Tue. May 24th, 2022


No ano passado, o público de Excuse The Art (ETA) estava do lado de fora olhando para dentro. Por protocolo de pandemia, o público espiou através das enormes janelas do The Windmill Arts Center para o espaço do estúdio de caixa branca para testemunhar a série de trabalhos em andamento de Fly on a Wall. Este ano, os participantes mascarados são convidados a entrar no aquário de 7 a 10 de abril para quatro dias de dança no teatro caixa preta do Art Center.

A filosofia do Windmill Arts Center é construída em torno da criação de “um espaço para todos”. O Centro recebe regularmente aulas experimentais e experienciais, performances e eventos durante todo o ano. A série ETA, liderada pela plataforma de artes Fly on a Wall, se reunirá pelo terceiro ano para fornecer espaço para vozes emergentes na dança.

Os participantes foram selecionados por um painel de artistas e educadores contemporâneos e serão apresentados em dois programas alternados de quinta a domingo. Temas comuns explorados este ano incluem afrofuturismo, ambientalismo e trabalhos solo que visam desconstruir a identidade.

“Human Nature” de Kaela Kristina de “Excuse the Art” 2021 (Foto de Christina J Massad)

Artista Olivia Rae Bryant vai mostrar seu trabalho Conjuntura na quinta e sábado à noite. Conjuntura explora histórias de amadurecimento, incluindo sua própria como uma mulher negra e queer nascida e criada no sul. Ela integra a arte visual e seu processo inclui pintura, desenho, reflexões escritas e brincadeiras, além de se conectar com pessoas queer e artistas de cor.

Conjuntura é um trabalho em andamento com a intenção de apresentar um trabalho ‘acabado’ mais tarde, então eu me pergunto o que o público anseia por mais”, diz Bryant, que recebe todas as reações de riso incontrolável a tristeza iminente. “Eu adoraria saber sobre o que eles estão curiosos e o que, se houver, Conjuntura pode inspirá-los a criar em suas respectivas modalidades”.

Os corógrafos deste ano também incluem Sam Ross, Candace Tabbs, Darvensky Louis do SequenceOne e Christina J. Massad do Fly on a Wall (todos se apresentando na quinta e no sábado). Lucy Smith da Medicine Art House, Danielle Swatzie, Frankie Consent, Indya Childs e Emily Christianson se apresentam sexta e domingo.

Durante os ensaios, Christianson trabalhou principalmente sozinha no espaço, manipulando plásticos e materiais como forma de comentar sobre suas preocupações ambientais.

“No meu solo Casa de ida Estou explorando a memória, o luto, a perda e a mortalidade através das lentes de um ser humano solitário que existe em uma paisagem futura imaginada e cheia de plástico”, diz Christianson. “A peça tem tantas camadas.” Ela diz que está ansiosa para obter feedback do público e trabalhar mais na peça após as apresentações de Excuse the Art.

Os membros do público desempenham um papel crítico durante as apresentações da ETA. O cofundador da Fly on a Wall, Sean Nguyen-Hilton, diz que a plataforma se esforça para criar espaços onde os artistas possam desenvolver seu trabalho através do olhar do público e solicitar feedback. Ajuda os artistas a continuar crescendo e desenvolvendo seus trabalhos em andamento.

Fly on a Wall coleta perguntas de cada artista e as compila em uma pesquisa que o público é incentivado a concluir após a apresentação. As pesquisas estão disponíveis por meio de códigos QR colocados no saguão do Windmill Arts Center. Os membros do público também são convidados a permanecer após a apresentação para falar com os artistas.

Smith foi grato pela comunidade fornecida pelo Fly on a Wall durante todo esse processo. “A ETA mudou e curou minha perspectiva sobre fazer arte, ser artista e estar em comunidade”, diz ela. “Por causa do apoio e dos recursos que eles fornecem, posso me inclinar um pouco mais para o desconhecido, para o que não sei um pouco mais, para o que me assusta, e me sinto preso ao fazê-lo.”

Nguyen-Hilton está empolgado com a terceira iteração da série, pois volta ao formato pretendido, dentro do Arts Center. “Parece tão fresco”, diz ele. “Este grupo é fantástico com muitas ideias realmente fortes. Nossa missão cresceu a partir do desejo de apoiar não apenas nosso próprio trabalho, mas também aqueles ao nosso redor. Construímos contêineres e depois dizemos: ‘ei, o que você gostaria de colocar nele?’”

::

Amanda Sieradzki (MFA) é jornalista artística, educadora de dança e diretora artística da companhia de dança Poetica. Ela leciona no corpo docente da Universidade de Tampa e da Universidade do Sul da Flórida, e escreve para Jornal da Costa Artística de Creative Pinellas, a Tallahassee Council on Culture & Arts, DIYdancer Magazine e ArtsATL.



By admin