Sat. Jun 25th, 2022


O Painel Consultivo de Equidade, Diversidade e Inclusão do Theatrefolk 2021–2022 compartilha seus pensamentos sobre pronomes.


“Cresci com uma mãe e duas irmãs. Havia muito poder feminino. Crescendo com isso eu me senti feminina. À medida que cresci e descobri sobre mim, às vezes no meu visual e na maneira como me apresento, são ‘eles’”. ~ Julie Z. (ela/eles)

O que são pronomes?

Eles agem como um substituto e muitas vezes uma forma abreviada de outros substantivos. Ao se referir a pessoas, eles são usados ​​em vez do nome de uma pessoa. Existem pronomes específicos de gênero (Ele/Ele e Ela/Ela) e existem pronomes não binários (Eles/Eles, Ze/Hir, Ve/Vir). Há também indivíduos que usam uma combinação de pronomes (Ela/Eles). Observação: Esta não é de forma alguma a lista completa de pronomes!

É uma suposição de que todos querem usar pronomes específicos de gênero. É uma suposição de que você pode adivinhar os pronomes de uma pessoa olhando para ela ou ouvindo seu nome, ou que apenas algumas pessoas escolhem seus pronomes.

Por que os pronomes são importantes?

Se alguém usa um pronome de gênero neutro, isso significa que provavelmente pensou muito sobre isso. Eles determinaram que quem eles são por dentro, sua identidade, não pode ser encapsulados por pronomes de gênero existentes. É uma medida de respeito por essa pessoa usar seus pronomes escolhidos, sejam eles quais forem. Existem muitos pronomes por aí, assim como existem muitas identidades diferentes por aí. Os pronomes são fluidos. Alguns mudam seus pronomes à medida que descobrem quem são; alguns mudam seus pronomes dependendo de com quem estão falando.

Devo perguntar: “Qual é o seu pessoal pronome?” ou “Qual é o seu preferido pronome?”

A melhor maneira de perguntar é “Que pronomes você usa?” ou “Que pronomes devo usar para você?”

Para alguns, os pronomes pessoais tendem a ser de gênero. Dizer “estes são meus pronomes preferidos” significa que esses são os pronomes que eles querem usar. Alguns usam pronomes “preferidos” porque “pessoal” faz parecer que eles são privados e não devem ser compartilhados.

Para alguns, “preferido” significa que há uma opção, ao contrário de “esses pronomes são os únicos que devem ser usados”. Para esse fim, eles preferem pronomes “pessoais”.

Devo perguntar a todos os seus pronomes?

Absolutamente. Mas, para ser claro, todos significam TODOS. Não destaque alunos que você supõe serem LGBTQ+ ou que você acha que teriam um pronome diferente. Nunca force alguém a compartilhar seus pronomes ou questione um aluno pelo que eles compartilham.

Normalize o ato de compartilhar pronomes em sua cultura de sala de aula. Torne comum identificar seus pronomes e tenha um procedimento para os alunos fazerem isso.

E se eu confundir alguém?

Tudo volta ao respeito. Se o seu objetivo é respeitar todos os seus alunos, faça o possível para usar os pronomes escolhidos. Fale mais devagar do que está acostumado. Pense no que você está dizendo. E se você cometer um erro de gênero, não faça a situação sobre você exagerando seu remorso ou fazendo um longo pedido de desculpas. Reconheça-o, corrija-se e siga em frente. Como é com tudo na vida, quanto mais você praticar, mais fácil se tornará. Leva tempo.

E se você vir alunos cometendo erros de gênero em sua sala de aula, considere táticas de responsabilidade. Você quer que os alunos se sintam seguros. Respeitar a identidade de uma pessoa é uma grande parte de garantir a segurança do aluno.

Como posso explicar a importância dos pronomes para alguém?

A inclusão é uma conversa importante. Então, por que é uma venda tão difícil? Por que é fácil para alguns falar sobre o apoio à inclusão, mas não usar os pronomes de um aluno ao falar sobre eles? Por que é difícil mudar o nome de um aluno na lista escolar para que um professor substituto não use o nome morto de alguém? Algumas pessoas são resistentes a questões de identidade de gênero e evitam tomar medidas que possam ajudar a fazer um aluno se sentir seguro e incluído.

