As companhias de balé em Toronto, Nova York e São Francisco estão passando por uma mudança, já que Hope Muir, Susan Jaffe e Tamara Rojo assumem as rédeas do National Ballet of Canada, American Ballet Theatre e San Francisco Ballet. À medida que três célebres diretores de longa data deixam essas empresas, a entrada de mulheres está provando que as diretoras estão assumindo uma posição firme em um terreno profissional que tradicionalmente favorece os homens.

Balé Nacional do Canadá

Entrando: Hope Muir

“Se você perguntar a qualquer coreógrafo ou amigo que conheço há anos, todos dizem que quero ser diretor artístico desde os 5 anos de idade”, diz Hope Muir, natural de Toronto, 51 anos. começou seu mandato como diretora artística do NBoC em janeiro de 2022. Mesmo depois de cinco anos como diretora artística do Charlotte Ballet e dois anos como diretora artística assistente do Scottish Ballet, Muir nutria dúvidas durante suas entrevistas no Zoom para o papel no NBoC . “Acho que, como muitas mulheres que trabalham com dança neste nível, existe um pouco da síndrome do impostor – você não consegue acreditar quando isso acontece com você”, diz ela. “Mas aprendi a realmente confiar na minha experiência e no trabalho que dedico ao fazer este trabalho.”

Muir absorveu as habilidades de direção daqueles com quem trabalhou: “tenacidade e espírito pioneiro” de Peter Schaufuss no English National Ballet; a liderança, criatividade e abracadabra curatorial de Christopher Bruce em Rambert; e Christopher Hampson no Balé Escocês, que a ensinou “sobre as porcas e parafusos do trabalho”.

mulher loira sentada em uma mesa vestindo uma camisa branca de botão
Esperança Muir. Foto de Christopher Wahl, Cortesia NBoC.

Muir vê a NBoC como uma companhia híbrida que equilibra trabalhos clássicos e contemporâneos que refletem sua eclética carreira de dança. Nos coreógrafos contemporâneos procura vozes diversas, distintas e com uma “clareza de linguagem coreográfica”, semelhantes aos que contratou: David Dawson, Rena Butler e Alonzo King. Ela planeja continuar relacionamentos de longa data com os coreógrafos Helen Pickett, Christian Spuck, Crystal Pite e Dawson e promover jovens talentos canadenses, como Ethan Colangelo e Emma Portner, e os Choreographic Associates da empresa.

Reconhecendo os clássicos como essenciais para o legado da empresa, Muir sente a responsabilidade de encenar versões originais tradicionais e não convencionais. Alcançar novas comunidades é vital, assim como contar novas histórias, conectar-se digitalmente com os mais jovens e continuar o envolvimento online. Muir é atraído por dançarinos com musicalidade e diversidade estilística, aqueles que são “corajosos em se mostrar no palco”.

A pandemia cobrou seu preço, mas Muir está reconstruindo o NBoC contratando 15 novos dançarinos de balé e sete músicos. “Precisamos voltar ao nosso peso de luta”, diz ela.

Dirigir NBoC, diz ela, é “um trabalho dos sonhos. Todo mundo me pergunta como está indo – eu adoro, adoro vir trabalhar todos os dias, adoro meus dançarinos. Este é simplesmente o melhor trabalho do mundo. Eu não poderia estar mais feliz.”

Saída: Karen Kain

Tornou-se diretora artística do NBoC em 2005 e deixou o cargo em 2021. Kain começou sua carreira de dança no NBoC em 1969 e se aposentou em 1997.

mulher com cabelo curto usando um vestido preto em pé na frente de grandes janelas
Karen Kai. Foto de Karolina Kuras, Cortesia NBoC.

Realizações mais orgulhosas: Retornar a companhia ao cenário internacional, trabalhando com os melhores coreógrafos canadenses e internacionais e atraindo dançarinos de primeira linha.

Aspecto mais desafiador do trabalho: “Com tanto tempo consumido em arrecadação de fundos e planejamento, há menos oportunidades de estar no estúdio”, diz Kain. “Você deve equilibrar o que deseja fazer artisticamente com a realidade das pressões financeiras.” Embora a pandemia tenha atrasado sua aposentadoria, o NBoC apresentou sua primeira temporada digital e continuou a pagar os dançarinos e a equipe com o apoio de doadores e do governo canadense.

Arrependimentos: Nenhum.

Sobre Hope Muir como a nova diretora: “Eu não poderia estar entregando as rédeas a um líder mais talentoso e capaz”, diz Kain. “Estou animado para ver as novas vozes coreográficas sendo apresentadas à empresa.”

