Ciência Região dos Vales Rio Grande do Sul

1ª Candepaleo supera expectativas e público fica impressionado com descobertas Candelária foi referenciada como “ A terra dos cinodontes” em vários momentos da noite

Diorama mostra achados de Candelária

A noite desta terça-feira, 13, ficará na história do município de Candelária como um dos momentos memoráveis para estudantes, munícipes e visitantes da região que testemunharam o lançamento do primeiro diorama do Museu Municipal de Candelária. Trata-se de um quadro de tamanho expressivo que mistura réplicas de achados em alto relevo, uma árvore evolutiva e legendas com riqueza de detalhes sobre os fósseis candelarienses, tecnicamente, um modo de apresentação artística tridimensional de maneira realista, que demonstra porque o município está entre os apenas 22 sítios paleontológicos do mundo com potencial para exploração.

O evento, teve início com a formação da mesa de autoridades e pronunciamento do curador do museu municipal de Candelária, Carlos Nunes Rodrigues e o prefeito municipal de Candelária, Paulo Roberto Butzge. Ambos comentaram sobre a importância da paleontologia e reconheceram o trabalho dos pesquisadores e pessoas voluntárias da comunidade que trabalham há vários anos no garimpo de peças peculiares ao município.

Logo após, através de vídeos reproduzidos no telão, os espectadores presenciaram depoimentos emocionados de renomados cientistas de várias partes do mundo que comemoraram a primeira edição do evento científico. Unanimemente, os cientistas destacaram o passo importante da cidade acerca do assunto que ganhou força e tornou Candelária referência para o mundo no período triássico.

Comumente as pessoas que convivem diariamente com riquezas culturais, artísticas e naturais, acostumam-se e tendem a não dar a devida importância aos aspectos de seu município, não por ignorância, mas por tornar-se algo habitual e muitas vezes passar despercebido. O primeiro palestrante da noite, professor Dr. Cesar Schultz da cidade de Porto Alegre, evidenciou esse fato mostrando dados estatísticos que ranqueiam Candelária na rede social Google.

Em dados comparativos, o palestrante mostrou que: quando pesquisados os pontos turísticos do município, o aqueduto figura em terceiro lugar, tendo aproximadamente 9.130 sites falando sobre o assunto; o Cerro Botucaraí, está no rancking de segundo lugar, sendo falado em aproximadamente 29.500 sites, já a paleontologia de Candelária apresenta um resultado extraordinariamente superior, aproximadamente 169.000 sites do mundo já publicaram algo sobre o assunto. De acordo com o professor: “Eventos como o Candepaleo, servem para reforçar o compromisso do poder público com tamanha potencialidade e relembrar a comunidade, científica ou não, sobre a importância da valorização dos atrativos que mostra esse diferencial histórico e cultural”, enfatizou.

A programação do evento, seguiu com a palestra intitulada “Candelária: Terra de cinodontes e sua importância na Origem dos Mamíferos”, ministrada pelos paleontógos, Dr. Agustin Martinelli, de Buenos Aires/ Argentina e a Professora Dra. Marina Bento Soares, de Porto Alegre.

Em entrevista à Rádio Sorriso, o curador do Museu Municipal, Carlos Nunes Rodrigues, declarou que além de destacar a importância do patrimônio fossilífero dessa parte do país, o evento proporcionou conhecimento aos participantes, “ É importante que a comunidade se envolva. Candelária apresenta uma circulação singular do encontro, de 13 espécies diferentes de cinodontes dos quais estão ligados à formação esquelética do mamífero. Os cinodontes do nosso município representam os andares Ladiniano, carniano e noriano. Todos do período Triássico (de 205 à 255 milhões de anos atrás)”, relatou.

O evento que aconteceu no auditório da Associação Comercial e Industrial de Candelária (Acic) e contou com grande número de participantes, foi uma promoção da Prefeitura Municipal de Candelária em parceria com a Malha de Proteção ao Patrimônio Cultural, o Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues, junto com o Museu Argentino de Ciências Naturais (MACN) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), através do laboratório de paleontologia de vertebrados da Instituição educacional.

Ainda sem divulgar uma provável data, a equipe organizadora, formada por pessoas ligadas ao poder público, voluntários, empresários e entidades, já está comprometida com a realização da Candepaleo, evento que deve integrar o calendário oficial de Candelária.

Palestrantes da 1ª Candepaleo

Créditos: Patrícia Steffanello

Réplica de Cinodonte

Créditos: Divulgação/ Museu Aristides Carlos Rodrigues


Sobre o autor

Patricia Steffanello

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: