Fri. Jan 28th, 2022



Os dançarinos passam a maior parte de seus anos de treinamento aperfeiçoando a mecânica da forma de arte – rolando pelos pés quando descem de cada relevé e rastreando os joelhos sobre os dedos dos pés em cada plié. Então, quando os dançarinos progridem nos programas de dança da faculdade e muitas correções mudam de habilidade técnica para orientação mais individual e artística, alguns têm dificuldade. O desenvolvimento da arte pode parecer um conceito nebuloso porque parece e é diferente para cada dançarino. “Arte é a experiência vivida que você traz para o movimento”, diz Garfield Lemonius, cadeira de dança na Point Park University. Com a abordagem certa, os alunos podem capitalizar a estrutura de apoio de estar em um programa universitário para mergulhar em quem eles são como artistas – e aprender a aplicá-la ao seu movimento.


Roadblocks artísticos

Supere esses três obstáculos comuns para os alunos:

1 Ficar preso à técnica. Pode ser fácil ficar atolado pela precisão exigida dos dançarinos, mas isso geralmente pode se traduzir em movimentos robóticos rígidos. Esteja você tendo suas aulas semanais de modernidade ou se apresentando em seu showcase sênior, esforce-se para pensar sobre o que é inspirador e informar cada movimento. Mude o seu foco da busca pela perfeição para a busca pela individualidade.

2 Forçando expressões faciais. “Já se foram os dias em que, para mostrar um trauma ou dor, você franzia a testa”, diz Lemonius. Evite a tentação de expressar emoções apenas através do rosto. Em vez disso, pense em como essa emoção é sentida em cada parte do seu corpo – dos ombros aos pés – e como você pode transmitir isso ao público.

3. Constantemente comparando. A arte trata de experiências pessoais que moldam o seu movimento e, como as vidas de cada pessoa são diferentes, a arte será diferente de um dançarino para outro. Em vez de tentar reproduzir o que você vê os outros fazendo, volte seu foco para dentro. Observe seus dançarinos favoritos para se inspirar,

Encontre o seu artista interior

A faculdade oferece muitas oportunidades para desenvolver o que o torna único no palco.

Faça aulas fora da sua área de concentração: Inscreva-se em cursos acadêmicos não relacionados à dança que despertem seu interesse, sugere Lemonius. Quer se trate de negócios, artes interdisciplinares, história ou espanhol, as aulas externas podem ajudar os dançarinos a se tornarem pensadores críticos e desenvolver uma compreensão mais profunda do mundo ao seu redor.

Invista em improvisação: Se você sentir que está apenas seguindo os movimentos, vá fundo nas aulas de improvisação. Essa prática faz com que os dançarinos se movam com base em como se sentem e reagem aos estímulos, o que pode se traduzir em interpretações mais individuais do repertório coreografado.

Consuma todos os tipos de arte: Claro, os dançarinos devem assistir a uma ampla variedade de apresentações de dança, mas também é essencial experimentar outras formas de expressão cultural e artística, diz Jodie Gates, diretora fundadora da Escola de Dança Glorya Kaufman da USC. Observe a arquitetura, examine museus, assista a shows de comédia stand-up – e considere como várias abordagens afetam sua reação emocional. Estude como os atores personificam seus personagens. Leia romances para entrar em experiências de vida diferentes das suas.

Passe algum tempo na natureza: “Alguns dos fenômenos mais mágicos e artísticos ocorrem ao nosso redor todos os dias”, diz Gates. “Observe as ondas rolarem. Como é isso?” A natureza pode inspirar seu movimento e despertar ideias coreográficas.

Estude no exterior: Mergulhar em outra cultura é uma excelente maneira de ampliar sua visão de mundo. Mesmo que você não possa fazer um semestre de estudos no exterior, entre em um clube de idiomas ou participe de eventos multiculturais no campus.

Peça feedback: Converse com membros do corpo docente e colegas sobre como eles pensam em você como dançarino. Experimente abraçar essas qualidades e desafiá-las.

Estou melhorando?

Como a arte é subjetiva, pode ser difícil avaliar seu progresso. A tutoria é vital, e Gates também sugere que, se você se sentir confortável com isso, você pode gravar a si mesmo no ensaio e durante seu processo criativo, para que possa revisá-lo mais tarde. Com o tempo, você pode ver como as nuances em seu movimento, musicalidade e expressões mudam (ou não).



By admin