Sat. May 28th, 2022


Todd: Direito. Há uma história local também com Oxford, Ohio, com a universidade lá, de que você os está ajudando a entender seu lugar naquele exato momento, enquanto o mundo do norte está pensando: “Talvez se os brancos forem lá e participarem, isso chamará a atenção de uma forma que ninguém prestou atenção nos últimos nove anos ou nos últimos noventa anos.” Então a América branca acordando para o fato de que há consequências reais disso.

Mais alguma coisa sobre a escrita? Alguma coisa que você aprendeu nesse processo com os alunos de 2008 enquanto fazia isso?

Carlyle: Bem, a história estava realmente ali. Estava lá por experiência própria. Eu estava tentando amplificar esses eventos. O que ajudou foi o que eu sabia sobre a extensão da história afro-americana e meu próprio envolvimento nisso. Quando a parte da história que acabei de contar foi esclarecida para mim, eu disse: “Oh meu Deus”. Naquela sala onde eles decidiram se vamos ou não, a pessoa mais velha naquela sala tinha talvez vinte e cinco anos.

Todd: Certo, o membro sênior.

Carlyle: O membro mais velho, o mais velho naquela sala, provavelmente tinha vinte e cinco anos. Eles estão indo para a faculdade, e eles são basicamente crianças. Se eles não estivessem fazendo isso, eles estariam tentando descobrir com quem eles vão foder, ou onde eles vão sair.

São crianças ingênuas e sem noção que, tanto negras quanto brancas, provavelmente nunca tiveram nenhuma interação significativa umas com as outras. E então eles vão compartilhar essa coisa, essa coisa catastrófica extremamente perigosa. Você vai, “Uau”. Há muito suco lá e mais que você não pode realmente dizer.

Há um livro, que foi muito importante para mim, chamado Letters From Mississippi. São cartas que principalmente as crianças brancas escreviam para seus pais.

Todd: Eu vi alguns desses. Uau. Você estava lendo isso na época em que estava escrevendo a peça?

Carlyle: Sim claro.

Todd: Mas isso levanta uma questão realmente interessante. Você captura essa experiência bem no topo da peça com este treinamento simulado, com John atuando ou interpretando o papel de um caipira assassino para Jimmy. Nós não sabemos a princípio que eles estão interpretando.

Todd: Mas realmente me impressionou pensar nesta peça desta vez que dois dos três personagens são brancos, espelhando Chaney, Schwerner e Goodman. Há uma maneira em que se lê, pelo menos para mim como um homem branco, como uma peça de aprendizagem. Jimmy está em uma jornada que o levará à morte, mas esses dois personagens brancos aprendem literalmente sobre seu cadáver. Ellen decide ir por um caminho, e John decide ir por outro.

Esse contexto de estar naquela escola, a faculdade feminina de Miami, era algo para o qual você estava tentando atrair os alunos brancos?

Carlyle: Foi muito mais prático em termos de moldar uma jogada diante desse evento catastrófico porque a faculdade feminina agora está englobada na Miami University of Ohio, que fica em Oxford, Ohio, um lugar muito conservador. Eu não diria que é uma escola da Ivy League, mas é uma escola muito branca.

O departamento de teatro e o Centro de Culturas Americanas e Mundiais, sendo muito progressistas, queriam fazer isso. Eles até tiveram reuniões, que foram muito interessantes, dos voluntários e dos trabalhadores do SNCC a partir daquele momento. Eles queriam fazer essa peça sobre isso.

Trabalhei um pouco no mundo dos museus. Toda essa ideia de construir histórias no espaço com objetos que tenham significado para nós em termos de eventos históricos. Eles queriam que eu ficasse lá um semestre e fizesse isso com dois professores para criar uma exposição. A coisa toda foi muito ativa e olhou para aquela história, que eles abraçaram.

Mas a realidade do meio ambiente é que não há muita equidade. Não é realmente integrado. Resumindo, não havia nenhum estudante negro que estaria nessa peça. Eles não tinham nenhum aluno negro lá em sua classe.

Todd: Você teve que jogar Jimmy?

A história estava realmente ali. Estava lá por experiência própria. Eu estava tentando amplificar esses eventos.

Carlyle: Sim, eu interpretei Jimmy. Certo, sim. Apenas a noção de ter três personagens era uma maneira de lidar, o que era realmente uma falta de equidade, por qualquer motivo em—

Todd: Sim-

Carlyle: Mas isso estava disponível. Poderia ter sido povoado de negros… Não sei qual era o meu pensamento na época. Talvez houvesse mais personagens negros com mais agência. Mas minha paleta eram essas três pessoas. Isso era algo que era uma proposta viável. Então, lendo aquelas cartas do Mississippi… Delineando o personagem de Jimmy: logo no primeiro monólogo, Jimmy diz o que ele quer ser. Ele quer ser como aquela garotinha. Ele quer ser capaz de dominar a si mesmo como pessoa. Agora, os brancos, John e Ellen, eles realmente não sabem no começo. Eles aprendem o que querem, mas começam sem ter a menor ideia. John tem alguma experiência, mas na verdade não tem tanta autoconsciência quanto gostaria.

Todd: Sim. É um pouco de role-playing para eles.

Carlyle: Bem, é diferente. Tive contato direto com Freedom Summer quando era estudante na NYU. Isso foi depois desse momento. Aqueles estudantes brancos que foram ao Mississippi, no final daquele ano, naquele novembro foi uma convenção democrática em Atlantic City. O que resultou daquele Freedom Summer não foi apenas que eles conseguiram que muitas pessoas se registrassem para votar, mas eles tinham um Partido Democrata da Liberdade do Mississippi Negro. Eles foram à convenção em Atlantic City e queriam ter assentos.

Todd: Junto com Fannie Lou Hamer, de quem você fala na peça também, certo? Ela está lá também.

Carlyle: Certo, aquele meeiro. Johnson, fosse o que fosse, ele não poderia ganhar a eleição sem os Dixiecrats. Eles fizeram um desses acordos políticos, que realmente destruíram todos esses jovens que arriscaram suas vidas fazendo essa coisa realmente idealista.

Claro que o povo negro ficou muito bravo, e a unidade multicultural daquele momento foi destruída naquela convenção. Os negros diziam: “Você não pode confiar nos brancos para nada. Foda-se eles. Até vocês que foram espancados e jogados na cadeia conosco, até vocês. Nós somos Black Power”.

Foi nessa convenção que nasceu o Black Power. Quando me transferi do estado de Kentucky e fui para a NYU-

Todd: Era Stokley Carmichael? Ele fazia parte daquela delegação de liberdade do Mississippi?

Carlyle: Sim. Stokley Carmichael e H. Rap ​​Brown. Eles eram SNCC. Toda essa estratégia política… antes de 64, eles já haviam feito um simulado de registro no Mississippi antes. Eles eram uma organização política sofisticada, então eles sabiam que podiam fazer isso. Mas registrar era o problema, entrar naquela porta do tribunal. Eles decidiram: “Bem, talvez eles não nos batam tanto se houver brancos lá embaixo conosco. Talvez as pessoas prestem atenção que essa indignação está acontecendo.”



By admin