas mais escondidas”.

Tente usar um remix ou uma versão instrumental de uma música popular, ou adicione um toque coreográfico inesperado. “Estou usando ‘Get Ur Freak On’ de Missy Elliott para uma peça contemporânea estranha e assustadora”, diz Oscher Burnette. “É divertido para o público ficar empolgado com a música, mas depois vê-la incorporada de uma maneira completamente diferente.” E pense duas vezes antes de escolher músicas que ganharam força nos palcos profissionais ou na TV. “É muito difícil assistir a um grupo recreativo e não compará-lo com a companhia profissional ou programa que está associado a essa música”, diz Henehan.

Mostre os pontos fortes de seus alunos

Mesmo a música mais criativa vai cair por terra se não for adequada para seus dançarinos. “Você nunca quer uma música mais poderosa ou dinâmica do que o movimento”, diz Oscher Burnette. Quando se trata de conjuntos, no entanto, ela opta por músicas de alta energia. “Para mim, um número de grupo tem que construir empolgação e ter um arco do início ao fim”, diz ela.

Dito isso, se você estiver em uma música que é especialmente complexa, gaste um tempo extra aprimorando a musicalidade de seus dançarinos. “Nossos juniores estão dançando uma música contemporânea que é contada em seis”, explica Larkin. “Enviei a música para os pais deles e instruí as crianças a ouvi-la até que a conheçam de dentro para fora.”

Mantenha-o apropriado

Não há nada pior do que um painel de jurados se encolhendo com uma música que eles consideram inapropriada. “Em vez de dar correções e feedback, estamos nos perguntando se um palavrão será emitido”, diz Henehan. Considere também a adequação emocional. “Eu me pergunto se dançarinos mais jovens realmente passaram o suficiente para incorporar as emoções por trás de certas músicas”, diz Henehan. “Para mim, feliz sempre vende. Eu amo quando os professores de dança realmente deixam as crianças serem crianças no palco.”

Mantenha-se fiel a você Em última análise, as competições são subjetivas, e um juiz pode amar uma seleção de música tanto quanto o próximo não gosta dela. Então, o melhor conselho é ir com seu intestino. “Eu sei que não seria capaz de fazer o meu melhor trabalho para uma música que não me inspira 100%, e espero ter conquistado a confiança dos meus dançarinos para me permitir tomar essas decisões”, diz Oscher Burnette. Henehan concorda: “Ganhar é bom, mas é importante que os professores continuem satisfazendo sua própria arte. Isso pode significar escolher uma música que fale com você, e não apenas com a partitura.”

By admin