American Ballet Theatre

Entrando: Susan Jaffe

mulher com cabelo castanho curto vestindo todo preto enquanto está sentada em um banquinho
Susana Jaffe. Foto de Jordan Bellotti, Cortesia ABT.

“Adoro esta empresa”, diz Susan Jaffe, da ABT. “É realmente a minha casa e estive lá por metade da minha vida.” Jaffe tem experiência em muitas facetas da companhia: ela dançou lá por 22 anos, 19 como dançarina principal, depois atuou como conselheira do conselho, lecionou na Escola Jacqueline Kennedy Onassis da ABT e trabalhou como diretora de repertório por dois anos. Jaffe foi reitora de dança na University of North Carolina School of the Arts até 2020, quando foi recrutada como diretora artística do Pittsburgh Ballet Theatre.

Aos 60 anos, Jaffe está confiante em seu currículo. Na UNCSA, ela diz, “tive que aprender muito sobre administração, negócios, captação de recursos e estratégia. Isso expandiu minha mente sobre o que realmente significa ser uma organização artística. Trouxe essas habilidades comigo para o PBT.”

O que ela mais ama na ABT – e por que ela quer dirigir a empresa – são os balés de histórias, que roubaram seu coração ainda jovem. “Nós da ABT temos a capacidade todos os anos de contar essas grandes histórias”, diz ela. “É para onde você vai quando quer ser levado por uma história, onde você sentirá muita emoção.” Jaffe também diz que gosta de correr riscos na curadoria de repertório, encomendar trabalhos de mais mulheres e artistas de cor e contar novas histórias por meio do vocabulário do balé contemporâneo. Ela menciona o recente álbum Of, de Alexei Ratmansky. amor e raiva e Christopher Wheeldon Como água para chocolate, fazendo sua estreia norte-americana no ABT em 2023, como exemplos de balés com novas narrativas que a emocionam. Jaffe quer preservar os clássicos, mas diz “tem alguns que eu gostaria de dar uma repaginada, dar uma repaginada”, além de abordar a apropriação indébita cultural em balés como La Bayadère.

Um foco na educação do público, oportunidades de atuação e mídia digital pode contar como as saídas mais significativas de Jaffe da direção atual da ABT. “Os programas digitais são um lugar para pessoas que nunca viram o ABT”, diz ela. “Estou animado para fazer histórias mais curtas ou balés especificamente para o cinema.”

Mais turnês, particularmente trazendo a ABT Studio Company para as universidades, educariam novos públicos, por meio de palestras e residências. “A Studio Company e a empresa principal podem trabalhar juntas enquanto visitamos uma cidade”, diz ela. “Teríamos uma presença maior e mais longa.” Jaffe também prevê mais programas de repertório com obras inovadoras em locais menores, como The Joyce Theatre e teatros universitários. “Seria um bom lugar para ficar um pouco mais experimental do que em uma temporada do Met”, diz ela.

E os dançarinos? Jaffe deseja artistas emocionantes e grandes movimentos, tecnicamente sólidos, limpos, fortes e coordenados, e confortáveis ​​dançando balés clássicos e contemporâneos com “absoluta precisão, profundidade e musicalidade”, diz ela. “Mas, além disso, eles têm que ser artistas.” Resumindo, combine o melhor de tudo – assim como Jaffe fez.

Saída: Kevin McKenzie

Deixando a ABT em 31 de dezembro de 2022, após 30 anos como diretor artístico e 12 anos como bailarino principal.

um grande grupo de dançarinos se abraçando
Kevin McKenzie com dançarinos ABT. Foto de Fabrizio Ferri, Cortesia ABT.

Realizações mais orgulhosas: Garantir Ratmansky como artista residente em 2009; supervisionar a criação da Escola ABT JKO com currículo adequado ao repertório da companhia; potencializando a proficiência técnica e o nível artístico dos bailarinos.

Desafio mais difícil: Lutando com alguns diretores executivos para não reduzir o tamanho da empresa ou das produções para economizar dinheiro.

Arrependimentos: “Gostaria que tivéssemos uma presença nos cinemas de todo o mundo em números muito maiores”, diz McKenzie. “Isso para mim é uma decepção.”

Sobre Susan Jaffe como a nova diretora artística: “Você tem alguém que teve uma carreira importante como performer, é um ótimo professor e treinador, tem experiência na academia e no mundo do balé, coreografou e estabeleceu relacionamentos com coreógrafos”, disse McKenzie O jornal New York Times. “Ela trabalhou com três diretores no Ballet Theatre. Parece a continuação orgânica de uma linha.”

