Sat. May 21st, 2022


A peça em si foi apresentada em sua maior parte por atores que interpretavam locutores de notícias, a maioria deles espaçados de um metro e oitenta. Quando não estavam se apresentando, eles se retiravam do palco para bancos onde esperavam sua vez. Reportagens e narrativas de mídia social foram interrompidas por cenas e monólogos originais. Não mais do que dois atores atuavam um contra o outro em um determinado momento, e havia apenas duas dessas cenas. As luzes saltavam de alto-falante para alto-falante, mudando a atenção e a perspectiva de um momento para outro. Os interlúdios musicais separavam as cenas, e as cenas eram elaboradas de acordo com a progressão da pandemia.

De volta a mim na platéia: desta vez estou assistindo a uma apresentação pública, uma semana inteira depois de ter assistido aquele ensaio pela primeira vez e ter sido atingido por aquele momento de antecipação, aquele momento de magia teatral em que tudo pode acontecer. Qualquer coisa está acontecendo agora. estou assistindo Autoridade competente, que está começando com uma série de reportagens: o anúncio do primeiro caso confirmado de COVID no país, o estabelecimento de ordens de emergência, a instituição do toque de recolher, os estragos do bloqueio.

Eu ouço histórias verdadeiras, histórias retiradas do Facebook e de outros sites, transcritas de videoclipes e reproduzidas na íntegra. Por meio deles, o diretor artístico da Ringplay, Philip A. Burrows, reconstrói a linha do tempo de como lidamos com a crise do COVID. As histórias vão além do painel diário de doenças, hospitalizações e mortes. Ele escolheu contos que têm o que os editores chamam interesse humano. Inspirado em parte por Tina Satter’s Este é um quarto, que ele viu em Nova York, ele inseriu momentos que foram de parar o coração por conta própria, como a sequência de status do Facebook descrevendo a dor e a raiva de uma filha enlutada. E quando não conseguia encontrar as histórias de que precisava, ele as escrevia: trocas curtas, algumas sombrias, outras ironicamente engraçadas.

Estes são apresentados por atores iluminados por fortes luzes brancas no teto, de modo que seus rostos são austeros; parcialmente iluminado, parcialmente na sombra. O claro-escuro de sua apresentação é paralelo à própria pandemia: a escuridão, o absurdo e as mortes ao lado da leveza de certos momentos e da bondade de outros. Quando a ação se move para uma narrativa real – em momentos de monólogo ou diálogo – ela se move no centro do palco para uma luz mais suave e humana; uma lavagem mais dourada que permite que a pessoa inteira seja vista. Há um ritmo de produção que funciona como um pêndulo balançando, primeiro para cá, depois para aquele, que nos remete às oscilações da própria pandemia e à forma como lidamos com ela.

É um programa difícil de assistir. O público – que pode ter sido atraído pelo título tanto quanto pela ideia de que, finalmente, Afinal, eles poderiam voltar para ver teatro – tem que trabalhar para absorver tudo. As reportagens passam rapidamente, entregando fatos e números que não caem facilmente sobre os observadores. Algumas das cenas são chocantes em sua rigidez – como a história do jovem que foi preso por vender cocos para alimentar sua família ou a história da mulher cuja mãe pegou COVID e morreu após ser internada no hospital para tratamento de emergência. Outras cenas dão grandes saltos para fazer conexões, como a peça sobre a prática holandesa de abraçar vacas. E Erin Knowles-McKinney, a diretora, não forneceu nenhuma proteção contra esses momentos. O elenco foi orientado a entregá-los sem espaço para alívio.

Autoridade competente foi concebido para documentar a pandemia desde o momento em que os bahamenses notaram sua chegada até o dia da apresentação. Não era mais uma sátira ou uma farsa, mas um docudrama.

Algumas pessoas se perdem. Alguns adormecem. E alguns sub-repticiamente olham para seus telefones. Mas o que me surpreende é o quanto o público não faz nenhuma dessas coisas – como o boca a boca se espalha, e as casas vão de dezesseis reservas na segunda-feira à noite para uma apresentação esgotada de sessenta lugares no sábado. Algumas pessoas voltam várias vezes — uma pessoa três vezes, talvez quatro, e outras duas ou três vezes. O show está atingindo um nervo.

Há uma coisa sobre teatro nas Bahamas. Não temos indústria. Trabalhamos de graça, por comida, por stout, por estipêndios. Por amor.

Porque nós precisamos.

Porque há algo dentro de nós que nos faz voltar uma e outra vez, depois dos furacões e da pandemia em declínio, a um palco que existe apenas pela força da vontade de algumas pessoas. A um teatro que ocupa um prédio que foi confiado “para o povo das Bahamas”, mas que foi estabelecido expressamente para treinar esse povo das Bahamas como ser o melhor funcionários que um europeu poderia desejar.

Não temos indústria, mas o teatro é feito de qualquer maneira.

Não temos indústria, estou convencido, porque os legados triplos de genocídio, escravização e domínio colonial, juntamente com as peculiaridades de nossa própria iteração britânico-bahamense de domínio da minoria branca – uma mistura de apartheid e Jim Crow sem o evidência de legislação específica – determinou que a maioria de nós não é realmente humana de qualquer maneira, e o teatro é um empreendimento terrivelmente humanizador.

Pode-se dizer que a Ringplay Productions tem sorte. Habitamos uma bela propriedade. Administramos um prédio colonial que – sendo robusto como uma prisão e mais alto que o tribunal – era um teatro melhor do que o centro cívico (leia-se: treinamento) para o qual foi construído. Mas praticamente o único dinheiro que temos para gerenciá-lo vem do dinheiro que nossas produções teatrais arrecadam. O bloqueio – os dezoito a vinte meses completos dele – “quase nos matou”, como um dos palestrantes em Autoridade competente diz. Para estar realizando novamente e estar realizando em nossos prédios– não importa que os cupins tenham se apoderado durante o bloqueio e os ratos tenham retornado – é um pequeno triunfo por si só.

E entao: Autoridade competente. É a nossa crítica à pandemia que quase nos matou. É a nossa própria canção de nós mesmos.



By admin