Como você enquadra a importância dos pronomes para esses indivíduos? Aqui estão algumas sugestões:

  • Todo mundo quer que seus alunos tenham sucesso. Usar os pronomes escolhidos é propício ao sucesso dos alunos.
  • Se um colega enfatizar a importância da comunidade na sala de aula, diga que não usar os pronomes de um aluno demonstra que nem todos são bem-vindos em sua comunidade.
  • SEL (aprendizagem social e emocional) é um tema quente. Que melhor maneira de construir relacionamentos e mostrar consciência social do que estabelecer esses espaços inclusivos e seguros?
  • Enfatize que os pronomes fazem parte da identidade de um aluno. Identidade de gênero não é igual a sexo. As partes do corpo não são iguais à identidade.
  • Você tem um grupo ou clube para estudantes LGBTQ+? Faça com que os líderes estudantis entrem e conversem com sua equipe. É importante ouvir as perspectivas dos alunos e ver e ouvir como os alunos querem ser vistos e ouvidos.
  • Faça o argumento de apelido. Nós, como sociedade, não temos problemas quando os alunos (ou qualquer pessoa) querem ser chamados por um nome diferente do que está na lista da escola:
    • A lista diz “Allison”, mas a aluna quer ser chamada de Ally.
    • A lista diz “Amelia”, mas ela atende por Minnie.
    • A lista diz “Robert”, mas ninguém nunca o chamou de nada além de Bud.

Por que estamos bem com esses nomes – nomes que não são “oficiais” – mas não estamos bem com um nome ou pronome que eles pedem?

  • Demonstre como é. Diga ao seu colega homem: “Se eu a chamasse de senhorita Smith repetidamente, não importa quantas vezes você me corrigisse, como isso faria você se sentir?”
O que mais eu posso fazer?
  • Novamente, normalize falando sobre pronomes. Quanto mais acontecer, melhor.
  • Coloque seus pronomes em sua assinatura de e-mail e nome de perfil Zoom.
  • Se você usar crachás, use aqueles com um lugar para um pronome.
  • Faça algo para o Dia Internacional dos Pronomes (a data do próximo ano é 19 de outubro de 2022).
  • Esteja ciente se um aluno só quer que seus pronomes sejam usados ​​em ambientes específicos (como sua sala de aula).

Finalmente, é importante saber que existem muitos pronomes. E eles mudam. Não há razão para que as pessoas não possam escolher como desejam ser identificadas. Talvez você não entenda a escolha deles. Você não precisa. Mas cabe a você acolher, respeitar, ser aberto e ver a diferença que isso faz.

Isenção de responsabilidade: Verifique com sua administração e política distrital sobre qualquer coisa discutida neste artigo em relação a LGBTQ+ (LGBTQIA, LGBTQ2S), pois as leis variam de região para região.

Terminologia:

L = Lésbica. Mulheres sexualmente/romanticamente atraídas por mulheres.
G = gay. Homens sexualmente / romanticamente atraídos por homens.
B = bissexual. Pessoas sexualmente/romanticamente atraídas por seu próprio gênero e por outros gêneros.
T = Transgênero. Pessoas cuja identidade de gênero difere do sexo que lhes foi atribuído no nascimento.
Q = Queer/Questionário. Um termo guarda-chuva com uma variedade de significados. Usado por alguns indivíduos que não se identificam como heterossexuais ou cisgêneros e não estão em conformidade com as normas sociais tradicionais em relação a gênero e sexualidade, ou que estão questionando sua sexualidade ou identidade.
I = intersexo. Um termo guarda-chuva. Uma pessoa nascida com características sexuais que não se encaixam nas definições binárias de masculino e feminino.
A = Assexual. Pessoas que sentem pouca ou nenhuma atração sexual pelos outros.
2S = Dois Espíritos. Um termo genérico usado por alguns povos indígenas que se identificam como tendo um espírito masculino e feminino.


Quer saber mais sobre nossas peças, recursos e brindes mais recentes?
Entre na nossa lista!

By admin