San Francisco Ballet

Entrando: Tamara Rojo

mulher de cabelo escuro vestindo um casaco verde fora
Tâmara Rojo. Foto de Chris Hardy, Cortesia SFB.

Em outubro, Tamara Rojo se despediu de sua carreira de dançarina no Akram Khan’s Gisele com o English National Ballet no Théâtre des Champs-Elysées em Paris. Em 1º de dezembro, ela abandona o cargo de diretora artística da ENB e, 11 dias depois, assume o cargo de diretora artística do San Francisco Ballet. Durante o verão e o outono, ela conduziu reuniões presenciais e por vídeo com dançarinos e funcionários do SFB.

“Consegui mais do que imaginei que poderia”, diz Rojo, de 48 anos, sobre sua década dirigindo ENB. “Quando surgiu a oportunidade do SFB, percebi que nossa missão era muito semelhante – levar a dança da mais alta qualidade possível ao maior público possível. Helgi sempre contratou tantos novos coreógrafos, e senti que era uma oportunidade muito emocionante seguir seus passos.”

Rojo fixou seu foco, como fez na ENB, em adquirir as obras de coreógrafas como Aszure Barton, Annabelle Lopez Ochoa e Arielle Smith (Crystal Pite está em sua lista de desejos), além de receber mestres como William Forsythe e Khan e coreógrafos americanos jovens e promissores.

Montar balés clássicos completos requer um investimento substancial, e Rojo prefere uma abordagem híbrida. “Às vezes você precisa equilibrar se quer refazer algo que já existe e todo mundo sabe”, diz Rojo, “ou quer investir esses recursos em novas histórias, novos coreógrafos, novas partituras encomendadas?” Ela encontrou inspiração na abordagem muitas vezes não convencional da cena teatral do Reino Unido aos clássicos, permitindo que Shakespeare falasse com as novas gerações; repensar quais histórias são contadas e o que as pessoas no palco representam como empresa; e alcançando diversas comunidades.

Na ENB, Rojo adquiriu o estilo corajoso e primitivo de Pina Bausch. ritual de Primavera e gostaria de fazer trabalhos igualmente ousados ​​no SFB. “Acho que ela é uma coreógrafa extraordinária que não é apresentada com muita frequência na América”, diz Rojo. “Há muito trabalho de base a fazer ao trabalhar com coreógrafos para que a companhia entenda uma linguagem contemporânea mais europeia.”

Além do marido, Isaac Hernández, que está voltando para o SFB, ela vai importar bailarinos da ENB? “Não, estou indo para San Francisco para dirigir o SFB”, afirma ela. Ela também não vai dançar com a companhia.

Rojo incentiva a colaboração com sua equipe artística. “Demora um pouco para se conhecer e confiar, mas é algo que gostaria de desenvolver com a equipe do SFB. Não acredito que apenas uma pessoa tenha todas as respostas”, diz ela. “Estou ansioso para conhecer a organização e começar devagar para que, quando corrermos, possamos correr juntos.”

Saída: Helgi Tomasson

Começou como diretor artístico do SFB em 1985, após 15 anos como bailarino principal do New York City Ballet. Aposentou-se como diretor artístico e coreógrafo principal em maio de 2022.

homem sentado no chão de um palco vestindo todo preto
Helgi Tomasson. Foto de Erik Tomasson, Cortesia SFB.

Realizações mais orgulhosas: Transformando o SFB de uma boa trupe regional em uma companhia de classe mundial, viajando para Nova York, Paris, Tóquio e Londres para mostrar excelentes dançarinos e repertório.

Onde aprendeu a dirigir: “No NYCB, vi como o Sr. B fazia as coisas. Isso afunda”, diz Tomasson. “Aprendi no trabalho o que é lógico e o que funciona, e a confiar na sua visão artística. De Robert Joffrey, tive uma curiosidade sobre o que era possível no balé, trazendo coreógrafos da comunidade da dança moderna.”

Arrependimentos: “Eu senti como se tivesse realizado tudo o que me propus a fazer, mais do que jamais sonhei”, diz ele. “Mas eu gostaria de ter coreografado um balé original completo com um novo tema.”

Sobre a diretora artística Tamara Rojo; “Ela se saiu muito bem com a ENB. Trouxe coreógrafos que valorizaram a companhia e a dança. Não tenho dúvidas de que ela continuará nessa linha. Ela é uma pessoa muito esperta e inteligente e eu realmente acho que ela se sairá bem.”

By admin